Covardia insana: PM pisa em pescoço e espanca mulher; ela ainda foi presa por ‘desacato’

A- A A+

Uma senhora de 51 anos foi agredida por policiais militares, teve seu pescoço pisoteado, espancada e ainda foi presa por “desacato à autoridade”, “resistência à prisão” e outros absurdos. Essa insanidade foi flagrada em um vídeo e tornou-se notório no dia 12 de julho. O crime ocorreu em Parelheiros, no extremo sul de São Paulo, no dia 30.

A senhora, que é dona de um bar, viúva, com cinco filhos e dois netos, foi violentamente agredida por um dos policiais ao tentar defender um amigo, que foi dominado pelos militares e estava imobilizado no chão. Ela afirma ter pedido ao policial para não bater mais no homem, que já estaria desfalecido e havia sido agredido com joelhadas no rosto

"Aí eu pedi para o policial não bater mais nele que ele já estava desfalecido, deitado no chão e o policial sobre o rosto dele”, contou a senhora.

No momento em que ela pedia para parar a covardia contra o rapaz, um segundo policial, que estava armado e abordando outras pessoas, aproximou-se da mulher e a empurrou contra uma grade. A vítima denunciou ter sido agredida com três socos e derrubada com uma rasteira. Na queda, ela fraturou a tíbia e um osso da perna, e levou pontos em diversas partes do corpo. 

O vídeo que foi gravado por um morador mostrou a mulher deitada de bruços, no meio-fio, ao lado de um carro e sendo imobilizada por um policial militar que apoia um pé só e todo o peso de seu corpo em seu pescoço. A mulher então é algemada e arrastada de forma violenta até a calçada. A vítima diz que desmaiou quatro vezes. “Quanto mais eu me debatia, mais ele apertava a botina no meu pescoço”, contou.

A comerciante foi atendida num hospital com ferimentos no rosto, nas costas e com a perna quebrada. Depois, foi levada para uma delegacia, onde ficou injustamente detida até o dia seguinte. 

Este caso odioso e repugnante relembra a morte de George Floyd, um homem preto de 46 anos, que havia acabado de ser preso pela polícia em Minneapolis, Minnesota, no Estados Unidos e foi asfixiado por um policial que pisava em seu pescoço, enquanto gritava que estava sem ar, vindo a óbito.  

Policial pisa em pescoço de mulher, em São Paulo. Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira