RO: Exército e policiais atacam camponeses em Machadinho D’Oeste

A- A A+


Polícia Militar é acionada por latifundiários após a resposta dos camponeses. Foto: Banco de Dados AND

No dia 23 de abril, dois acampamentos localizados na área da fazenda Jatobá, no município de Machadinho D'Oeste, em Rondônia, foram invadidos por soldados do Exército reacionário e agentes da Polícia Militar (PM), Polícia Civil (PC) e Força Tática. Na ação duas camponeses foram presas.

Com auxílio de um drone, os acampamentos foram localizados e as forças de repressão destruíram os barracos que ali estavam. Espingardas, facões, foices e outros instrumentos de trabalho foram apreendidos.

Em 26 de abril, como resposta ao ataque das forças policiais do latifúndio, a estrada de acesso ao acampamento foi interrompida com barricadas, houveram incêndios e cortes de cercas da fazenda.

A luta pela terra na fazenda Jatobá

A fazenda foi palco de diversas lutas camponesas pelo direito à terra. O latifundiário Tiago Lopes Moura e sua família se reivindicam donos da fazenda Jatobá, que possui uma área de 800 alqueires. Porém, camponeses há tempos lutam pela terra e acampamentos ali existentes já foram alvos de ataques covardes, como o ocorrido em 2015, quando famílias camponesas foram brutalmente atacadas por 12 elementos com armas de fogo de grosso calibre e vestidos com roupas camufladas. Os criminosos invadiram o acampamento, ameaçaram, espancaram, torturaram, roubaram e despejaram os trabalhadores. Um dos acampados teve a orelha queimada com um isqueiro para dar informações e outro foi espancado com um facão. 

De acordo com denúncia realizada pela Liga dos Camponeses Pobres (LCP) em 2019, pistoleiros e policiais militares de Ariquemes e Machadinho d’Oeste, do distrito 5º BEC, conformam um bando armado a serviço de grandes fazendeiros da região, sendo estes contratados por Tiago.

Leia mais: Aparato de guerra é mobilizado a serviço de latifundiários criminosos em Rondônia

Ainda durante a denúncia da LCP, “atualmente ademais da atuação dos bandos armados, rumores na região dão conta que a Força Nacional de Segurança está planejando uma operação em conjunto com os policiais que estão atuando na região para atacar acampamentos existentes na área”.

A atuação do Exército constatada no ataque deste ano é resultado de sua inserção na região como parte do aparato de guerra mobilizado pelo velho Estado à serviço do latifúndio. A Força Nacional, presente intensivamente no estado desde setembro de 2014 com a Operação “Jamari”, teve reforços enviados em 2019 sob a pretexto de “combate” aos incêndios na Amazônia. Em realidade, as forças policiais agem na repressão e investigação dos camponeses juntamente com o aparato policial como equipes da Polícia Federal e da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Como parte dessa maior militarização reacionária, uma verdadeira guerra está sendo desatada e que tende a se aprofundar num futuro próximo. O vice-presidente e general reacionário, Hamilton Mourão, afirmou no dia 29/04 que será decretado, para os próximos meses, uma nova “Garantia da Lei e da Ordem” para combater “preventivamente” as queimadas e desmatamentos, que “costumam acontecer” nessa época do ano.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira