Covid-19: Índios sioux enfrentam Trump e protegem seu território

A- A A+

Duas tribos indígenas do USA, a Sioux do rio Cheyenne e a Oglala Sioux, estão desprezando ordens governamentais e desafiando abertamente o arquirreacionário e genocida Donald Trump, presidente do país, e sua fervorosa aliada governadora do estado do Dakota do Sul. Preocupados com o coronavírus, os índios trancaram as estradas próximas às suas comunidades e as mantêm assim há mais de 15 dias, mesmo sob ameaças de todo tipo.

O portal informativo Democracy Now (D.N.) descreveu a situação do seguinte modo: “...(em Dakota do Sul) está se intensificando um enfrentamento em relação à segurança e à soberania...(os 2 grupos de índios) estabeleceram postos de controle nas estradas que conduzem a seus territórios para se assegurarem de que todos aqueles que procurem ingressar nas terras tribais viajem por uma razão aprovada e essencial, e não apresentem sintomas de COVID-19.”

No dia 8 de maio os nativos rebeldes foram intimados a sair das rodovias em 48 horas. “...A governadora Kristi Noem (Partido Republicano,o mesmo de Trump) que se encontra entre os oito governadores do país que se negaram a adotar o confinamiento, exigiu que (os indígenas) retirassem os controles das estradas; caso contrário enfrentariam uma intervenção do governo.Os postos de controle continuaram de pé” – noticiou o D.N. após alguns dias, registrando a persistência do movimento tribal.

MILÍCIAS ARMADAS ANTI-CONFINAMENTO

Além das medidas oficiais contra si, os indígenas também corriam o risco de ser agredidos por milicianos direitistas, brancos, fortemente armados, que desde abril ameaçam os que adotam a quarentena no USA, inclusive autoridades do Partido Democrata e de outros segmentos de oposição a Trump.

As tribos não se amedrontaram, mesmo sabendo que a governadora Noem é uma forte apoiadora desses criminosos de direita, conforme disse o D.N. O presidente da comunidade Sioux do rio Cheyenne, Harold Frazier, explicou em uma entrevista ao mencionado portal: “O objetivo principal desses postos de controle é manter nosso povo seguro. Por nossa carência de instalações médicas, observamos com atenção os nossos parentes do sul, a Nação Navajo, e vemos o que está ocorrendo alí. Perfeitamente o mesmo poderia acontecer a nós”.(OBS: Frazier se referia ao registro massivo de COVID-19 na reserva Navajo, nos estados de Arizona, Utah e Novo México, que obrigou os líderes tribais a decretarem confinamento.Ali, até 22 de maio, 4.253 índios se infectaram e 46 morreram.)

Quanto à reserva de Frazier, ela conta só com 8 camas na clínica e não possui UTI. O hospital mais próximo, em Rapid City, está a 3 horas dalí. Apesar de que Dakota do Sul atualmente tem uma das taxas de infecção de crescimento mais rápido do país, Kristi Noem está promovendo um retorno à “normalidade”, o que poderia fazer disparar o risco de mortes pela COVID-19. O estado registrava até sábado (23 de maio) 4.468 pessoas infectadas e 50 mortas.

Importante destacar que o Dakota do Sul sedia um enorme abatedouro da Smithfield Foods, onde se processam cerca de 20.000 suínos por dia. Esta planta se converteu no mais intenso foco de Covid-19 no país. Mais de 3.000 casos e 34 das mortes do estado provêm do condado de Minnehaha, onde se encontram as instalações da empresa.

TRUCULÊNCIA NÃO DEU CERTO

Ao ser ignorada e desobedecida pelos sioux amotinados a governadora decidiu apelar a Trump, para que o governo federal intercedesse de alguma forma para resolver seu conflito com as duas tribos, já que uma das rodovias ocupadas pertence à União. Semana passada, dia 20, Noem enviou mensagens à Casa Branca, ao Departamento de Justiça, além da bancada de congressistas do Partido Republicano ligados a Dakota do Sul. Porém,até o término da confecção desta reportagem não havia chegado à governadora nenhuma resposta efetiva de Washington. Provavelmente o silêncio estava relacionado às eleições deste ano, cujo resultado os trumpistas supostamente não desejariam ver “atrapalhado” em função de uma eventual ocorrência negativa no estado, onde o Partido sempre costuma ter uma boa performance.

Constatando que os ventos não estavam favoráveis a ela, Kristi Noem resolveu amenizar sua truculência. Desistiu de continuar esbravejando prazos para a liberação das rodovias e pediu aos índios que considerassem negociar com o governo estadual. Até o fechamento desta edição de AND as tribos seguiam nas estradas, em sua atividade de autoproteção. Nada indicava que iriam mudar de idéia.

'CAPITALISMO DE AMIGOS'

O presidente da tribo Oglala Sioux, Julian Bear Runner, explicou assim a decisão de criar os postos de controle contra a pandemia: “A governadora Noem julgou equivocadamente o nível de compromisso que temos para proteger a nossa gente mais vulnerável do ‘capitalismo de amigos’, das ameaças para nos obrigar a abrir nossa economia como eles querem”.

Tudo indica que a governadora estava, de algum modo, chantageando as lideranças indígenas com base na rentabilidade milionária de empreendimentos que outras tribos estão exercendo em diversos estados do USA, como cassinos, hotéis e restaurantes.  

Prosseguiu Bear Runner: “Não há forma de avaliar o que teremos a perder se deixamos que nos insultem desta maneira. Meus ancestrais têm estado aqui por milhares de anos. Está demonstrado que tudo o que eles (os capitalistas) tem trazido a nossas terras é veneno”.

HERDEIROS DE TOURO SENTADO            

Conforme o portal D.N. “o espírito depredador dos colonos brancos não é algo desconhecido para estas duas tribos, que fazem parte do povo Oceti Sakowin. O chefe  Touro Sentado observou em 1877: ‘O amor às posses materiais é uma enfermidade que eles (os brancos)têm. Apropriam-se de nossa mãe, a Terra, para seu uso próprio, e colocam cercas nela para separar de seus vizinhos; a desfiguram com a construção de edificios e seu lixo…Tudo isto é um sacrilégio”.

A nação Sioux, compreendida por dakotas (ou santees), nacotas (ou yanktons) e lacotas (ou tetons), vivia originariamente perto do lago Superior, atual  Minnesota.Em meados do século XVIII, guerras com os índios Ojibwas conduziram os Sioux para o oeste. Uma parte ocupou as Grandes Planícies, outros foram para os atuais estados de Dakota do Norte e Dakota do Sul, outros  para a região conhecida como Black Hills(oeste de Dakota do Sul e leste de Wyoming e Montana).

Em meados do século XIX, colonizadores brancos começaram a entrar no território Sioux. A tribo lutou por muitos anos para deter as invasões de sua terra, sendo Touro Sentado e Cavalo Louco famosos chefes que lideraram os combates.

Em 1889, mesmo ano em que a Dakota do Sul tornou-se um estado do USA, um movimento nativo teve início nas reservas indígenas Sioux do estado. Este movimento pedia pelo direito ao retorno das antigas tradições e estilos de vida entre a população indígena. O nome deste movimento era Ghost Dance e foi considerado uma ameaça pelo governo. O líder, Touro Sentado, foi assassinado por policiais enviados para prendê-lo. Muitos dos seus seguidores armaram-se e juntaram-se sob a liderança de Pé Grande. Soldados foram enviados para “apenas para desarmar” os nativos. Porém os militares brancos acabaram trucidando cerca de 300 Sioux, inclusive mulheres, crianças e idosos, no Massacre de Wounded Knee. Após esse genocídio a maioria dos Sioux mudou-se para reservas.

RECUSARAM DINHEIRO

Em 1973, o vilarejo de Wounded Knee foi ocupado por cerca de 200 nativos americanos armados. Os índios exigiam que o governo do estado do Dakota do Sul desse maior atenção aos problemas enfrentados pelas tribos. A vila foi ocupada por 71 dias, sendo que diversos tiroteios ocorreram entre os nativos americanos e tropas militares, resultando na morte de 2 indígenas.

Em 1980, a Suprema Corte dos Estados Unidos ordenou que o governo do USA pagasse 105 milhões de dólares aos Sioux de Dakota do Sul, como indenização pela terra confiscada. A tribo recusou o dinheiro e, altivamente, falou que iria continuar lutando pelos seus direitos, inclusive de obter o retorno de seus territórios.

Segundo o censo de 2010, há cerca de 170 mil pessoas de origem Sioux nos USA. Um grupo vive no Canadá.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza