Revolta popular derruba estátuas de reacionários pelo mundo

A- A A+

No dia 9 de junho, em Boston, no USA, a estátua de Cristóvão Colombo fora decapitada durante um protesto, sendo mais uma estátua de um explorador e reacionário com esse destino desde que os protestos contra o sistema de exploração e opressão se desenvolveram no início de junho ao redor do mundo todo. No mesmo dia, estátuas do mesmo tipo foram atacadas na Inglaterra e na Bélgica.

No USA, epicentro das manifestações, a revolta, que se voltou também contra os símbolos da opressão tais como as estátuas, teve como foco os líderes dos Confederados, grupo de estados que se uniu defendendo a manutenção da escravidão e que foi derrotado na Guerra Civil. O movimento contra as estátuas homenageando personalidades históricas racistas, proprietárias de escravos ou colonialistas rapidamente se espalhou pelo mundo.

Na noite do 09/06, no Parque Cristóvão Colombo, em Boston, no USA, a estátua que homenageava o navegador genocida responsável pelo chamado "descobrimento" da América, que causou o extermínio de diversas comunidades e povos nativos, foi decapitada por manifestantes. 

Estátua de Cristóvão Colombo sem cabeça (Fonte: WBZ-TV)

No dia 9 de junho, na Bélgica, "autoridades" removeram a estátua do ex-rei genocida Leopold II na cidade de Antuérpia, sendo que no mesmo dia a estátua havia sido queimada por manifestantes, que exigem a remoção da estátua e de todos os símbolos do colonialismo. 

No dia 7 de junho, manifestantes cercaram uma estátua homenageando Leopold II na cidade de Bruxelas, capital do país, e subiram nela erguendo uma bandeira da República Democrática do Congo, enquanto gritavam Assassino!. Leopold II foi rei da Bélgica colonialista, e aplicou terríveis crimes coloniais contra a colônia do Congo, provocando um genocídio de no mínimo 10 milhões de pessoas.

Busto de Leopold II é alvo de protestos em Ghent (Fonte: Reprodução/Twitter)

Na Inglaterra, no 09/06, após protestos contínuos nos dias anteriores contra a estátua de Robert Milligan, na frente do Museu de Docklands, em Londres, a estátua foi removida. Robert Milligan havia sido um comerciante colonialista que possuía duas plantações de açúcar e 526 escravos na Jamaica.

No mesmo dia, milhares de pessoas se reuniram na frente da Faculdade de Oriel, pertencente à Oxford, exigindo a queda de uma estátua em homenagem a Cecil Rhodes, imperialista britânico que defendia a manutenção do domínio britânico sobre a África do Sul, e dizia que os africânderes eram inferiores aos britânicos.

Protestos em frente à Faculdade de Oriel (Fonte: BBC)

E em Leeds (também na Inglaterra), uma estátua homenageando a rainha Victória apareceu com diversas pichações, denunciando-a de racista, colonizadora, assassina e proprietária de escravos. 

Estátua de Rainha Victória em Leeds, 09/06 (Fonte: AFP)

No dia 8 de junho, no USA, a estátua do confederado John Breckinridge Castleman foi removida em Louisville, após muita exigência popular. A estátua havia sido alvo de protestos e ataques desde a década de 1990.

Em 07/06, na cidade de Bristol, Inglaterra, manifestantes derrubaram a estátua em homenagem ao comerciante de escravos Edward Colston. Colston era líder da Royal Africa Co., responsável pelo tráfico de milhares de africanos escravizados para a América, grande parte deles mortos no transporte.

Derrubada da estátua de Colston (Fonte: NPR)

Na Praça do Parlamento, em Londres, a estátua em homenagem de Churchill foi pichada com as palavras Foi um racista!, e após as manifestações do dia ela foi apagada. No dia 09/06, a mesma estátua do ex-primeiro ministro reacionário esteve cercada por ao menos dez policiais, numa tentativa de a proteger. Churchill, símbolo do imperialismo britânico, defendia a existência de "raças inferiores", comparava os indianos a animais e foi diretamente responsável pelo genocídio de Bengala.

Policiais protegem a estátua de Churchill (Fonte: Yahoo)

No final de semana dos dias 6 e 7 de junho, uma estátua em Glasgow do antigo primeiro-ministro britânico, Robert Peel, foi alvo de pichações, com a sigla "ACAB" (“Todos os policiais são bastardos”, sigla em inglês) e o símbolo da foice e o martelo. Robert Peel foi o criador do aparato policial britânico moderno.

Estátua de Peel é alvo de pichações, em George Square, Glasgow (Fonte: Manchester Evening News)

Na noite do dia 06/06, no USA, manifestantes usaram cordas para derrubar a estátua do general dos confederados Williams Carter Wickham no Parque Monroe, em Richmond. Segunda a revista do monopólio de mídia Richmond Times, após a queda, alguém urinou na imagem do general reacionário.

Estátua de Wickham é derrubada com cordas (Fonte: Richmond Times)

No dia 4 de junho, na cidade de Dallas, no Texas, foi removida após revolta popular a estátua representando um membro dos Texas Rangers no Aeroporto de Dallas Love Field. Os Texas Rangers, uma agência de força policial do estado de Texas, têm um histórico de violência e massacre contra grupos raciais e étnicos, em especial os mexicanos do Texas. Suas estátuas eram erguidas para intimidar as comunidades para que não se rebelassem.

Em 3 de junho, a estátua de Frank Rizzo, antigo prefeito da Filadélfia e policial, conhecido pelo tratamento agressivo contra a população negra e homossexual, foi derrubada pelas "autoridades" após muita revolta na Filadélfia. Nos dias anteriores, manifestantes tentaram a remover e colocar fogo.

Estátua de Frank Rizzo pichada com “FTP (Fuck The Police)” ou “Foda-se a polícia” antes de ser removida (Fonte: Forbes)

Também no dia anterior, no bairro histórico de Old Town, na cidade de Alexandria, na Virgínia, após manifestações contra a estátua de Appomattox, um soldado fictício que homenageava todos os soldados confederados da cidade, ela foi removida.

Nos protestos de 31 de maio, em Birmingham, Alabama, manifestantes derrubaram a estátua que homenageava Charles Linn, membro da Marinha dos Confederados. A estátua era recente, de 2013. 

Estátua de Charles Linn no chão (Fonte: CBS 42)

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza