Colonialismo sionista anuncia milhares de novas construções na Palestina ocupada

A- A A+

Assentamentos da colonização israelense próximos a Nablus, na Cisjordânia ocupada, em 10 de fevereiro de 2015. Foto: Nedal Eshtaya/Apaimages

No dia 6 de maio, Israel anunciou um plano para edificar milhares de novas unidades habitacionais para judeus na Cisjordânia ocupada, indicando um avanço a largos passos da colonização sionista sobre os território palestino. O ministro de Defesa israelense, Naftali Bennett, afirma que o projeto de construção no assentamento de Efrat pode chegar a 7 mil edificações novas. 

"O momento de construção no país não deve ser interrompido, nem por um segundo", publicou Bennett em uma rede social. As novas unidades estão previstas para serem construídas em Efrat, no bloco ocupado por tropas israelenses de Gush Etzion, próximo a Belém, no sul da Cisjordânia. 

Segundo o Monitor do Oriente Médio (Memo), Israel tem intensificado o estabelecimento de colônias no território palestino como forma de preparar terreno para declarar sua soberania sobre as áreas ocupadas, inclusive sobre o vale do rio Jordão, o que está previsto para ocorrer a partir de 1º de julho.

Leia mais: “Movimentos palestinos denunciam acordo de coalizão de Israel que iniciará anexação de territórios palestinos em julho”

No fim de abril, o imperialismo ianque anunciou seu apoio ao projeto reacionário de expansionismo de Israel sobre a Palestina, no novo capítulo da longa história de saque, anexação e expropriação de terras palestinas pelo sionismo. No dia 13 de maio, o secretário de Estado do Estados Unidos (USA) chegou à Israel, em meio à pandemia do coronavírus, para apoiar o projeto de anexação.

Na última década, sob os mandatos do primeiro-ministro genocida Benjamin Netanyahu, a quantidade de israelenses vivendo na Cisjordânia ocupada cresceu em 50%. 

Enquanto isso, de acordo com o Memo, as tropas do sionismo demoliram 40 prédios e casas pertencentes a palestinos, enquanto outras 260 edificações de palestinos foram danificados. Em alguns casos, os proprietários foram obrigados a demoli-los, intimados a pagar pela destruição de suas próprias casas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza