Cebraspo: 'USA: Defender os 3 perseguidos políticos de Austin'

A- A A+
Reproduzimos a tradução do editorial do jornal Tribune of the People em que o órgão democrático denuncia a perseguição política contra três manifestantes em Austin. A tradução foi feita pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo).

Reproduzimos grave denúncia feita pelo portal Tribune of the People (Tribuna do Povo) sobre perseguição política desatada em Austin contra três manifestantes que, por exercerem seu direito democrático de se manifestar politicamente, estão sendo falsamente acusados de "participação em um tumulto" e "roubo de um prédio". O editorial do portal explicita o quão injustas são as acusações, e, pela falta de evidências de qualquer participação dos acusados em tais atos, também são criminosas. 
 
O documento denuncia também que, além do direito democrático de livre manifestação, o que também está sendo criminalizado é o ato de se declarar "antifascista", associando o termo ao terrorismo. 
 
Entre os que estão sendo perseguidos, está uma jovem mãe negra, cujo único "crime" comprovado foi filmar e divulgar manifestações antirracistas, numa clara tentativa de dar um recado as massas rebeladas. 
 
O CEBRASPO manifesta seu repúdio à criminosa perseguição aos 3 manifestantes de Austin e expressa sua solidariedade. Fazemos um chamamento a todas e todos os democratas e revolucionários, suas organizações e indivíduos a apoiarem e defenderem os 3 manifestantes de Austin, e também a apoiarem sua justa luta por direitos e dignidade, contra o racismo e todas as opressões do repressivo sistema imperialista do USA!
Compartilhamos abaixo tradução do editorial do Tribune of the People: 
A Força-Tarefa Conjunta entre o Departamento de Polícia de Austin e o FBI começou a selecionar, rastrear e prender manifestantes que se acredita estarem associados a um protesto contra a corporação Target. Até agora, três pessoas foram presas e acusadas de crimes violentos por "participação em um tumulto" e "roubo de um prédio".
 
A primeira prisão criminosa foi realizada taticamente contra uma jovem mãe negra, que recebeu as duas acusações acima mencionadas. Ela transmitiu ao vivo apenas o protesto sem entrar no prédio ou realizar qualquer ato físico que pudesse ser considerado tumulto. Ela foi alvo do estado que imediatamente começou a rotulá-la de "Antifa" na tentativa de criminalizar suas reportagens e o movimento por vidas negras. Ela não tem condenações anteriores e está sendo perseguida porque o Estado teme as vozes das mulheres negras que defendem o povo e acreditam que a revolução é necessária.
Mais dois manifestantes foram presos pelo Estado e acusados ​​quase de forma idêntica. Em nenhum caso o Estado sequer tentou articular um ato criminoso real, apenas que eles acreditavam estar no protesto e eram "membros conhecidos da Antifa". Isso não é crime, e nenhum dos outros tem registro de jamais ter sido condenado por um crime associado ao amplo e nebuloso movimento 'Antifa'.
 
As agências estaduais tentam, com movimentos amplos, rotular qualquer pessoa que se oponha ideologicamente ao fascismo ou racismo como membro da "Antifa" porque sonha em tornar ilegal a dissidência. Embora nenhum dos Três negue ser contra o fascismo (quem diria!), Eles não se identificam com grupos organizados que possuem o nome "Antifa" e não têm envolvimento com esses grupos. Este rótulo foi uma invenção da polícia aplicada a ativistas da comunidade e jornalistas independentes para difama-los na imprensa e causar um aumento no valor dos títulos com condições mais rigorosas no curto prazo. A longo prazo, seu objetivo é prejudicar potenciais grupos de jurados, de forma que as acusações fraudulentas não se baseiem em nada além da base de medos e inseguranças da direita.
 
O caso dos Três Alvos se tornou notícia local e nacional, tendo sido relatado no New York Times. Os Três são os únicos casos nos EUA em que declarações policiais afirmam, sem nenhuma base de fato, que houve "membros da Antifa" presos, tornando-se uma ponta de lança na representação da fantasia de Donald Trump dos provocadores de "Antifa". Esse fato torna o apoio e a conscientização em torno deste caso primordial. Se o Estado for capaz de coagir aqueles que cobrem protestos e os que participam deles como "arruaceiros e bandidos da Antifa", certamente escalarão essa tática. Qualquer pessoa que proteste, qualquer pessoa que faça um protesto pode ser vista como "extremista" ou "terrorista", para usar as palavras do estado, e qualquer pessoa que não seja fanática por botas fascistas pode ser considerada criminosa e rotulada como "Antifa".
 
O protesto ao qual os três teriam participado não foi uma "ação antifascista". Foi um protesto exigir que o varejista corporativo Target parasse de financiar a vigilância policial anti-negra em Minneapolis e nos EUA. Não havia iconografia visível nem cânticos associados ao movimento antifascista.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza