Israel destrói postos de saúde para o combate à Covid na Palestina

A- A A+

Destroços de onde ficava o posto de saúde construído pelos moradores palestinos, demolido por escavadeiras israelenses, em Hebron, na Cisjordânia. Foto: Wafa

Nos dias 20 e 21 de julho, forças da ocupação israelense destruíram postos de saúde que haviam sido construídos recentemente como parte das estratégias de combate à pandemia de Covid-19, nas cidades de Jenin e Hebron, respectivamente, na Cisjordânia, território palestino ocupado pelo sionismo. 

No primeiro caso, em Jenin, a agência de notícias palestina Wafa noticiou que soldados de Israel haviam invadido a cidade um campo de refugiados local para prender pessoas envolvidas em ações de resistência à ocupação, o que levou a um confronto com os moradores, que resistiram ao ataque, e terminou com um dos residentes alvejado na perna pelos soldados. Ao fim da incursão militar reacionária, os soldados levaram duas pessoas detidas e destruíram o posto de controle sanitário que ficava na saída da cidade, por puro sadismo.

No segundo caso, segundo o monopólio de imprensa Anadolu, as forças da ocupação israelense colocaram abaixo com escavadeiras um centro de saúde na entrada da cidade de Hebron que estava sendo construído pelos próprios moradores há cerca de três meses, na tentativa de conter o avanço da doença sobre a população.

Um palestino que participava da iniciativa em Hebron declarou ao site Monitor do Oriente Médio, enquanto caminhava pelos destroços deixados pelos israelenses após demolirem o centro: “[A demolição] é uma prova de que eles não estão preocupados em conter [o vírus]. A instalação estava preparada para testar os moradores, para que as pessoas infectadas ficassem quarentenadas aqui  por um tempo e então serem transferidas para centros de quarentena, e para detectar as pessoas não infectadas e deixá-las entrar na cidade. Ele estava sendo construído há 3 meses, mas nos últimos estágios os israelenses não estavam mais permitindo”. 

Leia mais: “Vulnerabilidade de palestinos ao coronavírus escancara a guerra de agressão imperialista

Esses casos somam-se a episódios anteriores, como quando, em 15 de abril, soldados israelenses invadiram e fecharam uma clínica de testagem para a Covid-19 que havia sido improvisada no bairro de Silwan, na Jerusalém Oriental, onde ainda levaram presas quatro pessoas, acusadas de envolvimento com a Autoridade Palestina, que teria fornecido os kits de testagem da doença. 

No mês anterior, outro caso similar ocorreu na aldeia palestina de Khirbet Ibziq, no norte do vale do rio Jordão, onde funcionários israelenses, acompanhados por uma escolta militar, confiscaram materiais e equipamentos que haviam sido destinados para a montagem de tendas de hospitais de campanha e para alojamentos emergenciais que atenderiam aos moradores locais. 

Em meio a toda essa situação, fica escancarada a face mais violenta e perversa do colonialismo-sionista, que perpetra seus crimes contra o povo palestino, seja em territórios ocupados ou não. No mês de junho, Israel atingiu um pico no número de demolições perpetradas contra casas de famílias palestinas na Cisjordânia, atingindo mais de 200 palestinos, dos quais 115 são menores de idade. O número total de casas demolidas foi mais que o dobro da média mensal nos primeiros cinco meses de 2020.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira