Lenin incendiário - Lições da tática bolchevique durante a primeira revolução russa de 1905

A- A A+

O ensaio, escrito por Igor Mendes, pode ser baixado em formato de brochura acessando este link.

Nota introdutória

Dois motivos me animaram a escrever este brevíssimo ensaio sobre a tática bolchevique em 1905, aos quais se soma a celebração pelos 150 anos de nascimento do grande Lenin. Foram eles:

1) O evidente interesse histórico do tema. Há, hoje em dia, duas espécies de ataques ao marxismo: um, vindo dos seus inimigos declarados, que querem transformar a primeira investida pelo socialismo numa série de “erros” e de “crimes”; que pintam esta democracia burguesa, putrefata, como o cume do desenvolvimento humano, além do qual não há nada. Outro tipo de ataque, mais insidioso, funciona como uma espécie de Cavalo de Troia: em nome do marxismo, invocando as experiências revolucionárias (oportunamente deturpadas), alguns querem converter seus dirigentes em seres anêmicos, dúbios, quando não, em liberais pela metade, em ícones inofensivos etc. É um velho truque. Estes “amigos” querem fazer, em suma, deste fantasma inventado pela extrema-direita – o tal “marxismo cultural”, que nada tem a ver com o marxismo de Marx – um ser de carne e osso; querem converter a doutrina que ensina o proletariado a lutar pelo poder num mero guia comportamental, eleitoral, perfeitamente adaptado à velha ordem. Em parte, isto explica porque – sobretudo nos períodos de auge - alguns jovens preferem acorrer às frases grandiloquentes e ocas do anarquismo a seguir semelhante “marxismo”.

O leitor verá que a potência do maduro Lenin de 1917, chefe da revolução e da guerra civil que a seguiu, já existe no relativamente jovem Lenin de 1905. Um propósito, uma única posição de classe, uma atuação revolucionária coerente, uma militância ardente, apaixonada, incendiária mesmo: este é o Lenin de carne e osso. Vários temas que reaparecerão em 1917 – a dualidade de poderes, a criação do exército revolucionário, a luta de morte contra os oportunistas, a necessidade de preparar conscienciosamente a insurreição e fixar o momento exato da sua data – já estão aqui, em 1905. Na verdade, os bolcheviques nunca renunciaram às heranças da primeira tentativa, ao contrário, propuseram-se a aprender dos erros para “afiar mais a lâmina”, e por isso venceram. Esta lição, de fundo, válida neste processo histórico concreto, parece ser válida também para analisar o processo histórico no seu conjunto. Uma grande questão para o triunfo da revolução no século XXI é saber defender as heranças da revolução no século XX. 

2) A política. Em todo o mundo, e particularmente na América Latina, no último ano, eclodiram rebeliões populares. Não raro, elas chegaram ao limiar da guerra civil. Como se orientar quando a maré da luta de classes parece ultrapassar as forças próprias dos revolucionários? Como não se perder, em meio ao turbilhão? Como fazer ecoar as vozes que chamam as massas ao combate decisivo, quando parecem ser mais fortes – e, num certo sentido, ao menos material, certamente são mais fortes – as vozes que as chamam à capitulação? 

Mutatis mutandis, em 1905 os bolcheviques se depararam com interrogações deste tipo. Observar como Lenin as respondeu é particularmente relevante, agora. Parece paradoxal, mas observar mais de perto seus passos de há 115 anos talvez seja, hoje, uma questão das mais urgentes.

Finalmente, um último ponto: o método. Isto não é uma compilação de citações, porque elas já existem e melhores do que eu poderia fazer. Tentei enquadrar os textos dentro da situação real. Lendo os artigos de Lenin, percebe-se que ele foi não só o intérprete perspicaz, como também o melhor narrador da revolução em curso. Além dos tomos VIII, IX e X das obras completas, que abrangem o período em vista (versão Akal editor, que apareceu na Espanha em 1974, disponível na íntegra no site marxists.org), também foi de grande utilidade a leitura das suas cartas de 1905, que estão no tomo XXXVIII da referida edição. Nas cartas, veremos, além do teórico de vulto e do organizador intrépido, o homem prático, apaixonado, que também se aflige, se impacienta, que se preocupa e aconselha seus camaradas e anseia voltar, o quanto antes, para a Rússia revolucionária. Para completar o quadro, usamos também como fontes o “Compêndio de História do Partido Comunista (bolchevique) da URSS”, aparecido na URSS em 1938, cuja primeira edição brasileira é do Editorial Vitória de 1945, e a biografia “Lenin (sua vida e sua obra)”, escrita na URSS em 1945 e publicada no Brasil pelo Editorial Vitória em 1955. Em apenas duas ou três ocasiões, no máximo, recorri a textos de Lenin posteriores a 1905, ainda assim, quando estavam estritamente relacionados aos acontecimentos narrados. Não faria sentido reconstituir uma batalha, emprestando aos combatentes armas que eles desconheciam. O interessante é mesmo ver através de quais batalhas as novas armas serão forjadas. 

Rio, dezembro de 2019


Lenin incendiário

Lições da tática bolchevique durante a primeira revolução russa de 1905

"Indo ao combate, devemos desejar a vitória e saber indicar o verdadeiro caminho que a ela conduz”. (Lenin)

Em dezembro de 1907, a direção bolchevique decidiu pela saída de Lenin da Rússia1. Após dois anos de auge revolucionário, dois anos da maior revolução popular desde a Comuna de Paris (1871), arrefecia a força das massas, caía a noite sobre sua primeira investida contra a autocracia czarista.

O chefe do partido proletário iniciaria seu segundo período de emigração, o mais longo e penoso. Após meses de febril atividade na própria Rússia, dirigindo reuniões clandestinas, escrevendo e intervindo em numerosas polêmicas, falando diretamente às massas, consolidando os grupos de combate - “embriões do exército revolucionário” - Lenin teria que defender desde o “maldito exílio” os princípios do marxismo contra os renegados e capituladores. Sobre este período de provações, Stalin diria, em “Lenin, águia das montanhas” (1924), quando o Poder dos Sovietes já era um fato histórico mundial: “Lenin foi então o único que não se deixou levar pelo contágio e que manteve erguida a bandeira do Partido, reunindo, com paciência assombrosa, com persistência extraordinária, as forças dispersas e combalidas do Partido, combatendo no interior do movimento operário todas as tendências hostis ao Partido, defendendo o princípio do Partido com uma coragem fora do comum e uma perseverança sem paralelo”. Sua fé na causa permaneceria inabalável. Ele sabia que o novo auge viria, custasse o que custasse, apesar dos desterros, dos cadafalsos, das Centúrias Negras. 

Provavelmente, era nas lições da primeira revolução russa que ele pensava quando se pôs a caminhar naquela fria noite de fim de outono na Finlândia. Impossível tomar um navio diretamente no porto principal: seria preso. Saindo da choça onde se escondia, através de um lago congelado, Ilitch sentiu de repente o gelo estalar sob seus pés. “Que forma estúpida de morrer!”, recordou ter dito de si para si, mais tarde. Correndo risco de vida, atravessou. Levava na bagagem a rica experiência revolucionária adquirida nos “grandes dias que condensavam vintenas de anos”. E estava convencido de que, da próxima vez, armados com este tesouro obtido no próprio terreno, sempre confrontado com a experiência histórica e com os princípios basilares do marxismo, armados destas lições o proletariado e as massas populares venceriam. Lenin não poderia prever que as suas teses seriam postas à prova precisamente em 1917; mas ele já sabia que a vitória num futuro incerto dependeria, em larga medida, da justa apreciação deste verdadeiro prólogo chamado 1905 que ficava para trás. 

O prólogo do prólogo

Engels dizia, a respeito de Marx, no prefácio à terceira edição alemã de O 18 Brumário:

“Essa notável compreensão da história viva da época, essa lúcida apreciação dos acontecimentos ao tempo em que se desenrolavam, é, realmente, sem paralelo”2.

Pode-se dizer que Lenin ombreava com Marx nesta capacidade, adquirida não só através de árduo estudo, como também pela participação direta na luta de classes. 

Em 1904 estourou a guerra russo-japonesa. Lenin recusou qualquer atitude defensista, ou seja, de “defesa da pátria”, nesta guerra de partilha. Ao contrário dos mencheviques, ele denunciou vivamente a guerra como uma disputa entre dois bandos imperialistas e previu que ela aceleraria a decomposição da autocracia czarista3. Assim, escreveu Lenin sobre a fragorosa derrota sofrida pelo Império na Batalha de Porto-Artur, em que as tropas russas perderam cerca de 120.000 homens entre mortos, feridos e prisioneiros: “A capitulação de Porto Artur é o prólogo da capitulação do czarismo”4. 

A 9 de Janeiro de 1905, 140.000 pessoas se reuniram em São Petersburgo. Seu objetivo era entregar uma petição ao Czar reclamando melhorias nas condições de vida. A direção deste movimento estava nas mãos de um agente provocador, o Padre Gapon, que seria justiçado em 1906 por um grupo de combate ligado ao partido socialista-revolucionário. Nas cercanias do Palácio de Inverno, a tropa abriu fogo contra os operários desarmados: mais de mil deles morreram na hora. A indignação varreu a Rússia e o “Domingo Sangrento” foi a chispa que incendiou toda a pradaria. Assimilando o impacto destes episódios na consciência das amplas massas, Lenin diria, ainda no calor dos acontecimentos:

“Não haverá medidas draconianas nem proibições capazes de conter as massas das cidades, enquanto se deem conta de que, sem armas, se verão condenadas a ser metralhadas em massa pelo governo, ao menor pretexto. Cada qual se esforçará por todos os meios a procurar um fuzil, ou pelo menos um revólver, por ocultar suas armas à polícia e por se preparar para oferecer resistência aos sanguinários lacaios do czarismo. Os começos, diz o adágio, são sempre difíceis. Aos operários custou muito trabalho passar à luta armada. Porém o governo os obrigou agora a isso. Deu-se o primeiro passo, o mais difícil de todos”5

A revolução, afinal, rebentara, confirmando a genial previsão de Lenin.


Retrato do Domingo Sangrento

*

Lenin recebeu no exílio, em Genebra, os informes do estouro da revolução na Rússia. É apaixonada sua primeira saudação aos operários insurretos, publicada no jornal Vperiod (órgão bolchevique), a 24 de janeiro de 1905:

“Força contra força. Ferve a luta nas ruas, se levantam barricadas, crepitam as descargas e troam os canhões. Correm rios de sangue, se levantam as chamas da guerra civil pela liberdade. Moscou e o Sul, o Cáucaso e a Polônia se dispõem a unir-se ao proletariado de Petersburgo. ‘Liberdade ou morte!’, é agora a consigna dos operários. Muito se decidirá hoje e amanhã. A situação muda a cada hora. O telégrafo transmite notícias espantosas e todas as palavras empalidecem ante os acontecimentos de que somos testemunhas. Cada um deve estar preparado para cumprir com seu dever de revolucionário e de social-democrata. Viva a revolução! Viva o proletariado insurreto!”.6

A revolução crescia. Teses há muito defendidas pelos marxistas na Rússia, como o papel dirigente do proletariado na revolução futura, e que foram objeto de longos trabalhos teóricos da juventude de Lenin – dentre os quais se destaca “O desenvolvimento do capitalismo na Rússia” (1898) – realizavam-se perante os olhos de todos. Apenas em janeiro o número de grevistas atingiu a cifra de 440.000, o que equivalia a mais do que fora registrado nos dez anos anteriores. Atrás dos operários, animadas por eles, começavam as sublevações camponesas, cresciam as manifestações estudantis e intelectuais, a revolução ganhava um caráter realmente popular. 

Os problemas da tática, isto é, do que fazer nestes momentos críticos, em que não se admitia a menor perda de tempo, passavam à ordem do dia.

“É preciso saber ensinar algo à revolução”

O movimento espontâneo de massas ultrapassava em muito as forças orgânicas social-democratas, elas próprias, cindidas entre bolcheviques e mencheviques e uma série de grupos intermediários, que Lenin chamava de “o pântano”. Mas esta era só uma faceta da questão. De toda a Rússia brotavam forças novas, frescas, apresentando-se para a luta revolucionária. Lenin não admitia, nestas horas, nenhum ar de desalento, de reclamação, de decadência, e estigmatizava os camaradas presos aos velhos tempos. Já em fevereiro, dizia, no seu trabalho “Novas tarefas e novas forças”:

“O organizador prático que se queixa, nestas condições, da falta de homens, se equivoca como se equivocava madame Rolland quando em 1793, no momento culminante da grande revolução francesa, escrevia que a França não tinha homens, que todos eram pigmeus. Quem assim se expressa não vê o bosque porque o impede as árvores; reconhecem que os acontecimentos os cegaram, que em vez de dominar, como revolucionários, com sua consciência e atividade, os acontecimentos, se deixam dominar e ultrapassar por eles. Semelhantes organizadores deveriam passar à reforma e abrir caminho às forças jovens, cuja energia substitui amiúde com vantagens o que lhes falta em experiência”7

Como é evidente, os problemas de organização entrelaçavam-se profundamente às grandes questões da direção política do movimento. Lenin já cimentara muito antes, em “Que Fazer?” (1902), os princípios ideológicos do partido marxista de novo tipo, assentando a justa relação entre consciência e espontaneidade, ou, entre a organização dos operários e a organização dos revolucionários. Agora, diante da maior revolução desde a Comuna de Paris, que punha fim ao período de “desenvolvimento relativamente pacífico” atravessado pela Europa em quarenta anos, a vida submetia o partido a uma prova muito séria. Lenin sempre defendeu a necessidade de aprender das massas, observar e colher suas formas de luta e seu espírito criativo, “entretanto – anotava - a tarefa não é somente aproveitar os ensinamentos da revolução; é preciso também que saibamos ensinar algo à revolução, imprimir-lhe um cunho proletário, a fim de assegurar-lhe a vitória verdadeira” 8. Ou seja: o problema da tática nada mais é do que o problema de assegurar os meios para que o proletariado dirija a revolução, e não se prostre covardemente na cauda dela, lamentando a “debilidade das próprias forças”, a “incultura das massas” ou outros disparates do tipo, sempre ressuscitados pelos reformistas. Dizia:

“A todos os oportunistas agrada dizer-nos: aprendam da vida. Lamentavelmente, eles entendem por vida só as águas quietas dos períodos pacíficos, os tempos de estancamento, nos quais a vida apenas avança. Eles, gente cega, ficam sempre atrasados com relação aos ensinamentos da vida revolucionária. Suas doutrinas mortas sempre ficam atrás da torrente impetuosa da revolução, que expressa as mais profundas reivindicações da vida, aquelas que involucram os mais arraigados interesses das massas populares”9.

Lenin reclamava não apenas uma análise científica, criteriosa, da correlação de forças e do futuro do movimento revolucionário, mas também um vivo trabalho de agitação e propaganda entre as massas, orientado por consignas acessíveis, combativas e claras. Repudiava o método oportunista de eludir as grandes necessidades do tempo com frases tão grandiloquentes quanto ocas. Dizia, a propósito: “O oportunista necessita sempre de consignas que, vistas de perto, só contém frases sonoras, como uma espécie de decadente acrobacia verbal”10

Defendia e empenhava grande parte do seu tempo em escrever editoriais curtos, acerbos, palpitantes, para o órgão do Partido e as organizações locais. Deste modo:

“Nos artigos de Lenin publicados pelo Proletári, o Partido recebe uma análise marxista científica da marcha da revolução, brilhantes prognósticos sobre seu desenvolvimento ulterior, palavras de ordem claras e precisas, amplas diretivas e indicações”.11 

Além do órgão ilegal do Partido, ele logrou, nestes meses tempestuosos, com a ajuda de Máximo Gorki, fazer circular um jornal político legal de massas, o Novata Jizn ("Vida Nova").

No entanto, não era apenas o problema das consignas que atraía a sua atenção. A questão das novas formas de luta apresentadas pela revolução russa – destacadamente, da transformação da greve de massas em insurreição armada – assumia grande relevo:

“Por outro lado, para determinar de modo concreto a tática de um partido revolucionário nos momentos mais tempestuosos da crise nacional de que sofre o país, é a todas as luzes insuficiente limitar-se a assinalar quais classes são capazes de atuar em prol do triunfo da revolução. (...) Por isso, se ao avaliar os períodos revolucionários, nos limitamos a determinar a linha de ação das distintas classes sem analisar suas formas de luta, nosso juízo será incompleto, desde o ponto de vista científico não será dialético, e desde o ponto de vista político prático degenerará em raciocínios mortos”12.

Lenin fustigava, portanto, os “dirigentes” que se contentavam em ser “intérpretes do movimento”, ficando à margem dos acontecimentos; fustigava os que se limitavam a propor tarefas, sem saber forjar os instrumentos capazes de realizá-las. Exigia de todo o partido que se educasse e educasse às massas nas próprias ações de combate. Ensinava a militância (sobretudo os dirigentes) não só a ler nos livros, ensinava-a também a ler na própria vida. 

Material para tanto não faltava. A revolução seguia seu curso, implacável. As greves de massas se estendiam pelo país, e os primeiros Sovietes da história se formaram. Na primavera, o campo entrou decididamente na luta: mesmo nos recônditos mais sonolentos da velha Rússia semifeudal o chão parecia tremer, e a luta de classes despertava as massas camponesas, não raro reprimidas com selvageria pelos gendarmes. Destacamentos guerrilheiros formavam-se espontaneamente. Em junho de 1905 ocorreu um fato de importância capital: o Encouraçado Potemkin, um dos orgulhos da frota de guerra do czar, se sublevou perto de Odessa, onde os operários vinham travando uma luta política encarniçada. Durante vários dias a bandeira vermelha tremulou perante o mundo. 

Esta situação punha na ordem do dia o problema da insurreição armada. Esta questão ocupa, de fato, desde o início dos acontecimentos revolucionários, e principalmente a partir do segundo semestre, todas as atenções e toda a energia de Lenin. Contudo, antes de passar à nova fase, havia uma outra questão histórica fundamental posta sobre a mesa: a da relação entre a revolução burguesa e a revolução socialista.

“Somos partidários da revolução ininterrupta”

Um dos novos problemas apresentados em 1905 foi o do papel do proletariado na revolução democrático-burguesa, nas condições particulares do século XX. Este problema tinha, no seu cerne, a questão da aliança operário-camponesa, e era, desde logo, um ponto de divergência irreconciliável entre bolcheviques e mencheviques.

Nas primeiras semanas das jornadas revolucionárias, Lenin escreveu, em seu artigo “Duas táticas”: “A partir de 9 de janeiro, o movimento operário está se convertendo perante os nossos olhos em uma insurreição popular”13. Apoiando-se na famosa carta de Marx, em que este dizia que o triunfo da revolução democrática na Alemanha dependeria de uma “segunda edição das guerras camponesas”, assim como na sua posição acerca da repartição da terra nos Estados Unidos (passagens cuidadosamente soterradas pelos oportunistas), o chefe da revolução russa dirá:

“Dificilmente haverá no mundo outro país no qual o campesinato tenha que sofrer tantas torturas, tal opressão e humilhação como na Rússia. Porém, quanto mais sombria tenha sido a opressão, tanto mais poderoso será o despertar, tanto mais irresistível sua acometida revolucionária. E ao proletariado revolucionário com consciência de classe corresponde apoiar com todas as suas forças esta acometida, para que não deixe pedra sobre pedra da velha e maldita Rússia autocrática, feudal, escravista, para que faça surgir uma nova geração de homens livres e intrépidos, uma nova Rússia republicana, na qual possa travar-se livremente nossa luta proletária pelo socialismo”14

Em outra parte, cravará: “Pois da revolução democrática começaremos a passar em seguida, e precisamente na medida das nossas forças, das forças do proletariado com consciência de classe e organizado, à revolução socialista. Somos partidários da revolução ininterrupta. Não nos deteremos na metade do caminho”15. É preciso reconhecer que nascia aí o esboço da formulação que, doze anos depois, orientaria os bolcheviques no labirinto histórico instalado entre fevereiro e outubro de 1917. 

Além do problema camponês e da relação entre revolução burguesa e socialista, cujo desenvolvimento já constituía um enorme passo à frente em relação ao século XIX, Lenin sentava com estas formulações as bases de uma verdadeira teoria da hegemonia, que se demonstraria crucial à medida em que as tempestades revolucionárias se deslocavam para o Oriente, onde a classe operária era apenas uma minoria da população. Como atuar no movimento democrático-burguês florescente? O proletariado defenderia uma revolução do tipo da de 1848 – isto é, um aborto de revolução – ou uma do tipo de 1789, isto é, verdadeiramente popular, radical, jacobina? Os comunistas deveriam marchar a reboque da burguesia traidora ou à frente do proletariado e do campesinato revolucionários? Estas questões ocupam uma parte enorme dos escritos (e, consequentemente, do valioso tempo) de Lenin naqueles dias.  

Aos que temiam que o proletariado “perdesse” a direção do movimento, e usavam este temor como justificativa da inércia e da paralisia, ele replicava:

“Desde o ponto de vista proletário, a hegemonia corresponde, na guerra, a quem luta com maior energia, a quem sabe aproveitar todas as ocasiões para assestar um golpe ao inimigo, àquele cujas palavras não diferem dos fatos e que é, portanto, o dirigente ideológico da democracia, que critica tudo o que sejam posições às meias”16.

Para Lenin, a formulação madura, cientificamente exata do problema, seria: ditadura democrático-revolucionária do proletariado e do campesinato, cujo órgão seria o governo provisório revolucionário, apoiado nas massas armadas. Como se sabe, foi esta a linha adotada pelo III Congresso do POSDR (reunido em abril, em Londres, que foi sabotado pelos mencheviques, que se reuniram em Conferência à parte), cujas teses Lenin desenvolveu no seu magistral trabalho “Duas táticas da social-democracia na revolução democrática”, aparecido pela primeira vez em julho daquele ano, em Genebra. Aí, Lenin não deixará pedra sobre pedra do menchevismo e da sua torpe posição de fazer do movimento revolucionário um mero apêndice da burguesia liberal contrarrevolucionária. Trata-se, na verdade, não apenas de duas táticas, como também de duas estratégias distintas e antagônicas.

A título de ilustração, compare-se a original, e dialética, formulação leninista da passagem da revolução democrática à revolução socialista, da aliança operário-camponesa e da luta do proletariado por assegurar a hegemonia na revolução, com o que dizia o menchevique L. Trotsky naqueles dias:

“O poder revolucionário só pode se apoiar numa força revolucionária ativa. Quaisquer que sejam os pontos de vista quanto ao desenvolvimento posterior da revolução russa, o fato é que nenhuma classe social, salvo o proletariado, mostrou-se até hoje capaz de apoiar o poder revolucionário e nem sequer disposta a fazê-lo”17.

Que papel dirigente caberia ao proletariado na revolução, se se resignasse a ser tão-somente vanguarda dele mesmo? Que seria feito do “poder revolucionário” se ficasse isolado, incapaz de se apoiar numa espécie de reedição das guerras camponesas? Para Lenin, Trotsky, com efeito, não passava de um “charlatão”:

“Quando o charlatão Trotsky escreve agora... que um ‘padre Gapon só pode surgir uma vez’, que ‘não há lugar para um segundo Gapon’, o faz simplesmente porque é um charlatão. (...) Para chegar a ser grande, uma revolução democrática que recorde e sobrepasse a dos anos 1789-1793, e não a de 1848-1850, tem que pôr de pé massas gigantescas, incorporá-las à vida ativa e aos esforços heroicos, a uma ‘fundamental realização histórica’; tem que arrancá-las da terrível ignorância, da opressão inaudita, do incrível atraso e do estupor sem esperança em que vivem”18.   

Como se vê, nenhuma semelhança havia entre a tese da “revolução permanente” à lá Trotsky e a teoria científica da revolução permanente de Marx e da revolução ininterrupta de Lenin. Somente a falsificação histórica poderia reivindicar algum parentesco entre estas e aquela. 

“Por Deus, não confiem nos mencheviques”

Em janeiro de 1905, embora formalmente membros do POSDR, bolcheviques e mencheviques compunham duas organizações distintas. Após a vitória das teses de Lenin no II Congresso (1903) – daí sua denominação de “bolcheviques”, isto é, maioria – os mencheviques nunca acataram as suas disposições, em tese, obrigatórias para todos os membros. Valendo-se da posição de trânsfuga de Plekhanov, que queria se fazer passar por “independente”, mas marchava de fato com os mencheviques, estes deram um golpe no jornal Iskra (“Centelha”), fundado por Lenin, e fizeram dele o seu órgão central. Embora contassem com apenas 4 comitês na Rússia, de um total de mais de vinte existentes, os mencheviques denominavam o seu próprio centro de “Comitê Central”. Eram estes os métodos oportunistas de travar a luta no partido.

Numa carta endereçada ao “Birô dos Comitês da Maioria”, centro bolchevique, de janeiro daquele ano, Lenin adverte seus camaradas:

“Por Deus, não confiem nos mencheviques nem no CC, sigam adiante com firmeza, em todas as partes e com a maior energia, a ruptura, ruptura e a ruptura. Nós aqui, levados pelo entusiasmo da revolução, estivemos a ponto de unirmo-nos com os mencheviques numa reunião pública, mas eles nos enganaram novamente e da maneira mais vergonhosa. Insistimos em advertir os que se querem passar por tontos: rompimento e rompimento absoluto”19.

A verdade é que, com o estalar da revolução, às velhas divergências no terreno de organização, somavam-se outras, também graves, a respeito do papel do proletariado na revolução democrático-burguesa, assinaladas acima. A cisão, longe de arrefecer, aprofundava-se. 

Os bolcheviques convocaram o III Congresso do POSDR para examinar as grandes questões dos dias, mas os mencheviques o sabotaram. Lenin teve que vencer uma dura luta interna para realizá-lo como evento independente, rigorosamente marxista, pois muitos bolcheviques mostravam-se dispostos a fazer concessões para atrair a minoria oportunista. Ele alertou-os, diversas vezes, para que não alimentassem ilusões:

“A verdade é que muitas vezes creio que as nove décimas partes dos bolcheviques são, na verdade, uns formalistas. Uma de duas: ou unimos em uma organização realmente férrea os que querem lutar, para dar a batalha, com este partido pequeno mas firme, ao monstro fofo dos heterogêneos elementos neoiskristas [isto é, mencheviques], ou demonstramos com nossa conduta que merecemos sucumbir como uns deploráveis formalistas. (...) O Congresso deve ser simples, breve e com poucos delegados. Trata-se de um congresso do partido para organizar a luta. Tudo demonstra que vocês têm, neste sentido, muitas ilusões”20.

Em abril, em Londres, reuniu-se o III Congresso, bolchevique, ao qual assistiram 24 delegados em nome de 20 comitês russos. Ao fim dos trabalhos, os delegados, como ocorrera no II Congresso, visitaram o túmulo de Marx. Ao mesmo tempo, em Genebra, reuniu-se a Conferência menchevique. Avaliando o resultado destes eventos, Lenin diria: “Dois Congressos, dois partidos”. Dando respostas diametralmente opostas às grandes questões da revolução, é claro que a luta entre bolcheviques e mencheviques recrudesceu. Lenin exigia que se intensificasse, nas organizações de base do partido, a luta contra os oportunistas. Esta política de rigorosa demarcação enfrentava, no entanto, enormes resistências para ser aplicada.

Dentro da Rússia, diversos operários jovens não entendiam por que os “socialistas” – incluindo os socialistas revolucionários - marchavam separados, quando, aparentemente, “todos estavam do mesmo lado”. Lenin dedicava enorme atenção, por isso mesmo, à necessidade de explicar e fundamentar à militância os termos das divergências. Assinalava:

“Para criar uma ‘unidade de luta’ real e efetiva, e não puramente verbal, deve-se saber com clareza e de forma definida, e também pela experiência, concretamente em quê e até onde podemos marchar juntos. De outro modo, as conversações acerca da unidade de luta não serão mais que palavras, palavras e palavras; e esse saber se adquire, entre outras coisas, por meio dessa polêmica, dessa luta e dessas dissensões das quais vocês falam com palavras tão terríveis”21.

Lenin não recusava chegar a acordos táticos, transitórios, com nenhuma força, desde que conservados os princípios ideológicos e a independência orgânica do partido do proletariado. Manejava, com sagacidade, a política. Dizia, a propósito: “Deveremos, inevitavelmente, getrennt marschieren (marchar separados). Podemos, mais de uma vez, e em particular agora, veremt schlagen (golpear juntos)”22. E exigia dos bolcheviques a mesma sagacidade na luta em defesa do partido. Numa carta a Lunacharski, de agosto de 1905, dizia, aflito: 

“Aqui se está travando uma luta muito séria, a qual o III Congresso não pôs fim, senão que simplesmente abriu uma nova etapa dela; os da Iskra são ágeis e rápidos, descarados como mercadores, e têm uma longa experiência em matéria de demagogia, enquanto que em nossa gente prevalece uma ‘estupidez honesta’, ou uma ‘honestidade estúpida’. Não sabem brigar, são pouco hábeis, torpes, toscos, tímidos... São bons rapazes, mas absurdamente ineptos como políticos. Falta-lhes tenacidade, espírito de luta, agilidade e rapidez. (...) Quanto ao nosso CC, em primeiro lugar tampouco ele é muito ‘político’, é demasiado bondoso, também ele tem o defeito de carecer de tenacidade, não sabe manobrar, lhe falta sensibilidade, não tem habilidade para aproveitar politicamente cada detalhe da luta no partido... Falta o entusiasmo, o impulso, a energia; as pessoas não sabem trabalhar nem pelejar por si mesmas... Na luta política a paralisação é a morte... A influência pessoal e falar nas reuniões tem grande importância na política. Sem estes elementos não pode haver uma atividade política e inclusive o escrever se torna menos político. E frente a um adversário que tem poderosas forças no estrangeiro, perdemos em uma semana o que não poderemos recuperar em um mês. A luta pelo partido não terminou, e não obteremos a vitória definitiva se não colocamos em tensão todas as nossas forças”23.

De fato, havia entre os bolcheviques uma enorme subestimação do peso dos mencheviques, e não poucas tendências conciliatórias para com eles. Na verdade, os mencheviques estavam ancorados em todo o oportunismo internacional, que prevalecia já na II Internacional e no seu órgão executivo, o Birô Socialista Internacional (BSI). Em fevereiro, o próprio Bebel escreveu a Lenin, oferecendo-se para “arbitrar” a disputa entre as duas frações do POSDR. Lenin, polidamente, respondeu-lhe que somente o Congresso poderia decidir a respeito. Kautsky escreverá na imprensa alemã – então, a mais importante imprensa operária do mundo – diversos artigos reclamando a “unidade” dos social-democratas russos. Tratava-se das maiores autoridades socialistas da época, que ostentavam o título de colaboradores diretos de Marx e Engels. Essa era a briga que Lenin estava travando. 

Depois do III Congresso, Plekhanov ofereceu-se para representar o Partido no referido Birô, prometendo “imparcialidade”, contando com a clara simpatia do BSI. Lenin dizia, em carta ao CC bolchevique, de julho: “Não esqueçam que quase todos os social-democratas do estrangeiro são partidários dos ‘ícones’ [isto é, os conhecidos intelectuais exilados, como Plekhanov] e não nos têm em grande estima, nos menosprezam” 24. Por fim, o Partido nomeou Lenin seu representante no Birô.

As coisas chegaram a tal ponto que Rosa Luxemburgo escreveu um artigo no principal jornal socialista alemão, o Neue Zeit, chamado “Problemas de organização na social-democracia russa”, no qual replicava por completo a interpretação menchevique da cisão. Tal artigo foi difundido em vários idiomas e, na própria Rússia, traduzido pela nova Iskra oportunista. Lenin, consciente das implicações ideológicas e políticas da polêmica, escreveu um artigo de resposta e o enviou para o órgão, mas Kautsky, editor do mesmo, vetou a sua publicação, como também trabalhou para soterrar a difusão, em alemão, das resoluções do III Congresso bolchevique. Esta era a “arbitragem” que os oportunistas da II Internacional pretendiam fazer. Isto levou Lenin a escrever uma carta ao próprio BSI, em que diz:

“4) Posto que o Birô Internacional julga adequado informar-se por ‘certos periódicos alemães’, me vejo obrigado a declarar que quase todos os jornais socialistas alemães, especialmente Die Neue Zeit e Leipziger Volkszeitung estão por inteiro do lado da ‘minoria’, e enfocam nossos assuntos de um modo muito unilateral e inexato. Kautsky, por exemplo, também se diz imparcial e, não obstante, na realidade chegou a se negar a publicar em Neue Zeit a refutação a um artigo de Rosa Luxemburgo em que ela defendia a desorganização no partido. Em Leipziger Volkszeitung, Kautsky inclusive aconselhou que não se difundisse o folheto alemão que contém a tradução das resoluções do III Congresso!! Depois disso, não é difícil compreender porque muitos camaradas na Rússia se inclinam a considerar o Partido Social-Democrata Alemão parcial e cheio de prevenções no problema da divisão nas fileiras da social-democracia russa”25.

Como se vê, foi titânica, e cheia de percalços, a luta em defesa do Partido. O que para Lenin já era então claro – a necessidade da ruptura implacável com os oportunistas – demoraria ainda vários anos para conquistar as cabeças duras de muitos dirigentes. Somente em março de 1912, na Conferência de Praga, os bolcheviques reconstituiriam o POSDR como autêntico partido marxista independente. A degeneração ideológica de várias “sumidades socialistas” da época teria ainda que esperar o estouro da I Guerra Mundial e os acontecimentos dramáticos de traições e renegações – e também delações e assassinatos - que se seguiriam para se apresentar madura perante o mundo. 

Nesta situação, os quadros capazes e dedicados eram poucos e particularmente valiosos. Lenin preocupava-se com eles, ocupava boa parte do seu tempo procurando condições razoáveis para abrigar os que chegavam ao exílio, ou para mandar de volta à Rússia, em segurança, os portadores de tarefas urgentes. Exige que se lute com coragem, mas não se conforma com perdas desnecessárias; insta sempre seus camaradas a fortalecer o trabalho conspirativo. Em abril, escreve preocupado a Gusiev, responsável, na época, por boa parte dos seus enlaces com a direção na Rússia:

“Estimado amigo: você me escreveu que começaram a segui-lo. Por outra parte, a informação que pude reunir entre as pessoas aqui chegadas há pouco de São Petersburgo confirma este fato. Já não podemos abrigar dúvidas neste sentido. Eu sei, por experiência própria e de muitos camaradas, que a um revolucionário resulta muito difícil abandonar um lugar perigoso a tempo. No momento mesmo em que deve abandonar o trabalho numa certa localidade, este trabalho se faz particularmente interessante e particularmente necessário; assim parece sempre à pessoa interessada nele. Por tal motivo, considero que meu dever é exigir-lhe, com toda energia, que abandone São Petersburgo por um tempo. É absolutamente necessário. Nenhuma desculpa ou argumento quanto ao trabalho pode dilatar esta decisão, porque o prejuízo que ocasionará sua detenção será imenso. (...) Uma vez mais lhe aconselho com insistência que parta imediatamente às províncias por um mês. Em todas as partes há muito trabalho a realizar, e a direção geral é sempre necessária em todos os lados. Se há desejo de ir (e deve haver desejo) a viagem sempre se pode arrumar”26.

O enlace de Lenin com a Rússia era, aliás, um tema sempre crítico. Em 1905, mesmo dentro das fileiras bolcheviques repercutia a influência dos elementos oportunistas, e não raro apareciam tendências de isolar o chefe do partido, ainda exilado, da marcha dos acontecimentos. É disso que se queixa Lenin, furioso, em uma carta endereçada ao CC bolchevique: 

“Decididamente, lhes acusarei formalmente no quarto congresso do crime de ‘restabelecer um duplo centro de direção’ que contradiz os estatutos e a vontade do partido. Estejam seguros de que cumprirei minha palavra! Porque se trata decerto de um duplo centro de direção, já que entre as funções do meu cargo figura a obrigação de dirigir o órgão do Comitê Central. Não é assim? Porém, como posso cumprir com esta tarefa quando não recebo informação alguma sobre a tática e não respondem à pergunta formal sobre a reunião ‘prefixada’ para 1 de setembro do novo calendário! Pensem vocês que consequências nos acarretariam os desacordos entre nós! Por acaso é tão difícil fazer com que alguém escreva pelo menos sobre os assuntos de ‘importância estatal’?”27.

Tratava-se, realmente, de um crime: privar Lenin das informações que lhe permitiriam não só interpretar os acontecimentos, como indicar a direção da marcha. E o que os acontecimentos punham na ordem do dia, com redobrada força, era o problema da insurreição armada. Não só do ponto de vista histórico-estratégico, mas já político-tático. Após um período de indefinições e incertezas, no qual as labaredas acesas na primeira fase da revolução pareciam arrefecer, novas reservas de material inflamável, insuspeitas, enquistadas no mais fundo do tecido social, ardiam em chamas. Como em qualquer grande levantamento, este também se desenvolvia por ondas, e era preciso muita atenção para não confundir o que seria apenas um rescaldo do que era de fato um aprofundamento do incêndio revolucionário.

Nos primeiros dias de outubro, os principais centros operários estavam em greve. O epicentro da crise deslocara-se de São Petersburgo para Moscou, onde os bolcheviques detinham a direção do Soviete de deputados operários, recentemente eleito. A partir deste centro, a greve geral irradiou-se para o país. Os casos de motins no exército, de recusa em reprimir o povo, se sucediam. Em meados do mês a velha Rússia czarista estava paralisada, ajoelhada aos pés da nova Rússia revolucionária. A 17 de outubro, encurralado, o Czar faz um pronunciamento à Nação, prometendo a liberdade política. A reação dá um passo atrás, coloca-se em espera, na defensiva. No mesmo dia, Lenin interpreta assim a situação:

“A revolução chegou até o ponto em que à contrarrevolução não convém lhe atacar, tomar a ofensiva. Para nós, para o proletariado, para os democratas revolucionários consequentes, isso é, todavia, insuficiente. Se não subimos um passo mais, se não logramos uma ofensiva independente, se não quebramos a força do czarismo, se não destruímos seu poder real, sairá uma revolução às meias, a burguesia enganará os operários”28.  

Este “passo mais”, capaz de quebrar a força do czarismo, era a insurreição armada. Lenin sabia que a dualidade de forças não duraria para sempre. Sabia, igualmente, que a direção de tarefa tão complexa reclamava a presença, no próprio teatro de guerra, do chefe do partido e da revolução. Chegara a hora de retornar à Rússia.

“Da defesa ao ataque”

Em fins de outubro, Lenin deixa a sonolenta Genebra para voltar a uma Rússia convulsionada. Na verdade, ele não via a hora de se encontrar em pessoa com a revolução. Diria, numa carta destes dias: "Temos na Rússia uma boa revolução, asseguro-vos! Esperamos voltar logo, as coisas se orientam para essa eventualidade com uma rapidez espantosa."29.

Em Estocolmo, Suécia, onde teve de aguardar uns dias, ele escreveu um artigo intitulado “Nossas tarefas e o Soviete dos Deputados Operários”, em que os caracteriza como órgãos do novo poder revolucionário. Por infelicidade, este escrito de uma clarividência ímpar se perderá, só vindo a ser encontrado e publicado na União Soviética em 1940.

Na Rússia revolucionária, a vida é tão intensa quanto perigosa. Após a chegada em São Petersburgo, nos primeiros dias de novembro, Lenin vive às voltas com os espiões da Okhrana*, e tem que mudar constantemente de casa, de documentos, de cidade, até que por fim fixa residência na Finlândia (à época, parte do território russo). Lenin fala às massas, participa de reuniões no jornal, intervém em reuniões clandestinas, quase sempre sob pseudônimo, quase sempre em condições precárias. Assim, relata uma militante as condições em que se reuniu a Conferência de S. Petersburgo do POSDR, em julho de 1907, a qual assistiu Lenin, e que podemos julgar típicas de todo aquele período:

“Ouvimos os líderes em condições pavorosas: de início havíamo-nos reunido na casa de um taberneiro. Nem bem Lenin começara a falar, o dono veio avisar que a polícia ameaçava fechar-lhe a taberna. Então fomos para o bosque. Para despistar a polícia, dirigimo-nos até lá um a um; chovia a cântaros; a chuva impediu-nos de adotar uma resolução”30.

Apesar da fragilidade aparente, era ali que se reuniam as forças sociais novas, irresistíveis, que abalariam a Rússia – e o mundo - em todos os seus alicerces.

Em princípios de dezembro, reuniu-se, por iniciativa de Lenin, a Conferência bolchevique, em Tammerfors (Tampere), Finlândia. Ele sabia que assegurar a coesão ideológica e política do partido era condição sine qua non para que este pudesse dirigir a contento os combates que se anunciavam em Moscou. Coube a ele pronunciar dois informes, um sobre a situação política e outro sobre a questão agrária. Nesta reunião, Lenin e Stalin, que mantinham correspondência, encontraram-se pela primeira vez:

“Foram – evoca Stalin – discursos inspirados, que despertaram o entusiasmo da Conferência. O extraordinário poder de convicção, a simplicidade e a clareza da argumentação, as frases breves e compreensíveis para todos, a ausência de afetação, de gestos teatrais, de linguagem requintada para produzir efeito, tudo isso distinguia vantajosamente os discursos de Lenin dos oradores ‘parlamentares’ habituais”31.

Por proposição de Lenin, a Conferência abreviou os seus trabalhos, e os delegados saíram dela diretamente para assumir seus postos na insurreição.

*

Como vimos, as primeiras exortações de Lenin aos operários, no início das Jornadas Revolucionárias de 1905, já falavam na necessidade de se preparar para a guerra civil. Este tema está presente praticamente em todos os seus escritos daquele ano. Lenin tomou muito a sério as lições deixadas por Marx sobre a derrota da Comuna de Paris. Em março, no guia de uma intervenção que pronunciou sobre o tema, ele escreveu:

“12. Catástrofe. Defeitos de organização. Atitude defensiva. Composição entre Thiers e Bismarck (papel de Bismarck, assassino a soldo). A semana sangrenta de 21 a 28 de maio de 1871. Seus horrores, deportação etc. Calúnias. Mulheres e crianças... Pág. 487 [no original, de Lênin, não aparece a fonte]: 20.000 foram assassinados nas ruas. 3000 morreram nos cárceres, etc. Conselhos de guerra: até 1 de janeiro de 1875 foram condenadas 13.700 pessoas (80 mulheres, 60 crianças), deportação, cárcere.

13. Ensinamentos: a burguesia não se deterá perante nada. Hoje, liberais, radicais, republicanos; amanhã, traição, fuzilamentos. Organização independente do proletariado – luta de classes – guerra civil. Todos, no movimento atual, descansamos sobre os ombros da Comuna”32.

Lenin não alimentava, como se vê, qualquer ilusão com uma espécie de “transição pacífica”. Aprendera, aconselhando-se com Marx e Engels, que com uma insurreição não se brinca; que fazê-la é uma arte; e que o segredo dessa arte é estar sempre na ofensiva. 

1905 foi, como se vê, em tudo e por tudo, o rascunho da obra-prima de 1917. Um rascunho que teve, por pincéis, fuzis, e por tinta, suor e sangue. 

Em 1 de fevereiro, ele atacava, no artigo “Duas táticas” (não confundir com o livro “Duas táticas da social-democracia...”, que é de julho) a crítica menchevique de que ele queria “fixar a data da revolução”:

“’A data de uma revolução popular não se pode fixar de antemão’. Porém, sim, a de uma insurreição, sempre que os que a fixem tenham influência sobre as massas e saibam determinar da forma correta o momento”33. 

A 7 de julho, repercutindo a sublevação no Encouraçado Potemkin, dirá que “Exército revolucionário e governo revolucionário são as duas faces da mesma moeda”. Assim:

“O exército revolucionário é imprescindível, porque os grandes problemas históricos só podem resolver-se pela força, e a organização da força é, na luta moderna, a organização militar. (...) Para a vitória total do povo sobre o czarismo, a imediata organização da direção política do povo levantado em armas é tão necessária como a direção militar de suas forças”34.

Em setembro, Lenin comentou a ação de um destacamento armado de operários que assaltou um presídio em Riga (Letônia), a fim de resgatar dois líderes populares condenados à morte. A ação heroica, que resultou na morte de dois guardas e no ferimento de dez, conseguiu libertar os prisioneiros. Ele conferiu importância histórica a este acontecimento, que se produziu na periferia da tormenta revolucionária, num artigo significativamente chamado “Da defesa ao ataque”:

“Salve heróis do destacamento revolucionário de combate de Riga. Que o seu êxito sirva de estímulo e exemplo para os operários social-democratas da Rússia. Viva os iniciadores do exército revolucionário!”35.

Não era apenas uma exortação apaixonada, era também método: Lenin pinçava este fato com propósito, via nele uma iniciativa que deveria ser generalizada:

“O número de combatentes de tais destacamentos, de 25 a 75 homens, pode ser aumentado em várias dezenas em cada cidade grande e amiúde nos subúrbios de uma grande cidade. Os operários acudirão por centenas a estes destacamentos; o único que se requer é passar imediatamente a propagar tal ideia, em vasta escala, e passar a formar estes destacamentos, dotá-los de facas e revólveres até bombas, instruí-los e educá-los militarmente”36.

Para ele, nessa nova fase da luta, “a bomba deixou de ser a arma de um homem-bomba solitário e se converteu numa arma necessária do povo”. Uma vez que os operários formem rapidamente e com energia suas próprias unidades de combate, ele conclui, “não haverá força capaz de enfrentar os destacamentos do exército revolucionário, providos de bombas, que numa boa noite realizem simultaneamente uns quantos ataques como o de Riga, depois dos quais – e esta última condição é a mais importante – se alcem centenas de milhares de operários que não esqueçam a jornada ‘pacífica’ de 9 de janeiro e anseiem com ardor um 9 de janeiro em armas”37.

Como se vê, seria igualmente falso atribuir a Lenin a expectativa de que o exército revolucionário nascesse pronto, a partir da mera divisão do exército reacionário, tese bastante corrente em vários círculos revisionistas. Não: Lenin propõe organizar militarmente os próprios operários, partindo das formas mais simples de luta. 

Lenin instava todo o partido a estudar questões militares e a técnica militar propriamente dita. Em 16 de outubro, numa carta destinada ao Comitê de luta junto ao Comitê de Petersburgo do Partido, dirá: 

"Dirigi-vos aos jovens. Formai imediatamente, em todos os lugares, grupos de combate, formai-os entre os estudantes e sobretudo entre os operários etc, etc. Que destacamentos de 3 a 10 e até de 30 e mais, se formem logo. Que eles próprios se armem de imediato, como puderem, um de revólver, outro de um trapo impregnado de querosene para servir de archote, etc. (...) Formai imediatamente um destacamento, armai-vos como puderdes, trabalhai com todas as vossas forças, ajudar-vos-emos como pudermos, mas não espereis tudo de nós, trabalhai vós mesmos... Os destacamentos devem começar imediatamente sua instrução militar por operações de combate. Imediatamente”38.

A 7 de dezembro, estala a greve política em Moscou. O Soviete, dirigido pelos bolcheviques, conclama: Às armas! As massas populares respondem com decisão, e, a 9 de dezembro, a cidade torna-se uma fortaleza de barricadas. Por toda a Rússia, em vários outros centros, respondendo ao chamado dos seus irmãos e irmãs moscovitas, operários e camponeses empunham as armas. Isto ocorre em Krasnoiarsk, Motovilica (Perm), Novorossisk, Sormovo, Sebastopol, Cronstadt, e também na Georgia, na Ucrânia, na Letônia. Lenin, mais tarde, no seu trabalho “As lições da insurreição de Moscou” (que é uma das coisas mais brilhantes que ele escreveu), dirá:

“A ação de dezembro em Moscou demonstrou com evidência que a greve geral, como forma independente e principal de luta, se tornou obsoleta e que o movimento ultrapassa, com uma força espontânea e irresistível, este quadro estreito e gera a forma suprema da luta, a insurreição”39.

Homens, mulheres, idosos e crianças erguem barricadas. Há reuniões e demonstrações nas ruas. Bandeiras vermelhas tremulam no topo dos prédios. Enquanto isso, nos subúrbios, grupos de combate, móveis e flexíveis, assestam golpes nas tropas, algumas das quais vacilam. Dubassov, mando do exército czarista, não confia nos seus homens e pede reforços, que só chegam dia 15. A 17, as tropas reacionárias obtém uma vantagem numérica esmagadora em homens e armas. O bairro de Présnia, baluarte da revolução, segue lutando mesmo sem armas, até cair, exausto, banhado em sangue. A Moscou vermelha, após nove dias de luta heroica, é derrotada. 

Notem que o grande centro operário russo da época, São Petersburgo, permaneceu à margem dos acontecimentos. Faltou, nessa hora crítica, aos seus camaradas em armas. Por que? Certamente, não se poderia arriscar nenhum argumento sobre a capacidade de luta dos seus operários, que desempenharão papel central doze anos depois. 

É que o Soviete de São Petersburgo era dirigido pelos mencheviques, e Trotsky era seu presidente. Vendo que a situação se radicalizava, muitos deles faziam ardentes discursos “pela insurreição”, mas providências, nada.

Após a derrota, Plekhanov dirá: “não se devia ter tomado as armas”. Enquanto os bolcheviques diziam que era preciso tirar todas as lições da insurreição de Moscou, os seus adversários reformistas propunham uma mera debandada. Os bolcheviques conclamaram o boicote à Duma czarista, denunciando-a como instrumento para enganar o povo; os mencheviques, apressaram-se a apresentar candidatos. O primeiro ano da revolução terminava, e embora a agitação perdurasse, ela tivera na insurreição de dezembro de Moscou o seu ápice. Lenin, atacando com indignação a atitude menchevique, dirá: 

“Pelo contrário, o que era preciso era pegar em armas mais decidida, enérgica e ofensivamente, o que era preciso era explicar às massas a impossibilidade de uma greve puramente pacífica e a necessidade de uma luta armada intrépida e implacável. E agora devemos, por fim, reconhecer abertamente e proclamar bem alto a insuficiência das greves políticas, devemos fazer agitação nas mais amplas massas pela insurreição armada, sem esconder esta questão por meio de nenhum ‘grau preliminar’, sem a encobrir com nenhum véu. Esconder das massas a necessidade de uma guerra desesperada, sangrenta e encarniçada, como tarefa imediata da ação próxima, significa enganar-se tanto a si próprio como ao povo. Tal é a primeira lição dos acontecimentos de dezembro”40.

E, sempre mirando o futuro, asseverará: 

“A revolução pode ainda ir mais além do que os grupos de combate de Moscou, pode ir muito, muito mais além, tanto em amplitude como em profundidade. E a revolução avançou muito desde dezembro. A base da crise revolucionária tornou-se incomensuravelmente mais ampla; agora é preciso afiar mais a lâmina”41.

Palavras proféticas. Viria o período da reação stolipiniana, estouraria a I Guerra Mundial, a Internacional Socialista iria à bancarrota pelas mãos dos seus dirigentes social-imperialistas, eclodiria a revolução de fevereiro, a dualidade de poderes... ao longo de todos estes anos, Lenin e os bolcheviques não jogaram fora as armas de 1905; apenas “afiaram mais a lâmina”, e venceram com ela em outubro de 1917. 


Notas

 Informações biográficas deste período, agora e doravante, retiradas de: “Lenin (sua vida e sua obra)”, editorial Vitória, Brasil, 1955. As exceções serão assinaladas.

2 Engels, “Prefácio à terceira edição alemã de O 18 Brumário de Luís Bonaparte”, na coletânea “Textos - volume 3”,  Edições Sociais, p.201.

3 Para o pano de fundo dos acontecimentos, ver “Compêndio de História do Partido Comunista (bolchevique) da URSS”, aparecido originalmente em Moscou, em 1938, e publicado pela primeira vez no Brasil pelo editorial Vitória, em 1945. 

4 Lenin, “Obras completas”, Akal Editor, Espanha, Tomo VIII, p. 44.

5 Lenin, idem, p. 105.

6 Lenin, idem, p.65.

7 Lenin, idem, p.226.

8 Lenin (sua vida e sua obra), p. 94.

9 Lenin, op.cit., tomo IX, p.199.

10 Lenin, op. cit., Tomo VIII, p. 169.

11 Idem, p.103.

12 Op.cit, Tomo XV, p.50.

13 Op.cit, Tomo VIII, p.150.

14 Idem, págs. 342-343. 

15 Op. cit, Tomo IX, p.232.

16 Idem, p.71.

17 L. Trotsky, “A Revolução de 1905”, aparecido originalmente em 1909. Disponível na internet em: https://www.marxists.org/espanol/trotsky/ceip/permanente/conclusionesde1905.htm#_ftn1 

18 Lenin, op. cit., Tomo VIII, p. 301.

19 Lenin, op.cit., Tomo XXXVIII, p.75.

20 Idem, págs.144-145.

21 Lenin, op.cit., Tomo VIII, p.158.

22 Idem, p.164.

23 Op. cit, tomo XXXVIII, págs.123-125.

24 Idem, p.119.

25 Idem, págs. 117-118.

26 Idem, p.95.

27 Idem, p. 138.

28 Lenin, op.cit., Tomo VIII, p.415.

29 Lenin (Sua vida e sua obra), p.106.

30 Idem, p.122.

31 Idem, págs.108-109.

32 Lenin, op. cit., Tomo VIII, págs.213-214.

33 Idem, p.154.

34 Idem, págs.643-644.

35 Op. cit., Tomo IX, p.280.

36 Idem.

37 Idem, p.281.

38 Idem, p.348.

39 Lenin, op.cit., Tomo XI, págs.175-183.

40 Idem.

41 Idem.

 

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza