Colômbia: Juventude revolucionária se organiza para servir ao povo em meio à pandemia

A- A A+

"Se queremos quarentena, necessitamos da barriga cheia. Que o ruído das panelas não os deixe dormir, porque toda uma vida de fome os ricos fizeram-nos sofrer.", afirma cartaz de protesto Colombiano.

O órgão da imprensa popular e democrática colombiana, El Comunero, tem divulgado a luta dos jovens estudantes da cidade de Medellín que, diante do sofrimento do povo e de sua luta espontânea, responderam se unindo às massas mais pobres de alguns bairros para lutar ao seu lado. É o que afiram os jornalistas do povo na matéria intitulada “Ante a pandemia e a crise, mais e mais luta popular”.

De acordo com o El Comunero, a juventude universitária e secundarista da cidade têm promovido atividades de solidariedade e apoio popular e ao mesmo tempo estão agitando e propagandeando a necessidade da organização e do protesto popular como forma de luta. Para isso organizam grupos de moradores para realizar brigadas de coleta de alimentos e realizam campanhas de solidariedade através de redes sociais. Em outros bairros, produziram cartazes denunciando o abandono do velho Estado e propagandearam a necessidade de protestos, participando também de mobilizações espontâneas realizadas pelas massas para exigir condições mínimas de sobrevivência durante a pandemia.

Os jovens também produziram uma série de vídeos mostrando os protestos e denúncias das massas nos bairros mais pobres contra o velho Estado.


O portal de notícias revolucionário também denuncia que, nos últimos meses, a crise econômica exacerbada pela pandemia tem provocado centenas de protestos. As massas têm usado todos os tipos de formas para exigir alimentos, e o grito de Precisamos de comida é ouvido em todos os cantos do país. Em muitas localidades, as famílias recorreram a colocar trapos vermelhos nas janelas para pedir ajuda, e a protestar batendo em panelas nos seus bairros.

“Diante da demora do velho Estado em resolver qualquer um dos seus problemas, os moradores recorreram a bloqueios de estradas com suas panelas, bandeiras e faixas, exigindo o que é seu por direito: que o velho Estado e as pessoas mais ricas do país lhes garantam comida e sustento durante toda a quarentena, e tem sido através desses bloqueios que muitas pessoas têm conseguido conquistar alimentos e subsídios para sobreviver à quarentena.”

Os combativos protestos persistem em algumas cidades onde os bloqueios não foram suficientes “os bloqueios não conquistaram o quilo de arroz, e os moradores tiveram que ir além disso: enfrentando a polícia e tentando invadir grandes estabelecimentos comerciais para conseguir alimentos.”

Assista os vídeos:

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira