Grécia: Povo protesta e rechaça lei que nomeia agentes do Estado como ‘responsáveis’ por protestos

A- A A+

 Manifestantes em Atenas. Fonte: Banco de Dados AND

Mais de 10 mil manifestantes se reuniram próximos ao parlamento grego, no dia 9 de julho, em Atenas, em rechaço à nova lei aprovada que visa criminalizar o protesto popular, em um segundo dia de protestos. Com forte repressão policial, o povo resistiu enfrentando os agentes da repressão.

No dia 09/07, fechando ruas, o protesto começou no início da noite, com milhares de pessoas participando em rechaço à nova lei. Com a palavra de ordem A voz dos trabalhadores não será silenciada, a nova lei não passará!, o povo grego se reunia na praça Syntagma, em frente ao parlamento grego.

Uma hora após o início do protesto, os manifestantes foram reprimidos com gás lacrimogêneo e granadas de atordoamento, ao qual o povo respondeu com bombas incendiárias, pedras e coquetéis molotov. Mesmo com forte repressão, o povo permaneceu em protesto, até a nova lei ser votada.

Segundo a polícia, cerca de nove manifestantes foram presos, com mais 15 levados para interrogação, em camburões, com pelo menos um manifestante ferido na cabeça.

Além de Atenas, outras 40 cidades realizaram protestos rechaçando a nova lei no mesmo dia. Em Thessaloniki, manifestantes foram reprimidos após atacarem um banco, sendo que os manifestantes responderam com pedras e garrafas os agentes da repressão.

Um dia antes, em Atenas, diversos cartazes com os dizeres Tirem suas mãos de nossas manifestações! e O direito à greve e de protesto é não negociável!  foram vistos com os manifestantes, que começaram sua caminhada na praça Korai em direção ao parlamento grego. Sindicatos haviam anunciado paralisações no estado de Attica a partir das 11h até o fim do expediente normal de trabalho.

Lei antipovo visa combater o protesto popular

Manifestação combativa acontece em Atenas contra os planos para conter protestos populares [Petros Giannakouris/AP Photo.

Desde a crise do imperialismo de 2008, que jogou enorme parte o povo grego à miséria, protestos combativos são comuns na Grécia, a exemplo dos que tomaram o país entre 2010 e 2012, onde ocorreram inúmeros protestos e greves gerais contra as medidas adotadas pelo Estado semicolonial grego, em acordo com o Fundo Monetário Internacional. Os protestos se tornaram ainda mais frequentes com a atual crise geral do imperialismo.

A nova lei aprovada, portanto, vem como resposta do Estado reacionário grego para criminalizar o protesto popular. Na lei, de acentuado caráter fascista, é exigido a nomeação de um oficial do Estado que fique responsabilizado pela “gerência” das manifestações, além de restrições às manifestações ou mesmo proibições se as autoridades do velho Estado considerarem que elas ameaçam à sua ordem, com a responsabilização sobre os organizadores por danos ou prejuízos causados pelos manifestantes.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza