Vale ordena e justiça obedece: moradores são proibidos de protestar contra a mineradora assassina

Bombeiros retiram um dos 259 corpos vítimas da Vale. Foto: Banco de Dados AND

A grande mineradora Vale, responsável pela morte de 259 pessoas e o desaparecimento de 11 após o rompimento de uma barragem na cidade de Brumadinho em Minas Gerais, entrou com uma ação no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e conseguiu proibir qualquer tipo de manifestação nas estradas de acesso ao município, bem como nas dependências administrativas da empresa e de suas terceirizadas na região.

Leia Também: Brumadinho: Crime hediondo da Vale e seus cúmplices do governo federal e estadual contra o povo

A juíza Renata Nascimento Borges acatou o pedido e agora, segundo a ordem judicial, cada morador que teve seu ente querido morto ou que teve sua casa destruída e quiser protestar terá que pagar uma multa de R$ 5 mil.

De acordo com a liminar, as manifestações “atrapalham” as obras de reconstrução do município e causam “aglomeração”.

Leia Também: MG: Vítimas de Brumadinho fecham a cidade contra ‘calote’ da Vale

“Depois de tudo que sofremos, agora estamos proibidos de nos manifestar, de buscar nossos direitos. Me pergunto onde fica nosso direito de livre expressão? Por que somente a cidade de Brumadinho está sendo oprimida assim? A Vale diz que está pagando igual a todos, o que é mentira”, disse um morador inconformado com a decisão judicial.

Leia Também: Coasa, Brumadinho: 'Vale assassina e terrorista! Organizar o apoio e solidariedade aos atingidos pelos crimes da Vale'

Até agora, o crime, que já ultrapassa um ano e quatro meses de impunidade antecedido de outro crime semelhante, o crime de Mariana, segue impune. A única resposta parcial do velho Estado foi a denúncia, via Ministério Público de Minas Gerais, de 16 pessoas por homicídio doloso e crime ambiental, entre elas Fábio Schvartsman, ex-presidente da mineradora. Até agora, todavia, nada avançou.

Protesto contra a Vale, em Brumadinho. Foto: Odilon Amaral

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro