MG: Moradores fecham estrada em protesto contra a mineradora Vale

A- A A+

Moradores fecham estrada MG-129 em protesto contra a Vale. Foto: Banco de Dados AND

Cerca de 40 Moradores da comunidade Vargem da Lua, em São Gonçalo do Rio Baixo, estado de Minas Gerais, fecharam a estrada MG-129, no dia 25 de junho, num protesto contra a mineradora Vale, a estrada fechada dá acesso à mina de Brucutu. O protesto, que teve início na parte da manhã se estendeu até o meio da tarde.

Os manifestantes levaram cartazes e gritaram palavras de ordem para denunciar os crimes da mineradora, que segundo eles, está arrancando cercas e madeiras, além de invadir as terras dos moradores. Outros problemas causados pela Vale e denunciados pelos moradores são: o acúmulo de barro e poeira, danos ambientais, morte de nascentes e falta de asfalto na localidade.

Os moradores também denunciam que há uma ordem judicial que impede a mineradora de entrar na localidade, porém essa decisão é descumprida constantemente pela empresa.

Moradores prejudicados pelas ações da mineradora

Em dezembro de 2019 moradores da comunidade protestaram com faixas e cartazes dentro da Assembléia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) contra a Mineradora. Segundo o advogado dos moradores, Leandro Marques Vieira, a Vale tem agido de forma ilegal e tem cometido várias irregularidades contra a comunidade rural. Segundo o advogado, ao contrário do que está na documentação da Vale, se a barragem de Laranjeiras ruir, os moradores de Vargem da Lua terão menos de dois minutos para se retirar do local que será inundado. Com essa argumentação ele questiona o documento da empresa que diz que os moradores teriam 20 minutos para deixar a área. "São cerca de 53 milhões de metros cúbicos, o que equivale a mais de dez vezes a capacidade da barragem de Bento Rodrigues, que desabou na cidade de Mariana" afirma o advogado.

Leandro Vieira disse ainda que a documentação apresentada pela Vale pra fazer o licenciamento está equivocada. Ele denuncia que 80% das terras ocupadas pela empresa instalada na região não é de propriedade da Vale do Rio Doce, e que grande parte dessas terras pertencem a comunidade Vargem da Lua. A declaração do advogado também apontou e que a empresa tem invadido essas terras para retirar minério de ferro de alto teor.

Outro advogado, dessa vez, Manoel Guimarães, denunciou que a empresa tem rebaixado o lençol freático da região, segundo ele " bombas gigantescas da Vale estão drenando o lençol freático". Ele ainda afirmou que os moradores "são agricultores familiares e pequenos criadores e não tem mais água para sua atividades. Fizemos várias  denúncias e nada foi feito".

Moradores da comunidade Vargem da Lua protestam na ALMG, em 2019. Foto: Flávia Bernado

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira