30 de abril: 45 anos da vitória do povo vietnamita sobre o imperialismo ianque

A- A A+

Publicamos aqui uma compilação de trechos (com algumas alterações) dos textos Vietnã: A derrota que os ianques não esquecem e 1968: Ofensiva do Tet anuncia vitória do povo do Vietnã para rememorar e comemorar o 30 de abril de 1975, conhecido como o Dia da Libertação para o povo vietnamita.

30 de abril de 1975: Há 45 anos o exército popular do Vietnã libertava Saigon, principal cidade do Vietnã do Sul pelo exército popular, impondo uma grandiosa e vergonhosa derrota aos facínoras do imperialismo ianque, no que ficou conhecido como Dia da Libertação. Horas antes da tomada, centenas de helicópteros ianques retiravam da capital os últimos remanescentes que colaboraram com o USA. É célebre a imagem que retrata os últimos ianques fugindo, desesperados, no teto da Embaixada do USA, se agarrando aos patins dos helicópteros lotados. O país se reunificava sob o regime de democracia popular, passando a se chamar República Socialista do Vietnã.

Oficial da CIA ajuda soldados a evacuar em uma escada para um helicóptero da Air America na embaixada americana em 29 de abril de 1975

A derrota do imperialismo francês e a tentativa de dominação ianque

Terminada a 2ª Grande Guerra Imperialista, as potências imperialistas tiveram de lidar com os diversos movimentos de libertação nacional que pipocavam em suas colônias já desde antes do fim do conflito mundial. A região da Indochina, no sudeste asiático, vivia sob o domínio do imperialismo francês. Durante a Guerra, os japoneses ocuparam a área e, ao fim da Guerra, os franceses tentaram restabelecer os laços coloniais no sudeste asiático.

Na resistência, Ho Chi Minh desempenha importante papel ao liderar a Liga para a Independência do Vietnã (Vietminh), que ocupa Hanói em 2 de setembro de 1945. É fundada a República Democrática do Vietnã. Em resposta, cria-se, com apoio da França, o Estado do Vietnã (Vietnã do Sul) em 1° de julho de 1949. Em dezembro de 1949 começa o conflito com a França. Inicia-se assim a epopéia de resistência do povo vietnamita, que infringe o primeiro golpe ao imperialismo ocidental em maio de 1954, quando vencem os franceses na batalha de Diem Biem Phu.

A guerra de resistência e libertação contra o colonialismo imperialista francês ganhou grande vulto com a heróica batalha de Diem Bien Phu. No "Vietnã do Sul" o imperialismo ianque montou o regime títere dos reacionários vietnamitas.

A Conferência de Genebra é convocada no mesmo ano da vitória da batalha para negociar a “paz” na Indochina, e reconheceu a independência do Camboja, Laos e Vietnã. Todavia, o Vietnã se dividiu em dois, a partir do paralelo 17: o norte era democrático-popular, sendo representado pela República Democrática Popular do Vietnã, liderada por Ho Chi Minh, com capital em Hanói; o sul, neo-colônia capitalista, era formado pela República Democrática do Vietnã, comandada por Ngo Dinh-Diem — um títere do imperialismo ianque— com capital em Saigon. De acordo com a conferência em Genebra, tal divisão seria provisória e a reunificação deveria acontecer em 1956.

Passando por cima do acordo de Genebra, o Vietnã do Sul não realiza as eleições previstas. A guerra entre os dois Estados é deflagrada. Em dezembro de 1960 é criada a Frente de Libertação do Vietnã do Sul, da qual germinou a guerrilha que assombrou o mundo ao derrotar o “invencível” exército ianque. Já o regime títere do sul passa a contar com a colaboração de consultores ianques enviados pelo presidente John Kennedy.

Fortalecido com o fim da 2ª Grande Guerra Imperialista, o USA surge como maior potência militar e substitui os nazistas alemães no papel de principal força imperialista e anti-comunista. Com o intuito de assenhorear-se da Indochina, os ianques operam a ingerência no processo de libertação daquela região, dominada pela França até pouco tempo antes.

O “ofensiva do Tet” e sua importância estratégica

Guerrilheiro vietnamita caminha entre soldados do USA e lacaios Sul-vietnamitas em ataque de resistência

Já, no início de 1968, a guerra popular conseguiu importantes vitórias por meio da “Ofensiva do Tet” (ano-novo vietnamita). As principais cidades do sul foram tomadas. Mesmo com o investimento de mais de 250 bilhões de dólares e uso de material bélico condenado pelas Nações Unidas — bombas químicas de alto poder destrutivo e a desfolhante napalm—, os USA não foram páreo para a bravura do povo vietnamita.

Em 30 de janeiro de 1968, o então presidente ianque Lyndon Johnson foi à imprensa declarar que a invasão imperialista no Vietnã (ou a “Guerra do Vietnã”) teria curta duração, pois o sucesso das operações já era certo. A “paz”, afirmava o general William Westmoreland, estava assegurada e a capitulação de Ho Chi Minh era questão de tempo. Horas depois, Lyndon e as demais “autoridades” militares tiveram que engolir suas próprias palavras. “De surpresa”, a Resistência Vietnamita lançou uma grande ofensiva militar contra os invasores. As imagens do que ficou conhecido como a “Ofensiva do Tet” correram o mundo em tempo real anunciando a futura derrota e a enorme desmoralização que a maior máquina de guerra do mundo sofreria alguns anos depois.

Durante os dias da Ofensiva do Tet, alvos inimigos localizados em 36 capitais provinciais e outras 64 cidades do Vietnã do Sul foram atacados pela Resistência. As ações guerrilheiras contaram com cerca de 80 mil combatentes norte-vietnamitas e da Frente Nacional para a Libertação. Na localidade de Da Nang, onde estava instalada a maior base aérea do USA, 30 aeronaves foram destruídas.

A resposta do USA, literalmente desesperada, veio de forma cruel e covarde com a intensificação de bombardeios e massacres indiscriminados contra povoados e cidades, como ocorreu em Hue, que ficou devastada pelas bombas. Outro fato de bastante repercussão na época ocorreu numa aldeia chamada My Lai, em 16 de março de 1968, onde os ianques assassinaram 500 pessoas, entre elas homens, mulheres e crianças que não tinham nenhuma ligação com a guerrilha. Algumas vítimas foram estupradas e torturadas antes da execução. Durante toda a guerra, o USA despejou 8 milhões de toneladas de bombas no país, número três vezes maior que todos os bombardeios realizados na Segunda Guerra, e 72 milhões de litros de substâncias químicas letais. O napalm era criminosamente lançado contra civis.

A Ofensiva do Tet marcou uma significativa virada no conflito apresentando ao mundo a superioridade da resistência do povo em armas. 

Aproximava-se a vitória final contra o invasor imperialista

Guerilheiros Vietnamitas tomam a embaixada do USA em 1975

Em 1973, os Acordos de Paris estabelecem a retirada dos ianques do conflito na Indochina. Era o término oficial da Guerra do Vietnã, que marcou uma das mais contundentes derrotas do USA. As tropas ianques foram literalmente enxotadas do Vietnã: 58.220 soldados aniquilados, 1.687 desaparecidos e 303.635 feridos. O povo do Vietnã (e seu milenar histórico de luta contra invasores colonialistas e imperialistas) saiu vitorioso. Após a vitória, o presidente ianque Ronald Reagan (1980-88) passou por cima dos Tratados de Paris e suspendeu a ajuda financeira para a reconstrução do país.

Seguem aqui imagens da guerra popular e vitória dos vietnamitas sobre o imperialismo Ianque:

Guerilheiros Vietnamitas tomam a embaixada do USA em 1975

Comunistas vietnamitas escrevem em placa “Soldado negro do USA, você está cometendo os mesmos crimes ignominiosos no Vietnã do Sul que a camarilha da KKK [Ku Kux Klan] está cometendo contra sua família em casa.

Guerilheiros Vietnamitas tomam a embaixada do USA em 1975

Guerrilheiras vietnamitas lutam pela libertação de seu país

Guerrilheira vietnamita captura prisioneiro ianque

Guerrilheiros vietnamitas tomam Saigon

Últimos imperialistas ianques e seus lacaios no Vietnam fogem da tomada de Saigon em 30 de abril de 1975

Comunista vietnamita treina guerrilheiras

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza