Chile: Protestos explodem nos bairros pobres contra a fome e o desemprego

A- A A+


Moradores erguem barricadas em chamas em bairros operários do Chile para protestar contra descaso do velho Estado. Foto: AFP

No dia 25 de maio, na cidade de Puente Alto e na comuna de La Pintana, em Santiago, moradores protestaram com barricadas incendiadas exigindo que o velho Estado resolva a situação grave de fome e de desemprego que os acometem. 

Os moradores de ambas as regiões fecharam ruas movimentadas e ergueram barricadas em chamas, e batendo em suas panelas, exigiram ao velho Estado chileno os alimentos prometidos para o período de quarentena, que ainda não haviam sido entregues, além de protestar contra o desemprego, que atingiu imensa maioria da população pobre durante a quarentena do novo coronavírus e a crise já anunciada no país. Eles também se recusaram a serem multados por estar protestando.


Juventude de bairros operários chilenos travam manifestações combativas contra a fome e o desemprego. Foto: AP/ AFP

Em um protesto em La Pintana, no dia 19 de maio, uma manifestante denunciou às câmeras dos monopólios de comunicação: “Ninguém nos ajuda, nem o governo, nem o município, nem os narcotraficantes!”.

Nesse mesmo dia ocorreram protestos nos bairros El Bosque, La Granja e San Ramón. Também houveram protestos e barricadas em Villa Francia, na comuna de Estación Central (em Santiago), em Maipú e em Cerro Navia. O mesmo aconteceu na cidade de Valparaíso e nas comunas de San Felipe Olmué e San Antonio.


Moradora de bairro operário no Chile revida a repressão policial atirando uma bomba de gás contra os agentes. Banco de dados AND

Quarentena quebrada para vencer a fome

Os protestos têm acontecido desde o dia 18 de maio na capital, quando operários que residem no bairro de El Bosque, em Santiago, foram os primeiros a quebrar a quarentena para exigir o mínimo para a sua sobrevivência.

Na ocasião, um grupo de 50 pessoas enfrentou a polícia de choque com bastões e pedras, durante um protesto contra a situação de miséria. Durante a tarde, outros três bairros se juntaram à manifestação combativa.

Durante a noite, na mesma área, cerca de 100 trabalhadores famintos saquearam uma empresa de distribuição de gás. No centro da cidade de Santiago, manifestantes queimaram um ônibus. Ao total, 22 pessoas foram detidas.

Também no dia 18/05, a palavra Fome foi projetada num dos principais edifícios da praça da Dignidade (rebatizada assim pelos manifestantes após os grandes protestos de 2019) na capital, enquanto dentro dos prédios os moradores batiam em suas panelas. 

Sistema de opressão e exploração só gera miséria e sofrimento

Sob pressão das massas, a única coisa que o velho Estado chileno pôde oferecer foi um auxílio de 80 dólares (aproximadamente R$ 427) em junho, outro de 67,6 dólares (R$ 360) em julho e um terceiro de 55,3 dólares (R$ 295) em agosto apenas para 40% das famílias mais pobres. O governo de turno também prometeu fornecer uma cesta de alimentos para as famílias, mas muitas delas ainda não tiveram acesso a isso.

De acordo com o psicólogo Benito Baranda: “No Chile, um terço das pessoas vive de trabalhos informais e nos bairros mais vulneráveis isso supera os 50%”. Essas pessoas, que antes sobreviviam do trabalho informal, durante a quarentena, não tem acesso ao seu meio de trabalho.

Também, segundo informações divulgadas recentemente pelo Banco Central do país, o endividamento dos lares chilenos alcançou uma cifra recorde de 75% da renda anual de uma família. A Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal), das “Nações Unidas”, calcula que a pobreza no Chile poderá passar dos 9,8% registrados em 2019 para os 13,7% em 2020.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza