Fórum exclama: ‘Abaixo as perseguições, assédios e demissões na Unila’

A- A A+

Reproduzimos a seguir nota do Fórum da Universidade Federal da Integração Latino-americana (Unila) sobre a grave crise institucional que atravessa a universidade e as perseguições que estão sendo desatadas.


Abaixo as perseguições políticas, assédios e demissões na Universidade Federal da Integração Latino-americana!

Enquanto Universidade recém implantada, a Universidade Federal da Integração Latino-americana (Unila) enfrenta uma grave crise e está em um impasse institucional. 

Ao mesmo tempo que atrai e congrega uma comunidade academicamente promissora e internacionalizada, padece de formas de luta política interna que ameaçam inviabilizar sua plena institucionalização enquanto universidade pública.

Tal como as demais Universidades que foram fruto do Programa REUNI, a Unila encontra dificuldades estruturais graves, como a falta de docentes, de infra-estrutura própria e de condições adequadas de vida e trabalho para trabalhadores docentes, técnicos e terceirizados. Dessa forma, a Unila enfrenta um contexto dificílimo de implantação, mas que, nesse aspecto, não se diferencia das demais Instituições públicas de ensino. 

Tal como nas demais instituições de educação, a precariedade institucional e a ausência de investimento público são usadas como instrumento para a intensificação do trabalho e a culpabilização dos trabalhadores da educação pelo fracasso institucional. Nesse sentido, a Unila também padece das mesmas especificidades da exploração do trabalho na área da educação, inclusive, com todos os agravantes do quadro das novas Universidades brasileiras que já vem sendo denunciado nas últimas décadas.

Além disso, porém, a Unila ainda é simbolicamente confundida com o campo partidário político-eleitoral do PT e, por isso, exposta a ataques externos que visam acabar com essa Universidade. E, nesse sentido, de forma equivocada, a luta contra essa ameaça muitas vezes é vista como motivo para escamotear, minimizar ou calar graves denúncias de precariedade e de violações de direitos básicos no âmbito da Universidade.

Por outro lado, frente a esse quadro, inadvertidamente, as administrações têm recorrido a práticas e políticas privatistas da educação, como, por exemplo, avaliações de desempenho e de “qualidade do ensino”, aumento de horas de ensino em detrimento da pesquisa e da extensão, ensino à distância, acumulação e desvios de funções, controle e intensificação de tarefas por meio de sistemas eletrônicos, incentivo aos voluntarismos e empreendedorismos, perseguições administrativas e demissões.

Esse contexto fez com que a crise econômica e institucional atingisse drasticamente essa Universidade, em especial, nos últimos anos. E tem imposto consequências ainda mais graves para trabalhadores e estudantes. Práticas de assédio se generalizam de forma assustadoramente ampla na Instituição. Em virtude disso, dentre outras diversas implicações que são ainda de difícil mensuração e informação, os índices de adoecimento na Unila estão acima da já altíssima média das demais Universidades públicas. O mesmo ocorre com as mortes de docentes e estudantes, que, lamentavelmente, estão se tornando cotidianas na Instituição. Por outro lado, já antes e até mesmo em meio à pandemia de COVID-19, os trabalhadores terceirizados têm enfrentado falta e atraso de pagamentos, exposição à contaminação e demissões.

Nesse sentido, iniciamos um amplo movimento de luta e mobilização a fim de combater as perseguições, assédios e demissões na Universidade Federal da Integração Latino-americana. 

Entendemos que a melhor forma de defender melhores condições de trabalho para todos e, ao mesmo tempo, de defender e fortalecer a própria Unila é denunciando publicamente essas precariedades e lutando contra as políticas e práticas privatistas que impedem que essa Universidade se consolide enquanto Universidade Pública.

Convocamos todos/as os/as docentes, técnico-administrativos e trabalhadores terceirizados da Unila, assim como solicitamos o apoio do movimento estudantil, do movimento sindical e dos movimentos sociais em geral para nossa luta.

Fórum de luta contra as perseguições, assédios e demissões

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Campus da Universidade Federal da Integração Latino-americana (Unila)

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza