Entregadores de aplicativos preparam grande paralisação em todo o país

A- A A+

Trabalhadores que realizam entregas por meio de aplicativos de todo o Brasil estão promovendo uma paralisação para o dia 1º de julho. A iniciativa, denominada “Breque dos Apps”, convoca todos os trabalhadores a entrar em greve e conta com o apoio da população, exigindo melhorias nas condições de trabalho e remuneração..

A mobilização está sendo amplamente divulgada por meio de grupos em redes sociais, faixas, colagens de cartazes e panfletagens em diversas cidades do país. Os trabalhadores pedem para que a população, no dia específico, boicote os aplicativos de entrega para pressioná-los.

A iniciativa, denominada “Breque dos Apps”, é uma ação conjunta de vários trabalhadores autônomos da categoria, bem como de organizações apoiadoras, que convoca toda a população a se solidarizar com a causa dos entregadores e boicotar os aplicativos de entregas no dia da paralisação.

As exigências dos “operários” da logística urbana são: aumento na taxa de entrega, pagamento pelo deslocamento até a retirada do pedido, o fim dos desligamentos desnecessários de entregadores das plataformas, o fim do sistema de pontuação e concorrência entre os trabalhadores, além de um auxílio para a aquisição de equipamentos de proteção contra o coronavírus. A mobilização une trabalhadores de diversos aplicativos, sejam motociclistas ou ciclistas.

Precarização do trabalho

As empresas de entregas de comida enriquecem promovendo estratégias predatórias de contratação. Uma das maiores empresas do ramo, a iFood, divide seus entregadores de duas maneiras: os entregadores “nuvem” e os entregadores fixos em restaurante, denominados  “OL”.

O entregador “nuvem” recebe por entrega feita, de acordo com uma taxa que varia conforme a demanda de pedidos na plataforma e a distância percorrida no trajeto. Tal modelo “permite” ao entregador escolher o horário em que fica disponível para trabalhar, embora a maior demanda de pedidos se concentre especificamente nos horários do almoço e jantar.

Já o entregador “OL” precisa cumprir um horário estipulado pelo restaurante e recebe pelo tempo em que permanece disponível, independente da quantidade de entregas que realizar ou da distância que percorrer. Esse modelo é uma forma de terceirizar a contratação de entregadores diretamente pelos restaurantes, que se dá sem nenhuma garantia de direitos trabalhistas.

Leia também: Teoria - Exploração capitalista sobre os ‘motoristas de aplicativos’

A grande repercussão da mobilização do “Breque dos Apps” mostra que a categoria segue organizando-se e ganhando força, se organizando espontaneamente para lutar contra a exploração do grande capital monopolista. Existem esforços para a construção de uma paralisação simultânea em outros países da América Latina, que certamente ganhará corpo nos próximos dias.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira