Unir: Estudantes indígenas denunciam política de exclusão com aulas remotas

A- A A+
No último dia 03 de julho o Centro Acadêmico Indígena Intercultural – CAII/UNIR/Campus de Ji-Paraná e Estudantes indígenas e quilombolas dos campi da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) divulgaram uma nota de repúdio às aulas remotas da Unir. A manifestação dos indígenas e quilombolas denuncia as medidas adotadas pela Reitoria da UNIR, que à toque de caixa quer implementar “Aulas Remotas” seguindo as orientações do MEC.
Os estudantes indígenas e quilombolas se manifestam “contra as ‘possíveis aulas remotas/EaD’ tendo em vista que muitos estudantes indígenas retornaram para suas comunidades em decorrência da pandemia, e na maioria dessas comunidades indígenas não se tem acesso à internet e nem sinal de telefone, dificultando assim a participação nas aulas”. Ainda segundo o manifesto, “aqueles que ainda estão nas cidades, estão vivendo em situação de extrema vulnerabilidade social, não tendo acesso à internet de qualidade para participar de todas as aulas. Além disso, consideramos que todo processo linguístico que o material em EaD traz é muito superficial, além de não se ter resolvido, por exemplo, como será a oferta de material para que os alunos com deficiências possam acompanhar essas aulas?”
Os estudantes indígenas afirmam que: mesmo que a UNIR ou Departamentos dos cursos disponibilizem materiais impressos a cada 15 dias, não seria possível todos os estudantes terem acesso ao material, por ser difícil a locomoção da aldeia até o campus, além de gerar custos altíssimos de viagens. A título de exemplo, existem acadêmicos indígenas que moram há 02 dias de barco da aldeia até a cidade próxima e outros ainda que residem na área urbana de um município, porém estudam em outra cidade. Somado a isso existe a possibilidade de colocarmos a saúde da comunidade em risco, já que em Rondônia o número de infectados veem crescendo. Por fim, os estudantes indígenas destacam que o regime de aulas remotas/EaD na UNIR é “uma política de exclusão e desigualdade” e que a “implementação de aulas na modalidade EaD é um golpe contra a política de acesso e permanência na universidade”.
No último dia 30 de junho, após uma “pesquisa” de apenas 03 dias via formulários online que foi respondida por 44% dos estudantes, a reunião plenária do Conselho Superior da UNIR (CONSUN) aprovou um amontoado de dados sem qualquer análise qualitativa e de procedência duvidosa. Os estudantes ainda denunciam que o Reitor da UNIR, Ari Miguel Teixeira Ott, manobrou a votação do CONSUN, encerrando-a antes mesmo que houvesse outras manifestações contrárias (a sessão foi online). Também não concedeu pedido de vistas da matéria, contrariando o Art. 39, § 1º do Regimento Interno do CONSUN.
Segundo o DCE/UNIR, “Os estudantes da UNIR, que são em sua grande maioria pobres, não têm condições materiais mínimas de acesso à internet ou um aparelho eletrônico com um desempenho adequado para que possa acompanhar aulas à distância. Alguns defensores da EaD e das aulas remotas, pasmem, defendem que os estudantes literalmente ‘se virem’ para conseguir internet gratuita para acompanhar as aulas a distância ‘de forma plena e produtiva’”, conclui a Entidade. Há uma crescente mobilização dos estudantes contra as medidas consideradas excludentes, privatistas e autoritárias que permeiam a implantação das “aulas remotas” na UNIR.
 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza