Rebelião popular contra pobreza e medidas anti-povo explode em Curaçao, colônia holandesa no Caribe

A- A A+

Carro da polícia foi virado de cabeça para baixo e posteriormente incendiado pelos manifestantes de Curaçao, 24/06/2020.

Em Curaçao, colônia holandesa no Caribe, uma rebelião popular se iniciou no dia 24 de junho em repúdio às medidas anti-povo impostas pelo imperialismo holandês e reiteradas pelo governo colonial do país insular. A capital Willemstad registrou confrontos violentos entre os manifestantes e as forças da repressão, além de incêndios e saques. Um toque de recolher foi imposto pelo governo.

Entre os diversos ataques contra os direitos do povo estão a demissão de funcionários de empresas do Estado e o atraso no pagamento dos funcionários públicos, que estão sendo obrigados inclusive a entregar seus próprios salários a fim de cumprir as condições impostas pela Holanda para liberação de empréstimos de liquidez à sua colônia.

A revolta popular começou com os trabalhadores da coleta de lixo que entraram em greve e, na manhã de 24/06, organizaram uma marcha que reuniu centenas de catadores e trabalhadores de outros setores, entre eles: da refinaria Isla, das empresas Aqualectra, Brasami e do sindicato dos rodoviários. Também tomaram parte do protesto dezenas de jovens e estudantes. 

Os manifestantes repudiaram os cortes no governo e as demissões impostas pelos holandeses, e exigiam a renúncia imediata do representante colonial em Curaçao, o primeiro-ministro Eugene Rhuggenaath, e de todo o seu governo. 

Os trabalhadores e jovens também se rebelam contra situação da pobreza no país, o alto nível de desemprego, a precariedade do trabalho, além dos cortes de direitos e da assistência concedida pelo governo.

Durante a tarde, a polícia foi chamada para reprimir o protesto que avançou até a entrada do gabinete do primeiro-ministro, ameaçando ocupá-lo. Os manifestantes exigiam que Rhuggennaath saísse do prédio e recebesse as demandas dos trabalhadores, mas o gerente colonial já havia fugido do local mais cedo. 

Agentes do esquadrão de choque lançaram bombas de gás lacrimogêneo contra as massas rebeladas que ocupavam a praça Fort Amsterdam, onde fica a sede do governo. A violenta repressão foi prontamente respondida com garrafas e pedras lançadas contra a tropa policial; vitrines de lojas foram destruídas e latas de lixo e contêineres foram incendiados. Um veículo da polícia também foi virado de cabeça para baixo e incendiado pela revolta popular.

À noite, o clima no centro de Willemstad continuava tenso: alguns confrontos foram reportados, vários focos de incêndio continuavam espalhados pela cidade, carros e ônibus foram apedrejados e incendiados. Lojas do distrito de Otrobanda foram saqueadas e diversas ruas bloqueadas pelos manifestantes com barricadas de pneus em chamas. Seis manifestantes foram presos.

Buscando aplacar a rebelião, o Ministério da Justiça impôs um toque de recolher até as 6h da manhã do dia seguinte, que não foi obedecido. No dia 25 de junho, o chefe da polícia, Mauricio Sambo, anunciou que renunciava ao cargo.

MEDIDAS ANTI-POVO E REPRESSÃO COLONIAIS 

O Reino dos Países Baixos (Holanda) também possui outra colônia no Caribe além de Curaçao. O país vizinho, Bonaire, também insular, é mais uma área de domínio do imperialismo holandês. A dominação dos dois países caribenhos já data de séculos, do período de colonização holandesa na América no século XVII.

Além de ser colônia holandesa, Curaçao também é usada como base operacional do imperialismo ianque, por sua proximidade à costa venezuelana. Desde abril, quando o Estados Unidos (USA) lançou sua pretensa campanha de "combate ao narcoterrorismo" no Caribe, buscando incriminar o governo venezuelano de Nicolás Maduro, a intervenção do imperialismo ianque na região foi intensificada com envio de tropas e armamentos para Curaçao. 

No dia 19 de junho, inclusive, o USA anunciou o envio de mais quatro aeronaves e tropas para o país, afirmando que "Curaçao é um parceiro regional comprometido" e que a implantação de bases no país "demonstra a promessa duradoura do Comando Sul do USA de amizade, parceria e solidariedade com seus parceiros.".

O Consulado do imperialismo ianque em Curaçao emitiu um alerta no dia 24 sobre as revoltas na ilha, pedindo aos cidadãos estadunidenses e aos agentes ianques no país que se mantivessem longe dos locais programados para ocorrerem manifestações e que adotassem medidas como "manter o rosto abaixado" e "revisar seus planos de segurança pessoal". 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira