Jornal Mural, imprensa democrática, é lançado no México

A- A A+

Um novo jornal da imprensa popular e democrática foi lançado no México, tendo sua primeira edição impressa publicada no mês de maio de 2020. O veículo tem um nome criativo e que expressa seu caráter de massas: jornal Mural (“Periódico Mural”, em espanhol). Em seu portal, os jornalistas democráticos do povo descrevem o jornal como parte e a serviço “dos trabalhadores e dos povos em sua luta pela libertação da exploração e da opressão”.

De acordo com o jornal, seu trabalho consiste em ser um agitador, um educador, um organizador e um tribuna coletivos, capaz de responder às necessidades informativas, comunicativas, de denúncia e de difusão das lutas de classe das massas populares, unificando-as em uma grande torrente revolucionária.

O objetivo do jornal é tornar-se uma imprensa de caráter nacional para todo o México, abrindo suas páginas, mídias digitais, assim como “os muros e espaços públicos para as críticas mais enérgicas das massas populares contra o velho e podre Estado de grandes burgueses e latifundiários”.

“É preciso desafiar o caminho burocrático imposto pelas classes parasitárias. Devemos construir passo a passo o caminho democrático que representa a aliança estratégica do proletariado e do campesinato pobre à frente de todo o povo trabalhador”, afirma o jornal.

O jornal Mural leva esse nome por duas expressões do proletariado: o muralismo e o dazibao. O muralismo, expressão plástica da arte popular que contém uma posição política, foi levado ao seu mais alto desenvolvimento por David Alfaro Siqueiros, o expoente máximo desta corrente a nível internacional, estabelecendo suas bases teóricas e técnicas, rompendo com a tradição e a concepção burguesa da arte individualista, “da arte pela arte” e da arte “acima das classes sociais”, chamando os trabalhadores da arte e da cultura a se organizarem, colocando seus conhecimentos a serviço do povo em sua luta pela libertação, ligando teoria e prática, ideologia e estética, tomando uma posição pela revolução que as massas exigem.

O dazibao (mural do povo baseado em grafite e ideogramas) foi por longa data uma forma de comunicação utilizada pelas massas chinesas, convertida pelo Presidente Mao Tsetung e pelo Partido Comunista da China em forma de propaganda política e de denúncia, uma espécie de “imprensa” a céu aberto. Sua difusão foi particularmente extraordinária durante a Grande Revolução Cultural Proletária, iniciada em 1966.

O jornal Mural afirma que o muralismo e o dazibao são duas grandes manifestações do movimento popular, revolucionário por natureza, em meio à nova era de revoluções proletárias e de libertação nacional que estão sendo desenvolvidas pelas classes revolucionárias e pelos povos oprimidos.

Eles concluem o texto afirmando que o jornal Mural faz dessas suas experiências, e junto com a concepção leninista da imprensa revolucionária, “abre suas portas para este exercício que tem um porto fixo: a Revolução da Nova Democracia e o Socialismo no México, como parte das tarefas da Revolução Proletária Mundial”.

Desde o AND, lançamos nossas mais calorosas saudações, desejamos todo o êxito aos companheiros que dedicam-se a essa empreitada, que já é vitoriosa.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza