‘A América Latina enfrenta a mais profunda recessão em mais de meio século’, lamenta FMI

A- A A+

Alejandro Werner, mais alto representante do FMI na América Latina. Foto: DYN/ Archivo

O maior representante do Fundo Monetário Internacional (FMI) na América Latina afirmou que o momento atual será e já está sendo “a mais profunda recessão em mais de meio século” para a região. A entrevista foi concedida ao monopólio de imprensa El País, no final de março de 2020. Alejandro Werner aponta “para outra década perdida, mesmo que a recuperação econômica seja rápida” para os latinos.

De acordo com Werner, a crise atual, “por ser um choque global, todos os spillovers [o efeito transbordamento] do exterior vão afetar a região simultaneamente: recessão em todos os parceiros comerciais; queda nos termos do intercâmbio; crise no mercado de petróleo, com queda no preço superior ao justificado por menor atividade; queda no turismo; queda nas remessas; saída maior nos fluxos de capital do que na crise financeira mundial. Será a recessão mais profunda em mais de meio século”, diz.

Segundo ele, mesmo que seja rápida em 2021 e continue nos anos seguintes, a década de 2015 a 2025 provavelmente será outra década perdida em termos de produção per capita.

Quando perguntado se, “diferentemente da última crise, a de 2008, a América Latina não tem o salva-vidas das matérias-primas”, o diretor do FMI no departamento do hemisfério ocidental respondeu: “Aquela não foi uma crise de mercados emergentes. A região, em média, vinha de anos muito bons e tinha margem para ação. Além disso, os preços das matérias-primas se recuperaram rapidamente em razão da demanda chinesa. Desta vez é difícil esperar um impulso muito importante do lado das matérias-primas. O impacto na região será muito importante”.

Werner disse que “dificilmente se pode imaginar um choque com essa quantidade de elementos negativos para a região: é de demanda e de oferta, agravado pela queda no preço do petróleo”.

A realidade da crise

No fundo, a crise que assolará profundamente a América Latina é uma crise do imperialismo e do capitalismo burocrático. O imperialismo produz mais mercadorias do que os baixos salários permitem às massas comprar, e mesmo tendo produzido uma riqueza enorme, os trabalhadores são obrigados a passar fome.

Diante disso, os burgueses, que não aumentam os salários porque não quer tomar prejuízo com seus concorrentes e por isso explodem a crise, são obrigados a parar a produção, demitir milhões de operários em todo o mundo, o preço das mercadorias baixam porque ninguém pode comprar e as fábricas são desmontadas e fechadas.

Na América Latina, pelo fato de ser uma região semicolonial, com indústria muito frágil e dominada pelos imperialistas, a “recessão” (palavra usada pelos imperialistas para atenuar a gravidade da crise) será ainda pior, devido ao fato de toda suas finanças dependerem de matérias-primas, que já são de baixo valor e baixam muito o preço devido à paralisação da produção mundial.

A crise, a miséria das massas e a destruição das finanças de todas as nações, especialmente as oprimidas, é culpa do imperialismo e da forma como produz as riquezas, baseada na apropriação individual dos capitalistas, que acumulam fortunas inimagináveis, privando as massas de usufruir da riqueza quem produzem. A crise é resultado disso. Aos poucos, os operários e massas populares vão lutando contra os efeitos do imperialismo, vão tomando consciência disso e entendendo a necessidade da Revolução.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira