Quilombo Quingoma e sua luta contra a especulação imobiliária em meio a pandemia de Covid-19

A- A A+

Em meio a pandemia, comunidade resiste contra o conluio entre governos estadual, municipal e construtoras.

Foto: Banco de Dados AND

O Quilombo Quingoma é uma comunidade tradicional situada no município de Lauro de Freitas, Região Metropolitana de Salvador, na Bahia. A comunidade, que conta hoje com cerca de 3,5 mil moradores, possui origens que remontam o ano de 1569 estimando-se que seja o primeiro quilombo do Brasil. 

Em 14 de agosto de 2013 foi certificada enquanto comunidade remanescente de quilombo pela Fundação Cultural Palmares, permitindo então dar entrada no Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID), no entanto, ocorre que desde então mesmo com as diversas mobilizações da comunidade para dar andamento em sua solicitação, o processo encontra-se parado nas instâncias da burocracia do velho Estado. 

A certificação recebida pela Fundação Palmares não significou uma melhoria nas condições de vida dos moradores da localidade, pelo contrário, o descaso das instituições permaneceu e a especulação imobiliária aumentou seu interesse na região, em especial, após a construção da Via Metropolitana, obra do Governo Estadual (Rui Costa/PT) em conjunto com a empresa Bahia Norte. 

No ano de 2015 ainda na fase de planejamento da Via Metropolitana, lideranças do quilombo fizeram uma contraproposta oficial para que os rios e as matas não fossem prejudicados; as solicitações, é claro, foram ignoradas pelo governo estadual e pela Bahia Norte e o que se viu foi a completa devastação por onde a obra passou. 

Após a conclusão das obras com o crescente aumento do interesse das construtoras no território, os ataques à comunidade aumentaram significativamente, dezenas foram os casos de fogo em barracos, destruição de alvenarias, espancamentos e ameaças que foram denunciadas na delegacia da cidade e que nunca foram de fato esclarecidas.

Em meio a este cenário de perseguição e resistência, o quilombo ainda tem de lidar com a pandemia de Covid-19 em condições totalmente adversas, não existem serviços mínimos de saúde e saneamento básico no local. 

A comunidade não conta com posto de saúde, nem com agentes comunitários de saúde; a água encanada que chegou há pouco mais de dois anos falta constantemente, cenário perfeito para a propagação do vírus. 

Diante de tanto descaso e do falecimento de uma idosa, os moradores fizeram um combativo protesto no dia 26/06 exigindo medidas efetivas das instituições, em especial da prefeitura de Lauro de Freitas (Moema Gramacho/PT) para o combate ao coronavírus. Além de cobrar medidas sanitárias efetivas o protesto também serviu para denunciar o mais recente ataque do conluio das construtoras e dos governos estadual e municipal que utilizam a desculpa da pandemia para acelerar seu processo de expropriação dentro do quilombo. 

Em mais uma medida visando atender os interesses da especulação imobiliária e sem consultar a comunidade, o governo estadual autorizou este ano a construtora CAVA Engenharia de Infraestrutura Ltda. a fazer estudos e medições, além de desapropriar pessoas para que seja feita pavimentação de 1.174,00m da via existente e implantação de uma alça de acesso à Via Metropolitana, com extensão de 318m no entorno do Hospital Metropolitano, em Lauro de Freitas.

Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza