Paraguai: Velho Estado condena membros do Exército do Povo Paraguaio

A- A A+

Comandantes e combatentes do Exército do Povo Paraguaio (EPP) foram julgados e condenados, no dia 24 e 26 de junho, a até 23 anos de prisão. Entre os julgados encontra-se Alcides Oviedo Brítez, considerado o chefe do EPP, Carmen Villalba, porta-voz dos prisioneiros de guerra do EPP, Aldo Meza e os irmãos Víctor e Gregório Morales.

Os irmãos Victor e Gregório Morales, de 51 e 40 anos respectivamente, foram condenados a 12 anos de encarceramento nas masmorras do velho Estado, sob a acusação de “apoio logístico” ao EPP na captura de Edelio Morínigo, soldado das Forças Armadas do velho Estado paraguaio convertido em prisioneiro de guerra.

Os irmãos Victor e Gregório Morales

A defensora pública Marta Villalba salientou que a prova pericial que o Tribunal aprovou para a condenação carece de fundamento legal. Ela também disse que estudará um possível recurso.

Já no dia 24, o Tribunal sentenciou como culpados Alcides Oviedo Brítez, Carmen Villalba e Aldo Meza de “tentativa de homicídio doloso” num evento ocorrido há 16 anos, envolvendo um comissário e dois policiais.

Carmem Villalba já cumpriu sete anos de cárcere sob a acusação de “tomada de reféns” em 2007. Alcides, por sua vez, aguarda o julgamento de seu envolvimento no sequestro de María Edith (esposa de um grande empresário da construção civil), assim como já foi condenado sob a acusação de ter chefiado o sequestro de Arlan Fick (ligações com o latifúndio brasileiro). Com a nova sentença. Alcides Oviedo cumprira mais 23 anos, Carmem mais 17 e Aldo mais 19 anos de prisão.

A advogada Daisy Irala disse ao monopólio de imprensa do Paraguai que o caso tem numerosas violações processuais. Ela ressaltou que, após 14 anos e 6 meses, as pessoas condenadas foram novamente colocadas em julgamento e, por aproximadamente um ano, ficaram sem advogado de defesa.

Na foto, Alcides Oviedo e Carmem Villalba

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza