França: Protestos populares se intensificam após o fim da quarentena

A- A A+

Manifestações populares se intensificaram em toda a França logo após a quarentena. Apenas no dia 30 de maio, manifestações multitudinárias aconteceram em duas cidades do país: em Maubeuge e em Paris.

Em Maubeuge, no dia 30 de maio, cerca de 10 mil operários marcharam nas ruas da cidade contra a demissão, pela Renault, de 4,6 mil trabalhadores para maximizar seus lucros. A demissão ocorre mesmo com o monopólio ganhando gordas isenções e benefícios estatais. Na cidade, especificamente, uma fábrica provavelmente será fechada.

Milhares de pessoas estão se manifestam nas ruas de Maubeuge contra o fechamento de uma fábrica da Renault. Fonte: La Cause Du Peuple

Em Paris, uma grande manifestação de imigrantes não documentados, como parte do movimento dos “coletes negros”, aconteceu no mesmo dia, quando milhares de pessoas marcharam nas ruas centrais da capital, bloqueando o trânsito, exigindo a regularização da situação de residência dos migrantes no país. A polícia reprimiu violentamente os manifestantes com bombas de gás lacrimogêneo e prendeu 92 pessoas. 

De acordo com o jornal revolucionário La Cause du Peuple, há quase um ano o movimento dos “coletes negros” (uma versão do movimento “coletes amarelos”, de reivindicação dos imigrantes) vem ganhando força. Milhares de migrantes não documentados estão se organizando contra o Estado imperialista francês, que os força a deixar seu país de origem através de guerras e exploração, e depois se recusa a abrigá-los. 

Já no dia 26 de maio, trabalhadores da saúde de toda a França, determinados a lutar por melhores salários e melhores condições de trabalho para cuidar adequadamente dos pacientes, largaram seus postos de trabalho e protestaram em frente aos hospitais na chamada “terça-feira da revolta”, em que todas as terças-feiras os trabalhadores protestarão dessa forma contra a precarização e exploração durante a pandemia da Covid-19. Uma grande manifestação do setor da saúde também foi prevista para 16 de junho.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza