Colômbia: Camponês é assassinado pelo Exército reacionário

A- A A+

Assembléia é organizada por camponeses de forma a se proteger e vingar os ataques do velho Estado colombiano.

As criminosas Forças Armadas colombianas assassinaram um camponês chamado Emérito Buendía Martinez, na aldeia de Tutumito, na zona rural de Cúcuta. O homem foi baleado pelo Exército na manhã do dia 18 de maio; tinha 44 anos e era pai de seis filhos. Outros três outros camponeses foram feridos por disparos dos reacionários durante a mesma operação.

Emérito foi membro do Conselho de Ação Comunitária (JAC) da aldeia Tutumito na zona rural de Cúcuta e da Coordenadoria Nacional dos Produtores de Coca, Papoula e Maconha (COCCAM), organização legal no país. Em 26 de março, o Exército já havia assassinado o pequeno produtor Alejandro Carvajal em uma área próxima, no município de Sardinata, Norte de Santander.

A operação foi realizada, pois o Exército pretendia realizar uma erradicação forçada da cultura de coca na aldeia de Tutumito. Dezenas de camponeses organizados do assentamento se mudaram para o local para impedir que o Exército continuasse a destruir a cultura, único meio de subsistência na região, sem antes o governo dar uma alternativa compensatória. Quando chegaram ao local, o Exército nacional abriu fogo sobre os camponeses desarmados.

pesar de destruir suas pequenas produções e assassinar os camponeses, o velho Estado assinou, mas não cumpriu vários acordos nas últimas décadas com produtores de coca para a substituição voluntária de culturas ilícitas. O mais recente foi no âmbito dos acordos de Havana com o Plano Nacional de Substituição Integral (PNIS), que previa subsídios às famílias e principalmente a projetos produtivos para que elas pudessem ter outra fonte de subsistência. O velho Estado faltou totalmente ao cumprimento deste acordo, porém, realiza a erradicação forçada e violenta das lavouras dos camponeses. 

Segundo o jornal revolucionário El Comunero, “é claro que o discurso do governo de substituição ‘voluntária’ é apenas para enganar o povo. Quando o povo assina os acordos, o Estado quebra sua palavra e assassina aqueles que se opõem”.

Também de acordo com o jornal, os camponeses têm se organizado para resistir, e há um mês os camponeses de várias áreas de Cúcuta e Norte de Santander formaram assentamentos, onde estão em alerta para se oporem à erradicação violenta de suas lavouras pelo Exército reacionário. Eles exigem o cumprimento dos acordos já feitos pelo governo, e dizem que, assim que não forem cumpridos, não permitirão a erradicação de suas lavouras. 

Após o assassinato de Emérito Digno Buendía, a comunidade se declarou em assembléia permanente e reafirmou seu compromisso de continuar se mobilizando para impedir a erradicação violenta e forçada contra os camponeses.

O El Comunero acrescenta ainda que “a impunidade por parte do velho Estado sempre existiu e sempre existirá, não haverá julgamento destes assassinos do povo pelo sistema judicial podre da Colômbia. Mas o sangue do povo não ficará impune, a justiça virá do povo. Já os camponeses estão aprendendo dolorosas lições de que este velho Estado só serve aos grandes burgueses e latifundiários, que o velho Estado só promete e mata pelas costas e que não haverá paz enquanto o camponês não tiver a terra, as estradas, a irrigação, o poder de decidir o que plantar; enquanto o povo não tiver o poder”

Na Colômbia, há cerca de 100 mil agricultores que plantam arbustos de coca. São agricultores pobres que cultivam coca em micro e pequenas propriedades que estão localizados em algumas das áreas mais pobres do país, com pouco acesso para extrair, escoar e comercializar outras culturas, razões essas que só deixa a eles a coca como possibilidade. 

Os camponeses denunciam que o velho Estado colombiano apenas promete dar meios de substituir a plantação da folha de coca por outras culturas, quando na realidade não o faz. Enquanto isso, criminaliza e assassina os camponeses por tentarem retirar desse cultivo sua sobrevivência, aumentando sua exploração e aprofundando o controle militar no campo, enquanto aos grandes traficantes e responsáveis pelos cartéis, nomes cuja relação com o Estado é notícia, nada acontece.

Camponeses colombianos se reúnem após a tentativa da erradicação forçada de suas lavouras, e o assassinato de um de seus companheiros pelo Exército reacionário

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza