Cebraspo: Corrente do Povo - Sol Vermelho exige apresentação com vida do Dr. Sernas

A- A A+
Reproduzimos a nota do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo) importante pronunciamento da Corrente do Povo - Sol Vermelho em razão dos 2 anos de desaparecimento forçado do Dr. Ernesto Sernas Garcías, aniversário de 1 ano do assassinato do Luis Armando Fuentes Aquino.

Compartilhamos com nossos leitores e apoiadores, importante pronunciamento da Corrente do Povo - Sol Vermelho em razão dos 2 anos de desaparecimento forçado do Dr. Ernesto Sernas Garcías, advogado do povo responsável pela absolvição de 23 presos políticos falsamente acusados de terrorismo pelo velho estado mexicano e pelo aniversário de 1 ano do assassinato do Luis Armando Fuentes Aquino, destacada liderança popular, pescador e lutador do povo. 
 
O pronunciamento homenageia a memória de ambos lutadores, ao mesmo tempo que acusa o estado de prevaricar as investigações dos dois casos e de seguirem com a campanha de criminalização e luta contra as massas que lutam por seus direitos.
 
O CEBRASPO exige, em conjunto com as organizações populares, democráticas e revolucionárias do México, apresentação com vida de Dr. Sernas e justiça para Luis Aquino! 
 
Segue abaixo a tradução:
 
"Nós ainda cantamos, ainda perguntamos,
Ainda sonhamos, ainda esperamos,
Apesar dos golpes
O que atingiu nossas vidas
A sagacidade do ódio
Banindo o esquecimento
Para nossos entes queridos. "
 
Victor Heredia
Dois anos se passaram desde 10 de maio de 2018, quando nosso colega Ernesto Sernas García foi visto pela última vez em sua casa, localizada em San Agustín de las Juntas, Oaxaca.
 
Sernas García é Doutor em Direito Constitucional, professor, ensaísta, conferencista e advogado. Ele foi defensor da autonomia da academia e da universidade, assessorou comunidades em defesa de terras e territórios. Sua última grande contribuição centrou-se na defesa de 23 presos políticos, membros de nossa organização, acusados ​​de terrorismo e portadores de explosivos para uso reservado do exército.
 
Seu desaparecimento ocorre no âmbito da sentença de absolvição proferida pelo Juiz do Terceiro Distrito em meio a um julgamento falso que durou três anos contra os ativistas, mantidos em prisões federais de alta segurança.
 
Os meios de prova apresentados por Sernas García permitiram a absolvição dos acusados, indicando claramente a responsabilidade do Estado na produção de provas e na criminalização de nossos colegas.
 
Por esse motivo, seu desaparecimento é claramente um desaparecimento forçado, ordenado das esferas mais altas do antigo estado e realizado por grupos contra-insurgentes que buscam parar a luta do povo com base no terror.
 
Há apenas um mês, foi também um ano depois do 11 de abril de 2019 em que nosso camarada Luis Armando Fuentes Aquino foi artisticamente assassinado, em San Francisco Ixhuatán.
 
Fuentes Aquino foi assassinado no meio de uma emboscada paramilitar um dia depois de liderar uma mobilização de mais de dois mil camponeses e pescadores contra os megaprojetos do imperialismo europeu e canadense que procuram impor parques e mineração e mineração em territórios rurais e indígenas às custas a desapropriação e deslocamento de dezenas de comunidades.
 
O companheiro era um líder notável e amado pelo povo em vários municípios e comunidades do istmo de Tehuantepec e dos estados de Oaxaca, Chiapas e Veracruz.
 
Membro do Comitê Regional do Istmo de nossa organização e membro do Comitê de Defesa da Terra da Zona Leste do Istmo. Pescador de profissão, tornou-se fundador e presidente de várias cooperativas de pesca da Riviera. Ele ocupou o cargo de Agente Municipal na Comunidade Cerro Grande, de onde era originário, local de onde promoveu a criação e o desenvolvimento de novos sistemas de assistência, justiça e segurança comunitária para impedir a exploração excessiva dos recursos naturais das comunidades; exploração realizada por grandes proprietários de terras e empresas transnacionais que usam gangues criminosas para flagelar os povos da região.
 
Luis também é lembrado como o pescador que chamou o início de uma greve de pagamentos contra as altas tarifas da energia elétrica que já tem 13 anos em várias comunidades.
 
Dois anos após o desaparecimento forçado do Dr. Ernesto Sernas García e um ano após o assassinato de Luis Armando Fuentes Aquino, não há ninguém na prisão, as investigações estão repletas de irregularidades e, como é evidente, justiça para as famílias de nossos camaradas é um ato burocrático, insensível e terrivelmente tortuoso.
 
Por outro lado, o governo do estado de Oaxaca respondeu com mandados de prisão contra pelo menos oito membros de nossa organização, todos ligados ao processo, enquanto um número crescente de pastas de investigação surgiu contra nossa militância.
 
Mesmo em meio à pandemia, essa situação não parou. Assédio, hostilização, perseguição e vigilância contra nossa organização, nossos líderes e nossos ativistas continuam.
 
A emergência de saúde chegou como um dedo para o estado antigo, poupando politicamente as grandes concentrações de massas que continuam a exigir justiça e respeito pelos direitos do povo.
 
Os governos estaduais estão reforçando as medidas antipopulares, a direita e a extrema direita querem militarizar a quarentena, querem avançar o atual golpe reacionário preventivo. Causar o caos, falhar, causar o caos novamente, falhar novamente e assim até fracassar: essa é a lógica dos reacionários e eles não podem ir contra ela. Isso é demonstrado pela história da luta de classes, é demonstrado por esses 75 anos que também foram cumpridos com a vitória da União Soviética sobre o nazi-fascismo alemão, derrotado em suas próprias mandíbulas pelo glorioso Exército Vermelho.
 
Esta situação não vai durar para sempre.
 
É verdade que, neste momento, é imperativo cuidar da saúde e da vida das pessoas, e isso só pode ser feito pelas próprias pessoas, ou seja: por baixo. O regime passou quatro décadas desmantelando a seguridade social e privatizando a saúde pública; portanto, não tem capacidade nem interesse em cuidar da população antes do COVID19.
 
Diante disso, sem renunciar à luta pelo respeito e cumprimento dos Cinco Pontos Centrais, também prestamos atenção às necessidades das massas, formamos Comitês de Saúde e Higiene em Defesa do Povo, que realizam tarefas de informação, prevenção e sanitização, promovendo a solidariedade, a organização e a vida comunitária, principalmente nas populações rurais onde não há serviços médicos, mas também nas áreas urbanas altamente marginalizadas, onde também estão ausentes os serviços.
 
Queremos enfatizar que, apesar das tentativas do velho estado de dizimar nossas forças, elas ainda estão intactas. Nossa tarefa é preservar e aumentar essas forças para voltar às ruas o mais rápido possível.
 
O slogan compartilhado por Ernesto e Luis, o slogan levantado muitas vezes por Faustino, Alfredo, Rosalino, Paulino, Fernando, Morales, Javier, Roberto, Angela, Jorge, Crescenciana e os camaradas que morreram ou foram mortos, é o mesmo slogan que mantemos hoje, à espera de novos tempos: inundar as ruas e praças com bandeiras vermelhas!
 
Ernesto Sernas García, apresentação com vida!
Luis Armando Fuentes Aquino, justiça!
 
Camaradas caídos na luta, na luta vocês serão vingados!
Chega de terrorismo de Estado e a guerra contra o povo!
 
Chega de processo criminal contra a nossa militância!
Respeito e cumprimento dos nossos cinco pontos centrais!
 
A pandemia não cancela nossa luta!
Que a crise econômica e de saúde seja paga pelos ricos!
 
Com o Sol Vermelho, as pessoas vão ganhar!
Fluxo de pessoas do sol vermelho
Comitê Central
10 de maio de 2020

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira