Haiti: Manifestantes queimam bandeira ianque em ‘celebração’ da independência do USA

A- A A+

Manifestantes haitianos ateiam fogo à bandeira do imperialismo ianque e cacho de bananas, que representa o governo fantoche. Foto: Reprodução / Redes Sociais

No dia 4 de julho, data de comemoração da independência do Estados Unidos (USA), manifestantes no Haiti se reuniram para atear fogo à bandeira do imperialismo ianque em protesto contra as intervenções militares e a dominação econômica e política promovidas pelos ianques na nação caribenha. No fundo do vídeo de divulgação da ação é possível ouvir um homem dizendo: Nós estamos queimando a interferência do USA! Nós queimamos a bandeira do mal!.

Junto da bandeira, um cacho de bananas foi pendurado e queimado, simbolizando o atual presidente haitiano, Jovenel Moïse, capacho do imperialismo ianque, a quem os governos Clinton/Obama apelidaram de “Homem Banana”. “Queimar a banana = Queimar o regime fantoche de Jovenel Moïse”, afirmou uma militante haitiana em resposta ao vídeo. 

Nas últimas três décadas, o Haiti sofreu duas intervenções estrangeiras do imperialismo ianque, e até hoje vive sob tutela da “Organização das Nações Unidas” (ONU), apesar de, em tese, sua ocupação no país ter se encerrado em 2017. A primeira delas ocorreu em 1994, após a deposição do então eleito presidente Jean-Bertrand Aristide por um golpe militar. O imperialismo ianque enviou 25 mil tropas no total para invadir a nação insular, sob a operação de nome Uphold Democracy (“Defender a Democracia”). 

Apesar da pretensa defesa incondicional da “democracia”, os termos do apoio ianque ao retorno de Aristide obrigavam o seu governo a se submeter às exigências do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, forçavam-no a abrir o mercado nacional ao comércio exterior e a importar a maior parte dos alimentos. Qualquer projeto reformista ou de defesa da economia nacional a que Aristide defendia desmoronaram. 

Anos depois, após Aristide sofrer outro golpe, o imperialismo ianque interviu novamente, dessa vez utilizando tropas terceirizadas: a Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), uma força de ocupação (sub)comandada militarmente pelo Brasil, agente do imperialismo na América Latina. Participaram dela também Argentina, Benin, Bolívia, Canadá, Chade, Chile, Croácia, França, Jordânia, Nepal, Paraguai, Peru, Portugal, Turquia e Uruguai, numa tentativa de mascarar que servia, de fato, aos interesses do imperialismo ianque.

Em 2005, a servir de exemplo, foi aprovada a lei Hope, que impede o pagamento de qualquer imposto pelas indústrias ianques em solo haitiano, inclusive sobre a água e a luz e criava 42 zonas francas, onde as leis trabalhistas não têm validade. Nelas, as terras dos camponeses haitianos foram expropriadas, forçando-os a vender sua mão de obra a custos de miséria e fome. 

Após essas subsequentes intervenções, o país caribenho tornou-se completamente dependente de financiamentos do imperialismo ianque e de organizações financeiras internacionais, bem como de ações do onguismo. Essa situação se aprofundou ainda mais após o terremoto de 2010, que deixou o povo haitiano ainda mais vulnerável e lançou milhões mais à miséria. 

Mais de 20 mil tropas ianques foram enviadas para “ajudar a reconstruir o país”, mas, assim como com a Minustah, seu legado foi o dos estupros em massa cometidos por soldados da ONU contra crianças e mulheres pobres do Haiti e das epidemias de doenças importadas, como a cólera.

Habitações miseráveis construídas pela ONU após o terremoto no Haiti de 2010, chamadas localmente de “cabanas de escravos”.

Vídeo: https://twitter.com/madanboukman/status/1279490925463568384

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza