General ameaça dar golpe aberto caso os contrários ao governo ‘estiquem a corda’

A- A A+

Presidente da República Jair Bolsonaro cumprimenta o General de Exército Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira. 

O general da ativa Luiz Eduardo Ramos, do Alto Comando das Forças Armadas (ACFA), tentou ameaçar o povo afirmando que “o outro lado”, oposto ao governo reacionário, não deve “esticar a corda” como condição para não haver golpe militar de Estado como 1964. Essa e outras declarações foram dadas ao monopólio de imprensa Veja.

Perguntado qual a possibilidade de um golpe militar tradicional, o general reacionário negou para, logo em seguida, admiti-lo em determinadas circunstâncias. Ele afirmou: “Fui instrutor da academia por vários anos e vi várias turmas se formar lá, que me conhecem e eu os conheço até hoje. Esses ex-cadetes atualmente estão comandando unidades no Exército. Ou seja, eles têm tropas nas mãos. Para eles, é ultrajante e ofensivo dizer que as Forças Armadas, em particular o Exército, vão dar golpe, que as Forças Armadas vão quebrar o regime democrático. O próprio presidente nunca pregou o golpe. Agora o outro lado tem de entender também o seguinte: não estica a corda”.

Perguntado, ainda, o que seria “esticar a corda”, ele afirmou: “Comparar o nosso amado Brasil à ‘Alemanha de Hitler’ nazista é algo, no mínimo, inoportuno e infeliz”.

E, mais adiante, o general reacionário se refere ao julgamento da chapa Bolsonaro-Mourão pelo Tribunal Superior Eleitoral, que julgará as contas da chapa durante a eleição de 2018. Luiz Eduardo Ramos chama de “julgamento casuístico” e afirma que o julgamento “não é plausível”, não importando as eventuais provas e eventuais irregularidades. Indiretamente, sugere que isso também seria “esticar a corda”.

Perguntado, ainda, o que aconteceria se a impugnação da chapa ocorrer (destituindo o governo), ele diz: “Sinceramente, não vou considerar essa hipótese. Acho que não vai acontecer, porque não é pertinente para o momento que estamos vivendo”.

Chantagens e coações: parte do golpe militar já em marcha

Indiretamente, o general pressiona o Supremo a votar de modo a permitir o prosseguimento do governo Bolsonaro/generais. Atitudes assim – partes do golpe de Estado militar contrarrevolucionário desatado em 2014 após o levante das massas, de modo institucional, através de coações, ameaças e chantagens – não são novas.

Apenas em uma das várias situações em que houve ameaças, o Villas-Boas – então comandante do Exército –, em 2018, publicou uma mensagem na internet ameaçando tacitamente o Supremo Tribunal para que votasse pela permanência do Luiz Inácio na prisão. Na mesma ocasião, um dia antes, um outro general, Luiz Gonzaga Schroeder, da reserva, afirmou que se a decisão do Supremo contrariasse o desejo dos generais, “eu não tenho dúvida de que só resta o recurso à reação armada”. Depois, especificou: “Aí é dever da Força Armada restaurar a ordem”. Uma semana antes, ele já havia dito que “vai ter derramamento de sangue” e que a crise “vai ser resolvida na bala”. “A interferência das Forças Armadas, sem dúvida, vai causar derramamento de sangue”, ameaçou.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza