Irã ordena prisão de Donald Trump e outros 35 agentes por assassinato de comandante iraniano no Iraque

A- A A+

Memorial em homenagem ao general Qassem Soleimani no aeroporto de Bagdá, onde ocorreu ocorreu o ataque orquestrado pelo USA. Foto: Sergey Ponomarev / The New York Times

No dia 29 de junho, o Irã emitiu um mandado de prisão contra o presidente do Estados Unidos (USA), Donald Trump, e outros 35 agentes do imperialismo ianque por serem responsáveis pelo ataque de drones que executou o general Qassem Soleimani, comandante da Força Al Quds, unidade especial da “Guarda Revolucionária” do Irã, e outros militares, como o chefe da milícia iraquiana Forças de Mobilização Popular, no aeroporto de Bagdá, capital do Iraque, no dia 3 de janeiro. 

Embora tenha apenas uma função política e não efetiva, o Irã emitiu também pedido de auxílio para a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) na busca e prisão dos elementos, por "acusações de assassinato e terrorismo". Tanto o Irã quanto o USA fazem parte da lista de membros organização policial de âmbito internacional. 

Como veiculado pela Agência Oficial de Notícias da República Islâmica (Isna), o promotor iraniano que emitiu os mandados, Ali Alqasimehr, afirmou que “36 pessoas envolvidas no assassinato do Hajj Qassem foram identificadas, incluindo oficiais políticos e militares do USA e de outros governos, que foram ordenadas pelo Judiciário a receber um alerta vermelho à Interpol”. 

Nenhuma informação explícita sobre as outras pessoas indiciadas pelo Irã estava disponível de imediato nos documentos divulgados ou nas coletivas de imprensa realizadas.

O alerta vermelho da Interpol não significa que os países que compõem a organização são obrigados a prender ou extraditar os suspeitos, mas pode, por exemplo, limitar as viagens dos acusados e levar à notificação dos líderes do governo que solicitou o alerta sobre o paradeiro deles. 

O Irã também declarou que o espião que forneceu informações sobre o paradeiro de Soleimani aos serviços de inteligência do imperialismo ianque e de Israel foi identificado e condenado à morte. “Mahmoud Mousavi-Majd, um dos espiões da CIA e do Mossad, foi condenado à morte. Ele deu o paradeiro do mártir Soleimani aos nossos inimigos”, declarou o porta-voz Gholamhossein Esmaili, pela primeira vez trazendo à imprensa a identidade do iraniano condenado.

RESPOSTA SIMBÓLICA ÀS AGRESSÕES IANQUES

A decisão sobre os mandados de prisão trata-se de uma resposta simbólica aos repetidos ataques do imperialismo ianque à soberania nacional iraniana e de nações tais quais o Iraque, onde ocorreu o ataque que matou o general Soleimani a mando do USA. 

No entanto, ela não exprime qualquer ilusão de que entidades como a Interpol possam vir a intervir pela punição das agressões cometidas pelo imperialismo ianque. São ações diversas, por exemplo, das respostas militares do Irã e das milícias xiitas apoiadas pelo Irã às forças da ocupação ianque na região que, essas sim, trazem consequências diretas ao USA e seus lacaios, que já foram forçados a evacuar diversas bases no Iraque esse ano por conta de ataques de foguetes. 

Leia mais: Irã responde a agressão ianque com bombardeios a bases militares no Iraque 

Também não é a primeira vez que o Irã toma uma atitude desse tipo. Em janeiro, dias depois do atentado que executou Soleimani, o Parlamento iraniano aprovou por unanimidade um projeto de lei que designou todas as forças do imperialismo ianque no Oriente Médio como terroristas, por exemplo. 

“Qualquer auxílio a essas forças, incluindo militar, inteligência, financeiro, técnico, serviço ou logística, será considerado como cooperação em um ato terrorista”, afirma o projeto.

Algo similar ocorreu também quando, em abril de 2019, o Irã classificou o Comando Central (Centcom) ianque como uma organização terrorista, em sequência à decisão do imperialismo ianque de adicionar a “Guarda Revolucionária do Irã” à sua própria lista de organizações terroristas internacionais.

O Centcom, um dos comandos unificados regionais do USA, é responsável pelas operações militares ianques na região que inclui desde o Egito até a Ásia Central, abrangendo todo o Oriente Médio Ampliado e operações como toda a guerra de agressão imperialista ao Afeganistão. 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira