Peru: Juiz rejeita pedido de Habeas Corpus para Abimael Guzmán

A- A A+

O Tribunal Criminal de Lima rejeitou, no dia 30 de março, o pedido de Habeas Corpus para o Dr. Abimael Guzman, o Presidente Gonzalo, mais importante prisioneiro de guerra do Peru. Seu advogado, Alfredo Crespo, entrou com o pedido, pois Abimael, devido a sua elevada idade e problemas de saúde, como pressão alta, está no grupo de risco da Covid-19. Sua vida em meio às péssimas condições do cárcere peruano corre sério risco, argumenta. O pedido agora será feito a Câmara Criminal Superior.

No recurso o advogado Alfredo Crespo reclamou que a decisão de negar o Habeas Corpus foi meramente política e discriminatória, tanto que sequer foi investigada as condições as quais Abimael está submetido e nenhum exame médico foi realizado.

O advogado também lembrou em seu recurso das condições nas quais se encontra as penitenciárias peruanas que, segundo o próprio Instituto Penitenciário Nacional (Inpe), em fala de seu ex-presidente, César Cárdenas Lizarbe, no dia 20 de fevereiro de 2020, “o sistema penitenciário está em estado de emergência até janeiro de 2021, e há superlotação crítica com cerca de 90 mil pessoas presas, o sistema penitenciário está em colapso”.

Alfredo Crespo também lembrou que em uma situação parecida, a do ex-primeiro ministro Cesar Villanueva, que pediu a variação da detenção preventiva para prisão domiciliar, o tribunal levou em consideração a pandemia de Covid-19 para aprovar o pedido.

Embora o advogado faça parte do Movimento pela Anistia e Direitos Fundamentais (Movadef), uma fração revisionista que rompeu com o Partido Comunista do Peru e com a Guerra Popular, fica evidente o caráter político da detenção do Presidente Gonzalo.

Segundo afirmou a Associação de Nova Democracia Peru, em texto enviado ao AND em 2014: “O Presidente Gonzalo permanece absolutamente isolado desde a sua detenção em uma Base da Marinha de Guerra (primeiro na ilha ‘San Lorenzo’ e logo em Callao). As delegações do Comitê Internacional de Emergência para a defesa de sua vida, que de 1993 até 2001 viajaram a Lima para entrevistá-lo, se viram impedidas de fazê-lo porque os mandos da Marinha de Guerra negaram toda autorização de visita para vê-lo. Em novembro de 2004, a Sala Especial Penal, encarregada de levar a cabo o novo processo contra o Presidente Gonzalo se viu obrigada a suspendê-lo quando o Presidente, com o punho em alto, com voz de combate, agitou as consignas pela guerra popular, o Partido, o maoísmo, mas nenhuma para ‘a paz e a reconciliação’”.

Desde sua detenção, apenas aos revisionistas, como os do Movadef, são autorizados a ter contato com o Presidente Gonzalo, que não têm acesso às informações do mundo exterior. Mesmo durante os julgamentos, "somente os advogados da Linha Oportunista de Direita (LOD), Crespo [o atual advogado] e Gamero, e seus coacusados da LOD podem intercambiar com ele alguns gestos", explica a Associação.

A LOD estruturou-se em 1992, após a captura do Presidente Gonzalo e grande parte dos membros do Comitê Central, com o suporte da CIA ianque e da reação peruana, com o propósito de parar a Guerra Popular, atacar o pensamento gonzalo e liquidar o Partido Comunista do Peru.

Figura em homenagem ao Presidente Gonzalo e a Guerra Popular no Peru, dirigida pelo PCP.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza