Disputa imperialista pela dominação da Líbia se acirra e USA envia tropas para a vizinha Tunísia

A- A A+

Da esquerda para a direita: Secretário de Defesa ianque, Robert Gates; general James Cartwright, vice-presidente do Estado Maior Conjunto do USA; general William Ward, comandante cessante do Africom, e o general Carter Ham, chefe do Africom, na mudança de comando do Africom, 9/03/2011. Foto: Mandel Ngan-Pool / Getty Images

O Comando Africano do Estados Unidos (Africom) anunciou no dia 30 de maio o envio de uma brigada de tropas para a Tunísia sob a suposta finalidade de “treinamento”. Trata-se, todavia, de uma clara intensificação da presença ianque no norte da África frente ao envolvimento do imperialismo russo na Líbia, que tem conquistado influência e presença geopolítica na região. A Tunísia possui fronteira ao Leste e ao Sul com a Líbia.

O comunicado oficial divulgado pela Africom trouxe uma fala do seu comandante, o general Stephen Townsend, sobre a questão: “Enquanto a Rússia continua atiçando as chamas do conflito na Líbia, a segurança regional no Norte da África é uma preocupação crescente. Estamos procurando novas maneiras de resolver preocupações mútuas de segurança com a Tunísia, incluindo o uso de nossa Brigada de Assistência às Forças de Segurança”. 

A declaração sobre o envio das tropas ocorreu após o Africom, no dia 27 de maio, acusar publicamente o imperialismo russo de enviar clandestinamente 14 caças MiG 29 e Su-24 (aviões de combate) à base aérea Jufra, na Líbia, para o grupo político líbio apoiado pelo imperialismo russo e rival do grupo apoiado pelo imperialismo ianque. 

A movimentação de efetivos representa cristalinamente essa preocupação do imperialismo ianque em aprofundar suas esferas de influência no continente africano e expandi-las, em especial depois da sua significativa derrota em dominar a Síria e instaurar um governo fantoche seu no país e os recentes fracassos em estabilizar o Iraque sob seu governo títere.

Desde a mudança de regime na Tunísia em 2011 levada adiante para aplacar o levante de massas contra o sistema de exploração e opressão (malchamada "primavera árabe"), o imperialismo ianque investiu mais de um bilhão de dólares no país. Em contrapartida, os militares do atual governo da Tunísia, atuando como seus lacaios, foram encarregados de ocupar fortemente a fronteira com a Líbia, e de combater grupos que atuam, em determinados momentos, como movimentos de Resistência Nacional, em oposição à presença estrangeira na região.

PUGNA INTERIMPERIALISTA SE ACIRRA NO NORTE AFRICANO

Ao menos no Magreb (Noroeste da África), a Líbia tem sido o epicentro das disputas entre nações imperialistas e seus aliados. Como ainda não foi decidida finalmente a facção que tomará o controle da administração do velho Estado líbio, os imperialistas permanecem em pugna para conquistarem a maior fatia do bolo que conseguirem.

O USA apoia o que se chama de "Governo do Acordo Nacional" (GNA) líbio, sob a direção de Fayez al-Sarraj e com sede na capital Trípoli, que é mais reconhecido internacionalmente, inclusive pela "Organização das Nações Unidas" (ONU). O imperialismo russo, por sua vez, apoia o governo chamado de "Câmara dos Representantes da Líbia" (CPL), também conhecido como "governo de Tobruque", devido ao nome da cidade onde é sediado. O CPL é encabeçado pelo marechal Khalifa Haftar, com apoio de grande parte do Exército Nacional Líbio (ENL). 

O envolvimento do imperialismo russo na Líbia começou a receber mais atenção em 2020, depois que episódios em que participaram grupos de mercenários russos, contratados pela empresa militar privada russa Wagner tomaram os holofotes da imprensa. Estima-se haver em solo líbio, hoje, entre 500 e 2 mil mercenários ligados à empresa russa. 

Segundo o Al-Monitor, um importante comandante da Força Aérea ianque, assim como Townsend, tem mostrado preocupação com que o imperialismo russo estabeleça bases costeiras na Líbia e introduza defesas aéreas de longo alcance que impossibilitem o acesso da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) ao país.  

Em janeiro de 2020, Townsend defendeu perante o Congresso ianque uma intensificação da presença militar ianque no continente africano a fim de combater a influência do imperialismo russo e do social-imperialismo chinês. Na ocasião, ele declarou ao Comitê de Serviços Armados do Senado ianque que acredita "que a África oferece ao USA uma vantagem competitiva sobre a Rússia e a China e devemos tirar vantagem disso".

A China mantém uma base militar em Djibuti, além de exercer penetração e dominação econômica na África, enquanto a Rússia tem enviado mercenários para a Líbia, Sudão, Moçambique e a República Centro-Africana.

O Africom é um dos nove comandos militares de combate unificado das Forças Armadas ianques que se encontram espalhados por diversas regiões do planeta. Ele é responsável pelas operações imperialistas e relações militares do imperialismo ianque em 53 países africanos, praticamente o continente inteiro, com exceção do Egito, que fica incluído sob a ação do Comando Central.

LÍBIA EM FRANGALHOS APÓS AGRESSÕES IMPERIALISTAS 

O profundo conflito interno em que se encontra a Líbia, nação norte-africana rica em petróleo, que já data de décadas, apenas se agudizou com a intervenção imperialista da Otan que orquestrou uma campanha de bombardeios aéreos contra a nação e possibilitou aos rebeldes a que apoiavam capturar, torturar, empalar e matar o então presidente Muammar Gaddafi, em 20 de outubro de 2011. 

Estiveram à frente dessa empreitada, à época, os imperialistas ianques, franceses e britânicos, principalmente, visando a tirar do poder o governo lacaio do imperialismo russo e por, no lugar, um que fosse serviçal de seus interesses. 

Desde então, as milícias que derrubaram Gaddafi (algumas muçulmanas, outras pró-Ocidente e outras tribais, como a Frente Tubu) vêm se enfrentando tanto pela rivalidade econômica e pelo controle territorial, quanto pela luta pelo poder. 

Resumidamente, hoje as tropas de Haftar possuem controle efetivo sobre a maior parte do território nacional, porém desde abril de 2019 tentam capturar a capital Trípoli a partir de sua base em Tobruque, que foi convertida numa espécie de capital "rebelde", no noroeste da Líbia.

A disputa pela partilha e dominação sobre a Líbia não é, evidentemente, restrita aos imperialismos ianque e russo, apesar de serem as principais forças em jogo, atualmente. A França, por exemplo, apoiou Haftar em 2016, quando ele começou a ser visto como um militar capaz de combater grupos de Resistência Nacional, como o autoproclamado Estado Islâmico (EI), e evitar que tais movimentos se expandissem para a Líbia, provindos do Iraque e da Síria.

Apesar de apoiar oficialmente o GNA, a França é acusada pelo governo de Sarraj de apoiar secretamente o CPL a fim de conquistar sua fração na partilha, caso Haftar saia como vencedor na disputa. 

No dia 29 de abril, por exemplo, o GNA denunciou que um avião de guerra francês havia invadido o espaço aéreo do país. O Ministério das Relações Exteriores afirmou que o caça-bombardeiro francês Rafale e uma aeronave de abastecimento foram avistados realizando sobrevoos não autorizados sobre a cidade de Misrata, na costa do mar Mediterrâneo, onde está localizada a zona de combate Abu Grein, onde as forças do GNA enfrentam tropas de Haftar.

Outros atores importantes são a Turquia e o Egito, potências regionais que apoiam o GNA e enviaram tropas de apoio à Sarraj. Ambos são aliados do imperialismo ianque e atuam à serviço de seus interesses no âmbito militar. O Egito é, na realidade, o segundo país que mais recebe investimento de "ajuda militar" do imperialismo ianque, logo após Israel. Entre 1946 e 2017, o país árabe recebeu mais de 79 bilhões de dólares do USA apenas para fins militares.

O cenário atual Líbia é o de uma nação destroçada pelo imperialismo e suas agressões terroristas. A situação chegou ao ponto de, em 2017, serem noticiadas feiras de vendas de pessoas como escravas nas cidades do país, onde foi montada uma rede de tráfico de pessoas a partir da situação de fragilidade e vulnerabilidade sociais. 

Na declaração conjunta marxista-leninista-maoista de 1 de maio de 2019, estipulou-se que "...em todo o Norte da África, o povo luta, mas nota-se a falta de direção proletária, fazendo com que essas lutas sirvam às frações diferentes de grandes burgueses e latifundiários para dirimir suas disputas. Na Líbia, o povo passa pelas consequências da guerra da OTAN", e se colocou a necessidade urgente "de Partidos Comunistas para dar-lhes novo rumo à luta" e se libertar do jugo do imperialismo e do capitalismo burocrático. 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira