França: Moradores revoltados rompem quarentena e protestam contra violência policial

A- A A+

Moradores de Seine-Saint-Denis protestam contra violência policial e carregam faixa escrita “Nossos bairros não são estandes de tiro".

No dia 11 de maio, na França, ocorreram diversos atos assim que a quarentena foi flexibilizada. Em Seine-Saint-Denis, quase 300 manifestantes protestaram contra a violência policial exercida durante a quarentena. Já em Paris, o movimento espontâneo os “coletes amarelos” protestou em frente ao Ministério da Saúde.

Em Seine-Saint-Denis, no 11/05, de dia até a noite, mais de 250 pessoas se reuniram em torno da prefeitura de L'Ile-Saint-Denis para protestar contra a violência policial utilizada na quarentena, sob a palavra de ordem: O ódio dos bairros populares se justifica!

Ao longo do protesto, a polícia montou uma barricada para impedir que os manifestantes avançassem, e um segundo contingente de agentes de repressão chegaram para cercar a manifestação. Os manifestantes continuaram com suas palavras de ordem mesmo com a tentativa de intimidação. Uma faixa carregada por um morador dizia: Nossos bairros não são estandes de tiro.

A manifestação aconteceu após um homem, que havia sido submetido a comentários racistas por policiais que o prenderam em L'Ile-Saint-Denis (Seine-Saint-Denis) no final de abril, apresentar queixa por violência policial no 9 de maio.

Samir, 28 anos, trabalhador egípcio da construção civil atualmente desempregado, apresentou queixa por "violência deliberada resultando em incapacidade temporária de trabalho, com o uso ou ameaça com arma, por pessoas em cargos de autoridade pública" e de natureza racista.

‘Coletes amarelos’ estão de volta

Já em Paris, cerca de 20 ativistas se reuniram em frente ao Ministério da Saúde para protestar contra a crise econômica agudizada pelo novo coronavírus, assim como a forma violenta que o Estado imperialista da França impôs a quarentena.

Rennes foi a primeira cidade da França a retomar as manifestações, quando cerca de 30 pessoas se manifestaram no 11/05, na Place de la République. A polícia e os guardas estavam em grande número para evitar qualquer tipo de protesto.

Por volta das 11h da manhã, os manifestantes cantavam palavras de ordem, como on est là (“estamos aqui”). Um comissário, equipado com um megafone, lembrou-lhes que todas “as reuniões são proibidas e que os infratores podem ser multados”, sendo respondido com apitos e gritos. A polícia, em maiores números, dispersaram os manifestantes e houve confrontos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza