RJ: Em benefício da sua igreja, Crivella quer retirar renda de 800 camelôs

A- A A+

Marcelo Crivella, prefeito do Rio de Janeiro, iniciou no dia 20/05 uma operação para remover 40 tendas do Camelódromo da Rocinha. Em meio à maior crise econômica mundial já vivida nos últimos tempos, trabalhadores se veem sendo desalojados, pois a retirada é consequência de um pedido da Igreja Universal. 

A demolição começou após ordem do prefeito reacionário que deu um prazo de 24h para lojistas saírem do camelódromo. Muitas famílias perderão sua principal fonte de renda em meio à pandemia de coronavírus e severa crise econômica, mais uma covardia com as massas trabalhadoras. A demolição contou com a ajuda da Polícia Militar (PM).

O município alega precisar abrir uma rua cortando o mercado popular para a passagem de ambulâncias e, segundo a prefeitura, a ordem era para retirar "no prazo de 24h todos os equipamentos e pertences que se encontrem em seu interior”. 

Tudo se deve à instalação de um centro de imagem na igreja, na Estrada da Gávea, na parte baixa da comunidade.

Os pequenos comerciantes revoltados com o abandono por parte da prefeitura dizem que a demolição é desnecessária, porque uma rua ao lado do espaço já permite a passagem de ambulâncias. Na tarde de 18/05, os pequenos comerciantes fizeram um protesto e tentaram se reunir com o secretário de Infraestrutura e Habitação, Sebastião Bruno, que estava no local, mas não conseguiram. 

No dia 19/05 houve uma reunião entre tais comerciantes do Mercado Popular da Rocinha e representantes da Prefeitura do Rio; os camelôs fizeram uma manifestação em frente à sede da Igreja Universal. No camelódromo, funcionam 216 boxes, onde cerca de 800 pessoas trabalham. 

Policiais dando apoio a demolição dos boxes na rocinha. Foto: jornalfalaroca

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza