Índia: Comitê Internacional de Apoio à Guerra Popular da Índia faz chamado de solidariedade aos presos políticos

A- A A+
Compartilhamos com nossos apoiadores importante chamamento do Comitê Internacional de Apoio à Guerra Popular na Índia de ações de solidariedade com a dramática situação naquele país que, em plena pandemia, tem um governo de turno fascista que tem tornado a situação das massas exploradas ainda mais insuportável. O chamando para as ações é para o dia 28 de julho, dia em que se desenvolve vasta ação dos maoístas e dos combatentes da guerra popular durante a semana dos mártires da revolução.
 
O CEBRASPO faz um apelo a todos e todas as personalidade e organizações progressistas, democráticas e revolucionárias a atenderem juntamente conosco o chamado para a luta pela liberdade de todos os presos políticos revolucionários e democráticos indianos, em especial de Varavara Rao e do Prof. Saibaba, devido a condições de saúde debilitadas dos mesmos
 
Segue abaixo, em sua íntegra, o documento traduzido para o português:
Cartaz da campanha: "Libertem todos os presos políticos; Considerando suas condições de saúde deteriorantes: Varavara Rao e G. N. Saibaba deveriam ser libertados sob fiança imediatamente! Organizações por direitos: CLC, HRF, CLMC, PUCL, OPDR"
"A pandemia está se expandindo na Índia. No ranking, é o terceiro país do mundo depois dos EUA e do Brasil. Nas últimas horas, ocorreram 30 mil infecções, o total de casos é de 1 milhão e as mortes são de 24 mil. Os estados mais afetados são Maharashtra e Tamil Nadu, seguidos por Karnataka. O novo lockdown (bloqueio) decidido pelo regime fascista afeta 12 estados, incluindo Bihar. Estes são os estados mais pobres. Ao mesmo tempo, Bangalore também é atingida, que é o centro de tecnologia mais desenvolvido na Índia, onde estão localizados os escritórios da Microsoft, Apple e Amazon. Mais de 3 milhões de trabalhadores perderam o emprego e estão chegando às suas aldeias.
 
O sistema de saúde na Índia mostra todo o seu atraso para uma massa tão grande de população e a ausência de qualquer serviço de saúde real.
 
O Partido Comunista da Índia (Maoista) luta desde abril para defender as condições das massas. O porta-voz do Comitê Central chamou o coronavírus de "arma biológica" que tem suas raízes nas políticas imperialistas. Ele solicitou que pelo menos 10% do produto interno bruto fosse destinado à nutrição e saúde das massas; ele denunciou como o governo Modi não hesitou em continuar a exportação pró-imperialista de medicamentos químicos para os Estados Unidos, apesar das dramáticas necessidades das massas indianas.
 
É nesse contexto que um drama dentro do drama é composto por presos políticos que, além de serem vítimas da repressão fascista do governo, arriscam suas vidas e saúde nas prisões do regime.
 
O PCI (Maoísta) pediu a libertação imediata de Varavara Rao, um artista intelectual revolucionário, conhecido e apreciado pelas massas indianas, assim como do Prof. Saibaba, uma figura proeminente da oposição democrática revolucionária ao regime Modi e ao sistema indiano de subserviência ao imperialismo.
 
A luta contra a repressão e libertação desses presos políticos faz parte da resistência das grandes massas populares em luta e, ao mesmo tempo, faz parte da denúncia do governo que usa a força policial, usando o bloqueio, contra as massas. e que nada faz pela segurança dos médicos, profissionais de saúde.
 
Por esse motivo, hoje é necessário mais do que nunca desenvolver a denúncia do governo Modi, intensificar a solidariedade com as massas indianas em luta e armas, ampliar a demanda pela libertação imediata de Varavara Rao e Saibaba em todos os países.
 
O Comitê Internacional de Apoio à Guerra Popular na Índia sempre esteve envolvido nessa batalha e hoje pede urgentemente uma nova fase de mobilização. Através da repressão desses dois intelectuais, atingiram um número impressionante de militantes, professores, estudantes e artistas, membros de organizações democráticas; O terrorismo de Estado é praticado contra a liberdade de imprensa, de opinião em um país onde o regime aprova leis racistas e discriminatórias, como as últimas sobre cidadania que afetam milhões de muçulmanos.
 
O desenvolvimento da pandemia também transforma prisões em armadilhas mortais.
 
Portanto, o Comitê pede um novo dia internacional de informação, ação e solidariedade para 28 de julho, dia em que se desenvolve a vasta ação dos maoístas e dos combatentes da guerra popular durante a semana dos mártires da revolução.
 
O Comitê divulgou, ainda neste dia, os numerosos documentos que circulam na Índia e no mundo todo em apoio a essa batalha.
 
Mais de 130 intelectuais renomados assinaram um apelo alegando que a deterioração das condições de saúde do Prof. Saibaba e Varavara Rao e o surto de Covid nas prisões ameaçam suas vidas e exigem sua libertação imediata sob fiança. Documentos da mesma natureza são assinados em Bangladesh e por grupos de deputados no mesmo parlamento indiano.
 
À luz disso, o Comitê apela a alguns objetivos imediatos:
 
espalhar esses documentos por todos os meios na internet;
 
organizar um envio em massa pelo correio no dia 28 de julho à imprensa internacional, às embaixadas indianas, aos ministros das Relações Exteriores e da Justiça do maior número de governos, ao Parlamento Europeu, ao Tribunal Internacional de Justiça;
 
organizar reuniões, protestos e todo tipo de ações que, juntamente com mensagens de solidariedade, permitam ampliar a frente de mobilização; em particular, para esta última tarefa, apelamos a todas as organizações políticas e sociais que lidam com prisão, repressão, solidariedade internacional e internacionalista.
 
São iniciativas já em andamento em alguns países nos últimos meses. O que se pede no dia internacional é a concentração, socialização que pode desenvolver uma campanha prolongada com o objetivo de obter resultados concretos ao longo desses meses, caracterizados pela pandemia."
--
CEBRASPO
Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos
www.cebraspo.blogspot.com.br

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza