Revolucionários alemães e irlandeses homenageiam a luta revolucionária na Irlanda

A- A A+

No dia de páscoa, em diversas cidades da Alemanha, revolucionários fizeram pichações e pinturas em solidariedade aos revolucionários irlandeses e sua luta revolucionária por Libertação Nacional. Na mesma semana, os militantes irlandeses lançaram uma declaração sobre a situação revolucionária no país.

As ações aconteceram em homenagem à Rebelião da Páscoa, acontecida na Irlanda em 1916, quando o povo irlandês armado se levantou contra o jugo britânico, na luta por uma república irlandesa independente. Naquela semana, 16 líderes da revolta foram brutalmente executados pelas forças coloniais.

Pintura realizada pelos revolucionários em Hamburgo declara: A Irlanda subjugada nunca estará em paz! O sangue dos heróis caídos demanda: sigamos em frente no caminho da Guerra Popular!

Em Bremen, as pichações exclamam: A Irlanda subjugada nunca estará em paz! e O sangue dos heróis caídos demanda: sigamos em frente no caminho da Guerra Popular! As mesmas palavras de ordem foram gravadas nas cidades de Freiburg e Bochum.

Revolucionários lançam declaração na ocasião da Rebelião de Páscoa

Revolucionários irlandeses do grupo Socialistas Republicanos Irlandeses, da organização de Juventude Socialista Republicana (Macradh) e a Ação Anti-imperialista Irlandesa divulgaram, na semana de páscoa, uma declaração para o acontecimento histórico.

Eles começam o documento estendendo saudações revolucionárias aos seus membros, amigos e apoiadores no país e no estrangeiro e dizem que, em particular, enviam saudações às organizações de massas que atuam com eles. “Saudamos seus esforços contínuos para reconstruir a luta pela Libertação Nacional e a Revolução Socialista em toda a Irlanda”, iniciam.

Segundo os irlandeses, este ano significa mais um marco no desenvolvimento da Ação Anti-Imperialista: “Pela primeira vez desde a sua fundação em 2017, a Organização Socialista Republicana de massas realizará eventos comemorativos de 1916 nas quatro províncias do nosso país. Este é um testemunho do trabalho árduo realizado diariamente pelos nossos ativistas para fortalecer o Movimento Revolucionário nos 32 condados”. 

Os revolucionários acrescentam que na Páscoa de 2020 estendem solidariedade a todos os prisioneiros políticos irlandeses e a todos os prisioneiros de todo o mundo mantidos cativos como resultado da luta pelo socialismo para derrotar o imperialismo. 

“Saudamos a memória de Helin Bölek do Grup Yorum e apoiamos aqueles que permanecem na greve da fome contra o fascismo turco pelo direito de cantar as Canções do Povo da Revolução. Pedimos a libertação imediata de todos os prisioneiros do Grup Yorum e a libertação dos nossos camaradas, Ahmad Sa'adat e Khaledia Jarrar, de Georges Abdalladh e do Presidente Gonzalo, do Partido Comunista do Peru”, exigem.

Sobre a data histórica, eles colocam que no 104º Aniversário do Levante de 1916 os republicanos socialistas irlandeses recordam os homens e mulheres de todas as gerações que lutaram e morreram pela Libertação Nacional e pela Revolução Socialista. “A chispa acesa pela Rebelião não se apagará até o estabelecimento da nossa República Popular, a tomada do poder pela classe operária e a vitória da Revolução Socialista”.

Eles declaram: “Após 104 do Levante de 1916, a Irlanda encontra-se novamente em uma situação revolucionária. A Irlanda continua a ser uma colônia e semicolônia do imperialismo, oprimida e explorada pela divisão e ocupação ilegal. O atual colapso econômico do sistema capitalista devido à superprodução e a crise resultante do imperialismo, agravada pela pandemia do coronavírus, significa que as forças de reação não podem mais governar da maneira antiga e que as condições materiais estão mudando rapidamente. O imperialismo está em crise e vai quebrar nas periferias. As condições para a Revolução na Irlanda estão maduras”.

Em tempos tão históricos, dizem eles, “é dever das organizações revolucionárias organizar a classe operária e mobilizá-la na luta pela Libertação Nacional e Revolução Socialista. Através da implementação da Linha de Massa, os revolucionários irlandeses podem desempenhar o papel principal na derrota de todos os inimigos de classe. Desde o início da crise atual, nossas organizações têm estado à frente combatendo e resistindo aos latifundiários parasitas e capitalistas exploradores e, ao mesmo tempo, continuando a se organizar contra o imperialismo britânico e a contrarrevolução do Estado Livre. Nossos membros continuarão agitando a educação e a organização com trabalhadores para combater todos os parasitas que os exploram e, ao fazê-lo, conquistar seu apoio à Libertação Nacional e à Revolução Socialista. A luta do Exército de Cidadãos Irlandeses de 1913 é a luta dos republicanos socialistas de hoje”, asseveram.

E continuam: “A classe operária irlandesa enfrenta agora uma luta prolongada para acabar com a exploração e a opressão e precisa de uma organização revolucionária do novo tipo para os dirigir nessa luta. O proletariado não deve tentar combater as forças da reação nos seus terrenos. Lutaremos para vencer nos nossos próprios terrenos, fora das linhas e das fronteiras estabelecidas pelos nossos inimigos”.

“A opção que a classe operária irlandesa enfrenta hoje é lutar pela República ou enfrentar a exploração e opressão paralisantes. Não há escolha - o nosso objetivo é lutar. Para uma República Socialista de 32 Condados. Combate e Resistir ao Imperialismo e Contra-Revolução! Mobilizar as massas para a Libertação Nacional e a Revolução Socialista! Construir a República da Irlanda através do estabelecimento de Comitês de Resistência, Centros de Resistência e Conselhos Populares Revolucionários! Construir a Frente Anti-imperialista!”, concluem os revolucionários.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza