Grécia: Fogo em campo de refugiados deixa centenas desalojados em meio à pandemia

A- A A+

A tensão por medo de surtos de coronavírus nos acampamentos lotados da Grécia continua [Louisa Gouliamaki/AFP]

Um incêndio atingiu um dos maiores campos de refugiados da Grécia, na ilha de Chios, causando danos generalizados e deixando até centenas de pessoas desabrigadas, no dia 19 de abril.

O incêndio começou após um protesto sobre a morte de uma requerente de asilo iraquiana de 47 anos, que os moradores afirmam que morreu pela Covid-19. O incêndio ocorrido no campo de Vial destruiu as instalações do serviço de asilo, uma cantina no campo, barracas de depósito e muitos contêineres residenciais, disse o secretário do Ministério da Migração, Manos Logothetis, à agência do monopólio de notícias AFP.

O porta-voz da agência de refugiados da ONU em Atenas, Boris Cheshirkov, disse que os danos ainda estavam sendo avaliados, mas que muitos moradores do campo provavelmente ficariam desabrigados.

Uma fonte policial em Atenas disse que dois afegãos e um iraquiano haviam sido presos em relação ao protesto que se seguiu à morte da mulher.

Acampamentos lotados

Cerca de 35 mil pessoas vivem nos acampamentos da ilha, que são destinados a abrigar cerca de 6 mil pessoas. Um total de cerca de 100 mil requerentes de asilo estão atualmente presos na Grécia depois que outros estados europeus fecharam suas fronteiras em 2016.

Como em todos os acampamentos insulares da Grécia, Vial está severamente superlotado, com mais de 5 mil pessoas vivendo em um espaço destinado a cerca de 1 mil. 

A maioria absoluta de massas foge à Europa vinda de regiões assoladas pela guerra imperialista, atiçada e produzida pelas potências, especialmente da Europa ocidental (França, Inglaterra e outras). Potências que depois fecham suas fronteiras e deixam-as morrer sem as mínimas condições de sobrevivência.

Crianças são vistas no campo de refugiados de Malakasa, em Atenas, depois de ter sido colocado em quarentena após um homem ter dado positivo para o coronavírus [Ayhan Mehmet/Getty Images]

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza