Afeganistão: Mais de 290 agentes do governo fantoche mortos em ações da Resistência Nacional

A- A A+

Soldados do governo títere afegão patrulham uma rua, na tentativa de buscar conter ações do Talibã. Foto: Mohammad Ismail / Reuters

Desde a segunda semana do mês de junho, o governo títere do Afeganistão tem anunciado que o Emirado Islâmico do Afeganistão (Talibã), expoente da Resistência Nacional do país, vem lançando uma ofensiva de ações que já teria matado 291 agentes do governo fantoche e ferido mais de 550. 

Segundo o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional (CSN), foram registradas nas últimas semanas mais de 400 ações militares talibãs em 29 das 34 províncias do país, no que seria a semana mais mortal para as forças serviçais do imperialismo ianque desde o início da guerra de agressão imperialista, que já dura 19 anos. 

Leia mais: Afeganistão: Talibã mantém ações contra Exército fantoche do imperialismo ianque

O Talibã questiona parte dos números divulgados pelo governo e não reconheceu alguns dos ataques citados. Um deles, por exemplo, foi o que dois promotores e outros funcionários da procuradoria-geral foram mortos na capital Cabul por homens armados que até agora não foram identificados. "O inimigo quer estragar o processo de paz e as negociações intra-afegãs publicando esses informes falsos", declarou o porta-voz talibã Zabihullah Mujahid ao monopólio de imprensa AFP.

O aumento das ações da Resistência Nacional vem em sequência a uma relevante diminuição delas durante o cessar-fogo que ocorreu após o feriado muçulmano do Ramadã. O segundo de toda a história da guerra no Afeganistão desde 2001, ele foi comandado e coordenado pelo próprio Talibã.

Ele se dá também no contexto do encerramento da primeira fase da retirada das tropas ianques do Afeganistão, que foi concluída recentemente. A evacuação das tropas ianques foi prevista no acordo de rendição do Estados Unidos (USA) assinado com o Talibã, em 29 de fevereiro, do qual as "autoridades" do governo títere afegão foram deliberadamente excluídas e ignoradas pelos ianques, seus supostos "aliados".

O acordo previa também que as negociações intra-afegãs se desenrolassem nesse momento, mas o Talibã reitera que só dará início a tais conversas quando o governo fantoche libertar os combatentes que ainda faltam, como estipulado com o USA, explicitando o papel de subalternidade política dos fantoches. Desde março, mais de 3 mil prisioneiros talibãs já foram soltos, mas ainda restam mais de 2 mil. 

Em abril, o CSN divulgou que o Talibã realizou uma média de 55 ataques por dia, durante o período de 1º de março até 19 de abril, totalizando nesse meio tempo 2.804 ataques. A continuidade das ações do Talibã, como os monopólios da imprensa tentam colocar, tampouco interferiu nos pedidos dos ianques e do governo títere por um "acordo de paz", como chamam sua rendição, mas sim, apenas os pressionou ainda mais nesse sentido. 

O Talibã esteve no poder no Afeganistão até 2001, quando o imperialismo ianque invadiu o país e derrubou seu governo, instaurando um regime títere favorável ao USA e que servisse como capacho da ocupação imperialista. Apesar de suas evidentes limitações de classe, o grupo passou a combater firmemente a invasão estrangeira e o governo colocado no poder, que a apoia até hoje, tornando-se o principal expoente da Resistência Nacional no país. A emancipação efetiva da nação e do povo afegãos só será levada a cabo efetivamente, no entanto, pelo proletariado, por meio de seu partido revolucionário.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza