Norte de Minas: LCP lança boletim intitulado: 'Desprezo ao povo e abandono são as causas da tragédia do Coronavírus no Brasil'

A- A A+

Reproduzimos abaixo em formado de PDF o boletim informativo que está sendo distribuído pela Liga dos Camponeses Pobres (LCP) nas regiões norte de Minas Gerais e sul da Bahia denunciando o descaso do governo brasileiro para com o povo mais pobre em meio a pandemia de coronavírus.


Desprezo ao povo e abandono são as causas da tragédia do Coronavírus no Brasil

A pandemia avança pelo Brasil afora matando mais de 30 mil pessoas. A maior parte das mortes e todo o sofrimento, angústia e medo da população poderiam ter sido evitados se o governo Bolsonaro e seus generais tivessem acudido aos alertas enviados do exterior quando a doença ainda era uma epidemia e tomado às devidas providências. Porém o fascista Bolsonaro afirmou que a doença era uma gripezinha e seus generais estavam preocupados em garantir as medidas económicas para salvar os bancos, as grandes empresas e o agronegócio.

Nem Bolsonaro, nem Mourão, nem o Congresso e Judiciário corruptos, nem as Forças Armadas reacionárias se importam, nem interessam em resolver os problemas do povo, todos, sem exceção, estão dispostos a pisar sobre pilhas de cadáveres para aplicar os planos de tentar salvar o capitalismo burocrático, atrasado, de sua grave crise de decomposição e para isso, aplicam medidas de super-exploração dos trabalhadores, além de ampliar e aprofundar sua guerra
contra o povo, principalmente no campo com GLO (Garantia da Lei e da Ordem) para perseguir, criminalizar, prender e assassinar os camponeses pobres, populações indígenas e remanescentes de quilombolas na luta pela terra.

A divulgação em maio da reunião ministerial comprova que a tropa fascista do Bolsonaro com cobertura dos generais golpistas, falam de “liberdade” enquanto ameaçam prender quem atravessar seu caminho e falam de armar o povo enquanto promovem o genocídio do povo pobre e preto nas favelas das grandes cidades, a tiros da polícia ou abandonados à miséria e nas portas dos hospitais. No campo, promovem e encorajam os bandos armados do latifúndio, como o Movimento Paz no Campo que na região tem sede na Sociedade Rural de Montes Claros, que abriga empresários e grileiros assassinos de camponeses, quilombolas e indígenas, como Leonardo Andrade e seus iguais.

Só o povo unido e organizado poderá conter a pandemia e enfrentar este governo latifundista e vende-pátria na luta por uma verdadeira e

nova democracia no Brasil!

No Norte de Minas a proliferação da doença ameaça a vida de milhares de pessoas. Em todos os municípios faltam equipamentos de proteção para os profissionais da saúde, faltam testes, leitos, UTI’s, respiradores, ambulâncias, em muitos municípios faltam hospitais, profissionais capacitados e normalmente já é grande a incidência de “situação mal definida como causa de mortalidade”, como também a morte por diversas doenças que poderiam ser evitadas com saneamento básico, prevenção, diagnóstico e tratamento.

Só o povo poderá salvar o país desta ruína; só o povo organizado pra lutar e arrancar dos ricos e poderosos os seus direitos, para tomar e distribuir as terras e a água aos camponeses pobres sem-terra ou com
pouca terra, para garantir verdadeiras medidas sanitárias e parar o avanço desta e de outras doenças.

E isso só com a revolução democrática, agrária e anti-imperialista para varrer os inimigos do povo e construir uma nova e verdadeira democracia!

Atenção desempregados!

Contra a crise e a fome: Tomar todas as terras do latifúndio para trabalhar e viver com dignidade com nossas famílias!

Morte ao latifúndio! Viva a Revolução Agrária! Organizar por toda parte os Comités Sanitários Populares

O discurso dos monopólios de imprensa de combater o Covid-19 como inimigo comum é hipócrita pois tenta nos convencer que as classes dominantes parasitas e o povo pobre estariam do mesmo lado! Mas não, os banqueiros, os latifundiários, as mineradoras e a casta dos generais em nada se comparam com o povo.

Em todo o mundo e também no Brasil as massas trabalhadoras estão se mobilizando e se organizando e irão se rebelar em defesa dos seus direitos pisoteados, contra a exploração e pelo direito de manifestação e organização, como também por uma nova sociedade.

Alertamos a todas as comunidades para que se protejam e que não caiam na lábia de políticos e candidatos que oferecem almoços, churrascos e farras com a intenção de fazer o pré-lançamento de suas campanhas, expondo covardemente todos os moradores a maiores riscos de contaminação e disseminando a ilusão de que através das eleições farsantes a situação do povo pode melhorar.

Convocamos os camponeses, as associações, sindicatos, aos trabalhadores da cidade, aos professores, estudantes, pequenos e médios comerciantes, aos taxistas, aos trabalhadores autónomos, aos trabalhadores funcionários das prefeituras que estão ainda mais expostos nas barreiras, unidades de saúde e hospitais, aos desempregados e aos intelectuais honestos, para que apoiem a conformação e que participem dos Comités Sanitários de Defesa Popular - CSDP.

Os Comités se organizam para mobilização e esclarecimento do povo para aplicação das medidas sanitárias de proteção dos moradores e visitantes nas comunidades, vilas e bairros populares: para a luta pela solução dos problemas de abastecimento de água, da produção dos camponeses e sua comercialização, da solução para assegurar os atendimentos médicos regulares, da sobrevivência em geral e contra a fome.

Ademais, os Comités Sanitários desenvolvem ações de denúncia das condições de vida e saúde do povo, promovem arrecadações e desenvolvem a solidariedade ativa entre o povo.
Como em Varzelândia, onde o comité sanitário deu luta para reabertura do mercado e das feiras de pequenos produtores, propondo medidas sanitárias que foram acordadas e estão sendo aplicadas.

Não vai ter fome!

Ousar lutar! Ousar Vencer!

HOMENAGEM

Neste ano tão bom de chuva, teremos o mês de junho mais triste da história do sertão, quando geralmente se comemora com festa a fartura da colheita, mas agora compartilhamos a dor e sofrimento dos filhos do povo de nosso pais e de todo o mundo que perderam seus entes queridos, muitos sem socorro e atendimento digno. Propomos que a partir do dia 15 de junho todos se manifestem colocando um pano preto nas cercas, janelas, portas das casas, locais de trabalho e veiculos, em sinal de luto e solidariedade às familias vitimas da pandemia, que não puderam sequer se despedirem dos seus.

Liga dos Camponeses Pobres do Norte de Minas e Sul da Bahia

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza