Líbano: Rebelado contra a miséria, povo ataca bancos e combate a reação com pedras e bombas incendiárias

A- A A+

Manifestantes em Beirute, 11/06 (Fonte: CNN)

Grandes protestos, com ataques à lojas do monopólio e bancos do capital financeiro eclodiram no Líbano, na cidade de Trípoli, ao norte do país, e na capital, Beirute, dia 11 de junho. Centenas de manifestantes se rebelaram contra o sistema de exploração e a crise econômica, combatendo a repressão com pedras, bombas incendiárias e barricadas. Pouco antes, o valor da moeda nacional havia caído ao seu ponto mais baixo, sendo que desde outubro de 2019 a libra libanesa perdeu 70% do seu valor.

Próximo à capital do Líbano, na cidade de Jounieh, manifestantes enfrentaram agentes da repressão, após a polícia os reprimir por tentar bloquear uma rodovia. Também exigiam a liberdade de Michel Chamoun, ativista preso por ter feito uma postagem na internet contra o Presidente Michel Aoun.

O confronto se desatou após os manifestantes tentarem bloquear a rua em frente a um prédio administrativo da cidade, de onde se recusaram a sair até a soltura de Chamoun.  

Centenas de pessoas tomaram as ruas em Trípoli clamando Revolução, revolução! e responderam à repressão com pedras e coquetéis molotov, lançando-os contra os soldados da reação que tentavam dispersar o justo protesto. Bancos e lojas também foram alvo do protesto popular.

Em Beirute, no mesmo dia, manifestantes ergueram barricadas e queimaram pneus em rodovias movimentadas. As forças policiais fizeram uso de balas de borracha, gás lacrimogêneo e veículos blindados para atacar as massas, ao que o povo respondeu com pedras e fogos de artifício. No centro de Beirute, cerca de 200 pessoas usaram motocicletas para atacar e queimar grandes lojas do monopólio e bancos.

Também aconteceram em protestos nos dias 6 e 7 de junho nos quais foram registrados mais enfrentamentos das massas contra as forças de repressão do velho Estado. No dia 7/06, após os manifestantes tentarem chegar ao Parlamento localizado na capital do país, a polícia realizou violentos ataques contra o povo, sendo prontamente respondida com fogos de artifício e pedras.

No dia 6/06, manifestantes entraram em confronto com forças de segurança após serem reprimidos com gás lacrimogêneo. Lojas do monopólio, assim como shoppings, também foram alvo das massas enfurecidas que destruíram o centro de Beirute.

Diante da crise do capitalismo burocrático no país e dos níveis de miséria inauditos, protestos massivos tiveram início em todo o Líbano desde outubro do ano passado, desencadeados por uma série de novas taxas criadas e impostas à população. Respondendo à todo esse achaque, rapidamente as massas rebeladas tomaram as ruas para exigir o fim dos cortes de seus direitos, contra a piora da sua situação de vida e aumento da repressão. Os grandes protestos levaram à renúncia do primeiro-ministro Saad Hariri, como efeito imediato.

Mesmo antes da pandemia do coronavírus, o Líbano estava sofrendo a pior crise econômica do seu capitalismo burocrático desde a guerra civil de 1975-1990, com uma recessão e inflação em espiral. Após o início da pandemia os preços dos alimentos atingiram os maiores níveis, somando-se às demissões em massa e o fechamento de pequenos negócios. 

O instrumento do imperialismo ianque Banco Mundial apontou que a taxa de pobreza no Líbano será de quase 50% em 2020. Ao passo que, o governo de turno atual, tendo o primeiro-ministro reacionário Hassan Diab há pouco mais de 100 dias no posto, já encontra o rechaço das massas, que denunciam a ausência de medidas de combate à situação de calamidade enfrentada pela população.

Protestos em Beirute (Fonte: Al Jazeera)

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira