Índia: Ação armada do EGPL executa militar das forças especiais reacionárias

A- A A+

No dia 11 de maio, uma emboscada realizada por combatentes do Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL) culminou na morte de um policial das forças da reação. Em plena luz do dia, a ação ocorreu na zona florestal do distrito de Bijapur, estado de Chhattisgarh – conforme informa o site indiano hindustantimes. O Jawan – como são chamados os militares (e paramilitares) de baixa patente pertencentes às forças de repressão indianas – exterminado era membro da Equipe de Ação Especial da Força Policial da Reserva Central (FPRC).

“Um policial do 170º batalhão da FPRC, Munna Yadav, foi morto no ataque feito pelos maoistas. Uma força conjunta da Equipe de Ação da FPRC e da Guarda Distrital da Reserva (DRG) deflagrou uma operação no domingo a noite”, afirmou o Diretor Geral de Polícia (DGP), DM Awasthi. Porém, tal operação não alcançou o êxito.

A inteligentsia militar reacionária indiana já reconhece na região de Bastar uma  uma fortaleza dos revolucionários pronta para combater as forças militares do velho Estado. Reconhece também a intensa atividade do Partido Comunista da Índia (Maoista), que dirige o EGPL que atua decisivamente nessa e noutras regiões florestais do país.

No dia 08/05, um inspetor da polícia de Chhattisgarh foi morto e quatro revolucionários, incluindo um membro do PCI (Maoista), foram mortos durante uma troca de tiros que ocorreu no distrito de Rajnandgaon.

No mês de abril, o velho Estado recuou, recalibrou e diminuiu o número de operações anti-maoistas por razões de segurança e apreensão da provável escassez de itens essenciais para os seus soldados em meio ao bloqueio para combater a pandemia de Covid-19.

Do ponto de vista das forças reacionárias, o cenário pandêmico se coloca como uma dificuldade a mais no que toca o convencimento dos jawan a combaterem os decididos revolucionários no coração das florestas indianas.

Guerrilheiras do EGPL. Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira