Cultura Popular: Dillema, um grito de resistência na música nacional

A- A A+

A banda de hardcore pernambucana Dillema lançou em 2019 o álbum Resistência. Além do ritmo acelerado tradicional do gênero, o disco traz uma reflexão da luta de classes em nosso país, assim como diversas críticas ao modo de produção capitalista e a farsa eleitoral do Estado burguês.

Na canção Fragmentos do Século XXI, é abordada a problemática da superestrutura, sobretudo como as instituições religiosas são usadas para garantir e validar a velha política desse Estado putrefato brasileiro.

“Filho, não se iluda com esses caras, eles vêm pra te sugar/ Bebem do seu sangue e condenam você/ Maldito seja aquele que vende a fé aos desolados/ Não deixe isso te converter sem reação!  [...]/ Viver e não ser escravo dessa falsificação!/ Liberte-se do que eles dizem/ Que você deve ser e seguir aqui/ Quem paga é você, mas o milagre é da congregação./ Fascismo clerical, reacionário sim!”

Na faixa intitulada de Bala perdida, é trazido à tona o debate sobre os milhares de brasileiros que vivem à margem das políticas sociais do Estado brasileiro. Realidade dura, mas rotineira para os moradores de favelas e bairros pobres.

"Estar à margem sempre foi viver / Num mundo além dos muros da segregação/ Do lado de fora ninguém os vê/ só em notícias de arrastão./ É bem mais fácil os olhando de cima. /Assim é como o atirador os vêem./ Enquanto lá mais uma bala perdida/ Rasga o peito e ninguém vê."

A canção Soldadinho de chumbo, ecoa o grito de resistência de todo o povo trabalhador brasileiro, que luta contra seus algozes, porém muitas vezes assiste o sangue valioso da sua classe ser derramado pelos soldados de guarda da grande burguesia e do latifúndio.

“O que é você?/ O que você vê no espelho?/ O sonho da patente nos olhos vermelhos./ Em nós o medo/ Senão vai preso em nome da injustiça/ Lucrar! Matar! Vender! Roubar!/ Quem pode nos salvar? A quem temer?/ A ditadura vive!/ Não nos renderão, você vai ver./ É bala contra punho./ O sangue jorra mas aqui/ Resistir é a lei!”

A música que também intitula o álbum, é a última do disco. Sua letra aborda a luta popular do povo brasileiro, a farsa dos discursos políticos daqueles que fazem parte dessa velha ordem e traz um tom de esperança e vitória. Pois sabemos, só a luta muda à vida.

“Em Recife, ternos vão manipular/ Com velocidade contra quem resiste/ Sem cidade, é só lucrar!/ Levantemos juntos!/ É difícil mas temos que resistir./ Levantemos juntos!/ Resistência é luta cultural./ Em cada quilombo, aldeia, espaço urbano, é demais./ A quinhentos anos, sem parar/ A guerra sangrenta que eles tentam ocultar./ Levantemos juntos!/ É difícil mas temos que resistir./ Levantemos juntos!/ É guerra contra quem te oprimiu./ Levantemos juntos! {Reconquistar!}/ Legítima defesa dentro de você!/ Levantemos juntos! {Reconquistar!}/ Qual outra opção é que teríamos?/ Outra, senão lutar? Resistência!"

Abaixo é possível escutar o disco completo:

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza