USA: Manifestantes confrontam a polícia em dias consecutivos de novos protestos

A- A A+

Um mês após a morte de George Floyd, fagulha para o início de uma revolta popular unificada no USA, os protestos seguem ocorrendo. Nas cidades de Wilmington e St. Cloud, entre os dias 15 e 17 de junho, grandes protestos aconteceram novamente em profundo rechaço às forças de repressão do país imperialista. Tais revoltas foram reprimidas e mais de 40 manifestantes foram presos apenas nas duas cidades.

No dia 17/06, na cidade de Wilmington, na Carolina do Norte, manifestantes foram em direção ao conselho da cidade rechaçar as forças de repressão do Estado ianque sob a palavra de ordem: Desmantelar a polícia! Na noite do protesto, acontecia a votação para os anos fiscais de 2020 e 2021 e de investimento na polícia da cidade.

Neste evento, os políticos do Estado ianque prometiam ouvir as massas e suas opiniões sobre a polícia, o que, em sua prática oportunista, se transformou em repressão desenfreada. “Era para ser uma audiência pública, mas não foi”, disse Lily Nicole, uma das organizadoras do protesto.

Revoltado contra a truculência, o povo bloqueou a uma importante rua, ao que a polícia agiu prendendo cinco manifestantes sob a acusação de “impedir o tráfego” e “não se retirar do local”. Na prática, negou-se o direito à livre manifestação.

Além disso, dois dias de protestos consecutivos ocorreram na cidade de St. Cloud, em Minnesota, nos dias 15 e 16 de junho. No dia 16, centenas de pessoas se reuniram na Ninth Avenue South para protestar contra a violência policial. As massas empobrecidas saquearam lojas, responderam a repressão policial, que usava gás lacrimogêneo, com pedras, além de colocarem fogo em tonéis de lixo. Dezenas de pessoas foram presas.

Anteriormente, na madrugada do dia 15/06, centenas de manifestantes foram para o local onde um jovem negro havia sido ferido e preso, denunciando a violência policial. Foram, então em direção à delegacia de polícia, sendo reprimidos com gás lacrimogêneo, ao qual os manifestantes enfrentaram com pedras.

Protesto em St. Cloud, Minnesota. Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira