Coletivo Carcará promove ação pelo 1º de maio; leia a declaração

A- A A+

Em meio à pandemia de coronavírus (Covid-19), o Coletivo Revolucionário Carcará (CRC) realizou uma vitoriosa propaganda em Fortaleza, com o objetivo de comemorar a passagem do glorioso 1º de Maio – Dia do Internacionalismo Proletário, cinicamente denominado de "Dia do Trabalho" pela grande burguesia e seus monopólios midiáticos.

A combativa ação foi realizada na parte superior do viaduto dep. Edson Queiroz Filho, considerado pelos militantes revolucionários um ponto estratégico da capital. O local escolhido localiza-se próximo à avenida que leva o nome do artista proletário cearense José Jatahy, cujo trabalho já mereceu destaque por meio de uma matéria publicada pelo jornal AND em 2010.

Os moradores dos bairros Benfica e Rodolfo Teófilo, bem como os trabalhadores, as trabalhadoras e transeuntes que passaram pela região pudera visualizar duas faixas com as seguintes palavras de ordem: Que os ricos paguem pelo vírus! e Viva o 1º de Maio! Rebelar-se é Justo!

Nosso Coletivo se soma aos diversos movimentos populares que seguem organizando o valente povo brasileiro em meio à pandemia de coronavírus (Covid-19). Antes do agravamento das crises econômica, política, judicial e militar, ocasionado pela crise sanitária, nosso povo já sentia os duros golpes orquestrados historicamente por seus inimigos mortais: a grande burguesia, o latifúndio e o imperialismo, principalmente ianque.

Nossos principais inimigos nunca paralisaram os ataques às classes trabalhadoras, portanto, a luta popular não pode ser encarcerada ou colocada em quarentena. Aproveitamos a passagem desta importante data para emitir uma combativa saudação destinada às valentes classes trabalhadoras: à heroica classe operária, ao nosso resistente campesinato, aos bravos povos indígenas, aos servidores públicos, aos incansáveis estudantes do povo, bem como à intelectualidade democrática e progressista do Brasil e do mundo.

Os corajosos profissionais de saúde, particularmente, são merecedores de uma grandiosa saudação. Esses trabalhadores estão exercendo suas profissões em condições muito difíceis, com poucos recursos, resistindo a fortes pressões psicológicas, distanciamento de suas famílias, dentre outras questões específicas, agravadas pelo sucateamento histórico e generalizado do Sistema Único de Saúde (SUS).

Viva o 1º de Maio!

Viva o Internacionalismo Proletário!

No Ceará, o estado da região nordeste onde a pandemia de Covid-19 está mais acentuada e ceifando muitas vidas, a população já não aguenta ser iludida com as promessas e as migalhas do governo reacionário de Bolsonaro e dos generais do Alto Comando das Forças Armadas (ACFA). O famigerado auxílio emergencial não chega às famílias proletárias que necessitam do dinheiro para pagarem suas contas e comprarem alimentos para seus membros.

Além das burocracias e das informações confusas, o povo precisa lidar com sites e aplicativos da Caixa Econômica Federal (CEF) que não funcionam de forma regular, acrescentando-se a esses problemas a redução do horário de funcionamento das agências bancárias. Com essa situação, a população e os trabalhadores bancários estão sujeitos a se contaminarem pelo coronavírus. Os bancários, na linha de frente para atender às demandas das pessoas que possuem direito de receber o auxílio, acabam tendo que lidar com situações estressantes. No final das contas, é trabalhador sendo colocado contra trabalhador.

Milhões de trabalhadores autônomos, desempregados, idosos e também jovens em idade produtiva, são obrigados a formarem filas gigantescas em busca de um malfadado "benefício", que nada mais é que um direito básico dos trabalhadores que tiveram suas atividades econômicas afetadas pela pandemia. Os monopólios da mídia, guardiões dessa velha ordem de exploração e opressão, atacam o povo que jamais permanecerá calado diante de tanta miséria.

Apesar do descaso do velho estado brasileiro, nosso povo segue resistindo e denunciando seus inimigos.

 Vivam as classes trabalhadoras!

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza