USA: Povo continua a rebelião contra a velha ordem de exploração e opressão

A- A A+

Dustin Chambers/Getty Images

Nos dias 13, 14 e 15 de junho no USA, milhares de pessoas inundaram as ruas de Atlanta para protestar contra mais um assassinato cometido pela polícia: um homem de negro foi assassinado no estacionamento do monopólio Wendy’s, no dia 12/06. 

O estabelecimento foi queimado durante um protesto no dia 14/06. Já, no dia 15/06, centenas colocaram à baixo uma estátua do ex-presidente do USA, Thomas Jefferson, em Portland e outras milhares de manifestantes se reuniram em Nova Iorque.

Placa é pichada com “R.I.P. Rayshard enquanto a franquia de fast food wendys queima. Foto: AP Photo/Brynn Anderson

Na noite do dia 13 de junho, centenas de manifestantes bloquearam uma das ruas principais da cidade, em frente ao monopólio Wendy’s e atearam fogo ao estabelecimento, assim como a automóveis que estavam próximos do local. A polícia havia tentado dispersar os manifestantes com gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral, sendo que durante a repressão 36 pessoas foram presas. Nos dois dias que se seguiram, continuaram as manifestações multitudinárias em repúdio ao seu assassinato.

As manifestações iniciaram um dia após o assassinato durante uma blitz policial, com dois tiros pelas costas de Rayshard Brooks, homem negro pai de três filhas e um enteado, apenas um dia antes do aniversário de uma de suas filhas.

Rayshard Brooks com sua mulher e três filhas

Já na noite do dia 14 de junho, centenas de pessoas colocaram abaixo uma estátua do ex-presidente do USA, Thomas Jefferson, numa escola de Portland, Oregon, após uma manifestação contra o racismo, a opressão e a exploração do povo. No monumento destruído também estava pichado: “Senhor de escravos”. No dia 13, também foram derrubadas por manifestantes duas estátuas representando colonizadores do território estadunidense na Universidade de Oregon, conhecidos como “pioneiros”, em rechaço ao genocídio dos povos nativos do país.

Manifestantes derrubam duas estátuas de colonizadores do território estadunidense na Universidade de Oregon, em rechaço ao genocídio dos povos originários no país. Foto: Andy Nelson/The Register-Guard

E, também do dia 14, milhares de pessoas marcharam no Brooklyn, em Nova Iorque, para defender os já poucos direitos da população transsexual do país, ameaçados pela eliminação  pelo governo de turno do arquirreacionário Donald Trump de uma regulamentação que proíbe a discriminação na assistência à saúde.

A seção 1557 da Affordable Care Act, conhecida como a Lei de Direitos de Saúde, "proíbe a discriminação baseada em raça, cor, origem nacional, sexo, idade ou deficiência em certos programas e atividades de saúde". Entretanto, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos do USA disse em uma declaração no dia 12/06 que estava eliminando "certas disposições da Regra de 2016 que excediam o âmbito da autoridade delegada pelo Congresso na Seção 1557. O SSH cumprirá a Seção 1557, retornando à interpretação do governo sobre discriminação sexual de acordo com o simples significado da palavra 'sexo' como masculino ou feminino e conforme determinado pela biologia".

Na mesma semana em que a regulamentação foi eliminada, duas mulheres trans e negras haviam sido assassinadas no país.

Milhares de pessoas se manifestam em defesa da saúde de qualidade para pessoas transgênero

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza