Contra a fome e abandono! Moradores se organizam e confiscam alimentos da prefeitura de Pelotas

A- A A+

Moradores famintos confiscam caminhão com alimentos em Pelotas

Dezenas de famílias proletárias se organizaram e confiscaram mais de 100 cestas básicas e 200 litros de leite pertencentes à prefeitura de Pelotas, no dia 10 de julho. A ação ocorreu na vila das Corujas e os alimentos foram distribuídos na hora, sobretudo para quem não recebeu auxílio-emergencial pela demora do governo. 

Um dos estopins para a ação, além da fome e miséria impostas às famílias pela crise do capitalismo burocrático, foi o abandono e demora da prefeitura. Os alimentos pertenciam mais especificamente à Secretaria de Assistência Social da prefeitura. Num vídeo que circula na internet, um dos moradores denuncia que mais de 60 famílias que passam fome não foram incluídas no cadastro da prefeitura, e muitas incluídas não receberam nada. 

De acordo com os assistentes sociais que foram surpreendidos pela ação, os moradores obrigaram-lhes a entregar a comida rápido aos trabalhadores. Mesmo quem recebeu o auxílio (míseros R$ 600), sofrendo também de carestia, se juntaram aos demais e também receberam. Alguns moradores entraram no caminhão e distribuíram os alimentos aos outros populares.

Os confiscos de alimentos (chamados de “saques”) têm acontecido com cada vez mais frequência, mostrando como a crise econômica do capitalismo burocrático, agravada pela crise sanitária da Covid-19, tem submetido o povo a condições cada vez mais indignas de vida. 

Recentemente o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) revelando que mais da metade da população brasileira com idade para trabalhar está desempregada (50,5%). Numa situação de agravada privação dos direitos básicos como à alimentação, os confiscos são um meio encontrado pelas classes populares de amenizar a carestia. 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza