Alemanha: protestos multitudinários em solidariedade ao povo estadunidense tomam o país

A- A A+

Em toda a Alemanha, no dia 6 de junho, milhares de pessoas tomaram as ruas em combativos protestos de apoio à rebelião do povo estadunidense e em rechaço ao sistema de exploração e opressão imperialista alemão. Na capital Berlim, 28 agentes de repressão foram feridos com pedras e garrafas lançadas pelas massas na tentativa de atacar e invadir a embaixada ianque e em Munique, cerca 25 mil pessoas se reuniram em uma grande manifestação. As forças de repressão, não sendo páreas para tamanha multidão, não pôde cumprir com suas tentativas de dispersar as massas enfurecidas.

Na capital alemã, mais de 15 mil pessoas compareceram ao ato. A embaixada ianque foi cercada, e a polícia fez uma barreira de proteção ao prédio, o que não impediu que pelo menos 28 agentes da repressão fossem feridos com pedras e garrafas disparadas pelas massas na tentativa de atacar e invadir a embaixada. Também foram vistos cartazes denunciando o imperialismo alemão com as palavras A Alemanha não é inocente!

Em Hamburgo, no ato que reuniu 14.000 pessoas, os manifestantes também cercaram o consulado ianque e, com o uso de fogos de artifício, enfrentaram os policiais que usavam spray de pimenta e canhões de água para tentar dispersar a manifestação. Três policiais foram feridos. 

Canhão de água dispara contra o povo (Fonte: Dem Volke Dienen)

Em Munique, cerca 25 mil pessoas reuniram-se em apoio à rebelião no USA e contra o sistema de opressão e exploração imperialista alemão. A polícia havia permitido somente uma reunião de 200 pessoas, usando de pretexto a pandemia do Coronavírus, e tentou impedir que os manifestantes participassem do ato antes dele sequer ter começado. Com o crescimento em número de pessoas, verdadeiras multidões vindo se juntar ao protesto, a polícia declarou que foi forçada a recuar e deixar que a manifestação acontecesse.

Outros milhares tomaram as ruas de cidades populosas em diversas partes do país país, como Frankfurt e Nuremberg.

Povo de Munique enche as ruas (Fonte: Dem Volke Dienen)

Centro de Berlim, 06/06 (Fonte: Reprodução/Twitter)

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza