Iraque: Bases ianques em Bagdá são cercadas por combatentes após prisão de membros do Hezbollah

A- A A+

Foto ilustrativa do dia em que massas iraquianas e milícias xiitas pró-Irã cercaram, invadiram e atearam fogo à Embaixada ianque em Bagdá, 31/12/2019

Na noite do dia 25 de junho, após a prisão de 14 combatentes do Kata'ib Hezbollah, mais de 600 combatentes do próprio Hezbollah e membros de outras milícias xiitas apoiadas pelo Irã dirigiram-se à Bagdá, capital do Iraque, vindos de províncias no sul do país. Eles ocuparam as ruas e cercaram o complexo militar chamado de Zona Verde, onde estão as principais bases da ocupação ianque no Iraque e a própria Embaixada ianque, assim como a sede do governo títere iraquiano.

A capital do país foi tomada pelos combatentes após a prisão de mais de uma dúzia de membros dos grupos de Resistência Nacional por planejarem ataques com foguetes contra bases militares da coalizão militar invasora imperialista liderada pelo Estados Unidos (USA). 

Vídeos de combatentes do Hezbollah patrulhando as ruas de Bagdá e sitiando casas de "autoridades" iraquianas e de agentes ianques no país começaram a circular na internet durante a madrugada de 25/06 (horário local). 

Segundo o monopólio de imprensa Al Jazeera, a Zona Verde foi colocada sob total lockdown após dezenas de membros das Hashd al-Shaabi (Forças de Mobilização Popular, FMP) se concentrarem nas proximidades da região, exigindo a libertação dos presos.

O Comando de Operações Conjuntas Iraquianas declarou que o Serviço de Combate ao Terrorismo (CTS) havia invadido uma base do Hezbollah no sul de Bagdá e levado presos 14 membros da milícia que estariam planejando um ataque com foguetes à Zona Verde e que anteriormente já teriam atacado outras bases no Iraque que hospedam tropas da coalizão liderada pelos ianques. 

O CTS afirmou que apreendeu vários foguetes e duas plataformas de lançamento que supostamente haviam sido usadas no passado para atingir a Zona Verde com foguetes Katyusha. 

Apesar do CTS ter declarado que os presos foram "entregues aos serviços de segurança até que a investigação seja concluída e uma decisão seja tomada pelo judiciário", afirmou também que estavam sendo realizadas negociações sobre a libertação dos combatentes com as FMP, a fim de reverter a situação em Bagdá.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira