Sem atendimento, idosa é obrigada a deitar no chão de hospital

A- A A+

Sem atendimento médico, uma senhora foi flagrada deitada no chão de um hospital, na zona oeste do Rio de Janeiro, no dia 13/04. Ela estava com dores e não pôde ser atendida, porque não havia macas. 

Dona Lenisia, que não teve idade revelada, está diagnosticada com câncer no pâncreas e metástase no fígado e pulmão. Em um laudo, ela teve ordenada a internação para tratamento, com aval do judiciário, porém após passar por três hospitais não teve acesso ao seu direito. O caso ocorreu especificamente no Hospital Municipal Pedro II.

A situação a que foi submetida Dona Lenisia tende a se generalizar com o crescimento dos casos de Covid-19, que diminui a quantidade de leitos disponíveis, após décadas de falta de investimento por parte de todos governos reacionários.

As equipes de saúde, por exemplo, denunciam a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e até itens básicos. Desde que a crise começou representantes sindicais e os próprios profissionais, como enfermeiros, médicos e técnicos reclamam e pedem providências urgentes às prefeituras e governos. 

No Rio de Janeiro e em São Paulo, estados onde a Covid-19 tem maior número de infectados, a falta de pessoal, problema crônico, se soma com a falta de EPI, aumentando exponencialmente os riscos aos trabalhadores, sendo vários casos de infecção por dia. 

O problema é geral e toma conta das unidades de saúde do país. Na rede pública se torna pior por conta dos vários anos de ataques que o Sistema Único de Saúde (SUS) sofre, com cortes, redução de pessoal, falta de investimentos e privatizações via Organizações Sociais.

A situação é ainda mais crítica após o governo reacionário Michel temer ter aprovado a Emenda Constitucional 95, que congelou por 20 anos o montante de investimentos nas áreas sociais, inclusive na saúde.

Dona Lenisia, mesmo sendo paciente oncológica e com fortes dores, teve que deitar no chão do hospital por falta de macas. Foto: Redes Sociais

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira