Alemanha criminaliza o Hezbollah e o classifica como organização ‘terrorista’

A- A A+

Criança agita bandeira do Hezbollah em uma manifestação no subúrbio de Beirute, Líbano, em repúdio ao ataque ianque que matou o General iraniano Soleimani, janeiro de 2020. Foto: Maya Alleruzzo/Associated Press)

No dia 30 de abril, o imperialismo alemão listou o movimento Hezbollah, sediado no Líbano, como uma organização considerada “terrorista”, criminalizando sua atividade dentro do país. Durante a manhã, as forças da repressão realizaram uma operação em mesquitas, caçando as 1.050 pessoas que o governo afirma fazerem parte da organização atualmente na Alemanha. 

Foram revistadas associações de mesquitas no estado ocidental da Renânia do Norte Vestfália, Bremen e Berlim, segundo informações do monopólio de imprensa Al Jazeera. Além disso, a polícia também revistou residências de pessoas que foram consideradas suspeitas por apoiar pública e financeiramente a organização, fazendo propaganda ou doações, segundo o Ministério do Interior alemão. 

A medida determina também que os símbolos do Hezbollah sejam proibidos em reuniões, publicações nas redes sociais e na mídia. A resolução contou com o apoio destacado do Partido Social Democrata, aliado da União Democrática Cristã de Angela Merkel.

O Hezbollah já é considerado uma organização terrorista pelo imperialismo ianque, britânico e canadense, como por Israel, evidentemente, bem como pelo Conselho de Cooperação do Golfo e a Liga Árabe. 

AGRADA A ISRAEL E USA

O ministro de Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, declarou publicamente a aprovação do Estado sionista à criminalização do Hezbollah na Alemanha. Katz requisitou que todos os países europeus sigam pelo mesmo caminho e que criminalizem as alas social e política do movimento, além da militar, afirmando que são todas “organizações terroristas e devem ser tratadas como tal”. 

O anúncio alemão vem em sequência ao do imperialismo ianque, que no início do mês de abril ofereceu uma recompensa de até 10 milhões de dólares em troca de informações sobre o comandante Sheikh Mohammad al-Kawtharani do Hezbollah, que atua no Iraque. 

A justificativa do Ministério do Interior da Alemanha para a decisão é de que o Hezbollah visa a “eliminação violenta do Estado de Israel” e questiona seu direito de existir. 

Este é o mesmo imperialismo alemão que, no entanto, faz vista grossa aos ataques israelenses que matam civis libaneses e carece de considerar como “terroristas” as agressões do Exército israelense contra campos de refugiados e aldeias no sul do Líbano. 

Foi o caso, por exemplo, das agressões israelenses de agosto e setembro de 2019, em que um avião não tripulado violou o espaço aéreo libanês e atingiu um prédio do Hezbollah localizado em um bairro de periferia ao sul da capital Beirute. 

O HEZBOLLAH E A PUGNA INTERIMPERIALISTA

O Hezbollah surgiu no início da década de 1980, originalmente como uma milícia de Resistência Nacional que combateu militarmente a invasão e ocupação israelense do sul do Líbano que teve início em 1982. O movimento tinha como uma das principais inspirações a Revolução Iraniana de 1979, que levou ao poder o regime muçulmano comprador-latifundiário dos aiatolás.

A invasão das tropas israelenses ajudou a consolidar diversos movimentos xiitas no país, entre eles o Hezbollah e também o Amal, que liderava a Frente de Resistência Nacional Libanesa. 

As tropas israelenses deixaram parcialmente a região sul do país em 1985, mas o Hezbollah se consagrou pelo mundo árabe quando expulsou finalmente todas as forças da ocupação de Israel ainda remanescentes no ano 2000. 

O Hezbollah é um dos principais partidos eleitorais do Líbano atualmente, onde possui uma relevante parcela das cadeiras do Parlamento reacionário. Sua base social são as classes dominantes, especialmente o latifúndio. Ele continua a ser um grupo militar e não cessou suas ações militares contra Israel, tendo travado, por exemplo, uma guerra com o vizinho sionista em 2006, chamada no mundo árabe de a sexta guerra israelo-árabe. 

Seus principais aliados regionais consistem nos governos sírio e iraniano, recebendo treinamento e financiamento da chamada “Guarda Revolucionária” do Irã, como diversas milícias xiitas da região, cumprindo papel de lacaio do imperialismo russo em determinados momentos. 

O Hezbollah representa um produto da influência do imperialismo russo na região do Oriente Médio Ampliado (OMA). Ao passo que a decisão alemã em criminalizá-lo representa, por sua vez, mais um episódio da sequência de movimentos que o imperialismo ianque e seus aliados têm tomado em conluio contra a ainda restante presença russa no OMA, como os ataques consecutivos ao Irã. Faz parte, naturalmente, da rivalidade entre as grandes potências imperialistas que é essência da fase imperialista do capitalismo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza