Tunísia: Povo se rebela contra falta de empregos

A- A A+

Manifestantes tunisianos enfrentam as forças de repressão na cidade Tataouine, em 22 de Junho de 2020. Foto: AFP

No dia 23 de junho, pelo segundo dia consecutivo, grandes enfrentamentos aconteceram na cidade tunisina de Tataouine entre massas de jovens e adultos que exigiam empregos dignos e as forças de repressão. O povo tunisino resistiu à repressão, erguendo barricadas em chamas e respondendo ao gás lacrimogêneo com pedras.

Centenas de trabalhadores desempregados protestaram no sul do país, uma das regiões mais pobres, exigindo empregos que haviam sido prometidos pelos governos de turno desde 2017. Eles também exigiam a libertação de outros manifestantes presos durante os protestos por “perturbarem a ordem pública”.

Os manifestantes, em revolta, bloquearam vias importantes da cidade com pneus em chamas e atiraram pedras contra os policiais que os reprimiam. Muitos deles cantavam Não vamos desistir, queremos o nosso direito ao desenvolvimento e ao emprego!

Durante semanas, o povo rebelado também havia bloqueado estradas e tentava impedir os caminhões da indústria petrolífera de entregar abastecimentos à estação de bombeamento de petróleo El-Kamour, um dos principais locais para a indústria na Tunísia.

"A situação é perigosa na nossa região. Da janela da minha casa vejo as forças policiais lançarem gás [lacrimogêneo] aleatoriamente e perseguirem jovens", denunciou Ismail Smida, morador local, ao monopólio de imprensa Reuters.

Os manifestantes tunisianos bloqueiam uma estrada que conduz ao centro de Tataouine em 23 de Junho de 2020. Foto: AFP

Em 2017, rebeliões contra a falta de empregos nas regiões de Tataouine e Kebili interromperam a produção de petróleo e gás natural numa região que concentra grandes empresas imperialistas, dentre elas a francesa Perenco e a austríaca OMV. 

Essas combativas manifestações resultaram em um acordo com o velho Estado que prometia empregos em projetos petrolíferos e de “desenvolvimento”, mas os manifestantes afirmaram que, após três anos, o acordo não foi aplicado.

Atualmente, a taxa de desemprego na região é de 30%, uma das maiores do país.

Trabalhadores das minas de fosfato lutam por empregos e direitos

Nos dia 13 e 14 de junho, trabalhadores das minas de fosfato da cidade de Meknessi, na província de Sidi Bouzid (centro-oeste da Tunísia), entraram em confronto com as forças policiais, após a intervenção direta das forças de repressão para acabar com os protestos dos trabalhadores que aconteciam desde o dia 4 de maio.

Os manifestantes exigiam a retirada das forças de repressão da cidade, a suspensão do processo judicial contra os trabalhadores da mina durante as manifestações, e a regularização da situação dos trabalhadores. Os trabalhadores haviam organizado uma série de manifestações desde o anúncio do fim dos seus contratos de trabalho, em 30 de Abril de 2020.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira