México: Camponeses realizam greve contra os megaprojetos do imperialismo

A- A A+

Greve camponesa no México, no dia 15 de julho. Foto: Corrente do Povo- Sol Vermelho

No dia 15 de julho, camponeses realizaram uma grande greve no istmo de Tehuantepec, nas cidades de Salina Cruz, Ostuta e Reforma de Pineda, além de protestos e bloqueios de estradas contra as intenções do imperialismo de construir seus megaprojetos na região, que incluem novos parques eólicos, mineração a céu aberto, parques industriais de embalagem, expansão de super-rodovias, entre outros, sendo parte do “Plano para o Desenvolvimento do Istmo”, do governo de turno oportunista de Andrés Obrador.

A organização revolucionária Corrente do Povo - Sol Vermelho, sob contexto da primeira Greve Regional Camponesa-Popular, promoveu uma unidade das forças populares da região, colocando como questão central o direito de se opor aos megaprojetos, unindo as justas exigências das massas que incluem a defesa da terra, do território, do meio ambiente e da propriedade social da terra; a luta contra o imperialismo, a nacionalização sem compensação de indústrias chaves e uma ofensiva contra as grandes propriedades, redistribuindo a terra entre os camponeses pobres e pondo fim à semifeudalidade.

No início do mês de julho a União de Comunidades Indígenas da Zona Norte do Istmo (Ucizoni) também havia se juntado à luta contra os megaprojetos, somando novas ações de outras comunidades em vários pontos da região.

Em meio a essa situação, diversas comunidades e organizações democráticas expressam sua rejeição aos megaprojetos, que são, em essência, antipovo, em Fóruns e, principalmente, nas ruas. Segundo a Corrente do Povo - Sol Vermelho, tais ações das massas “permitem vislumbrar o cansaço crescente do povo ao velho Estado, seus governos e partidos” e que “estes megaprojetos são medidas da velha ordem para aliviar a crise do capitalismo burocrático às custas do suor, sangue e vida das massas populares”.

Os camponeses bloquearam em protesto contra megaprojeto imperialista. Foto: Corrente do Povo - Sol Vermelho.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza